Pigmum

arte e outros riscos

O universalismo construtivo de Torres García em 20 imagens

Quem visita o Uruguai, em algum momento vai se deparar com a pintura geométrica de Joaquín Torres García. Seja no aeroporto ou nas feirinhas de souvenirs, as reproduções estão lá, em painéis ou ímãs de geladeira. E não é pra menos, já que Torres García foi o artista mais célebre do país e um dos responsáveis por trazer o movimento modernista à América do Sul.

  1 - As pinturas geométricas de Torres García se transformaram em ícones do Uruguai

1 - As pinturas geométricas de Torres García se transformaram em ícones do Uruguai

É justamente com ele que o Pigmum inicia uma série especial sobre o Uruguai. Durante o mês de maio, toda semana o canal Pigmum no YouTube visita um museu uruguaio diferente, começando justamente com aquele que leva o nome de Torres García e é responsável por contar sua história e preservar sua obra. Assista:

Torres García não foi apenas um grande artista. Ele foi um verdadeiro teórico da pintura. E suas principais ideias foram sistematizadas no livro ‘Universalismo Construtivo’, uma obra com mais de mil páginas e que explora todo o universo conceitual que ele desenvolveu e vivenciou em sua produção artística.

Fruto do debate acerca do construtivismo e da ascensão da arte abstrata, o universalismo construtivo de Torres García surgiu em 1929, quando o artista uruguaio vivia em Paris e mantinha contato com o neoplasticismo de Mondrian e Doesburg. Só que na contramão da rígida abstração desses dois artistas, Torres García manteve uma forte conexão com símbolos figurativos inspirados nas tradições pré-colombianas, africanas e aborígenes.

  2 - Torres García fundou o universalismo construtivo e desenvolveu sua obra com base nesse conceito

2 - Torres García fundou o universalismo construtivo e desenvolveu sua obra com base nesse conceito

  3 - Embora tenha sido influenciado pela pintura abstrata do neoplasticismo, sua obra manteve-se também na fronteira com o figurativo

3 - Embora tenha sido influenciado pela pintura abstrata do neoplasticismo, sua obra manteve-se também na fronteira com o figurativo

  4 - O figurativo nas obras de Torres García se localiza nos símbolos que ele utilizava e não no desenho fiel dos objetos representados

4 - O figurativo nas obras de Torres García se localiza nos símbolos que ele utilizava e não no desenho fiel dos objetos representados

  5 - O artista também favorecia as cores primárias em seu trabalho. Torres García buscava o essencial e universal da pintura

5 - O artista também favorecia as cores primárias em seu trabalho. Torres García buscava o essencial e universal da pintura

  6 - É recorrente também as linhas retas horizontais e verticais, com as quais o artista  'enquadrava'  os símbolos presentes nos quadros

6 - É recorrente também as linhas retas horizontais e verticais, com as quais o artista 'enquadrava' os símbolos presentes nos quadros

  7 - O símbolo do homem, recorrente na obra do artista

7 - O símbolo do homem, recorrente na obra do artista

O artista recusava as motivações do inconsciente vividas pelo surrealismo e defendia que a pintura tinha estrutura própria e se constituía como objeto singular, independente da representação da realidade. Ou seja, Torres García também se aproximou da corrente de pensamento estruturalista, que buscava definir os sistemas universais que fundamentariam a cultura humana.

Sua arte explora o valor simbólico da forma, buscando ainda estabelecer a harmonia e o equilíbrio universal entre o tempo, o espaço e o ser humano. Não é à toa que ele utiliza a proporção áurea em seus trabalhos. A ambição de Torres García era encontrar o eterno da arte.

Por isso, há o predomínio de formas e cores primárias, de linhas verticais e horizontais, de figuras geométricas e símbolos recorrentes, como a âncora, o peixe, o coração... Cada um com um significado próprio e universal, como a escada, que simbolizaria a progressão pelo saber; ou a balança, que equivaleria à justiça, à prudência e ao equilíbrio. Observe:

  8 - O símbolo do coração representa o centro do organismo

8 - O símbolo do coração representa o centro do organismo

  9 - Torres García se aproximou da arte pré-colombiana para chegar à pintura universal

9 - Torres García se aproximou da arte pré-colombiana para chegar à pintura universal

  10 - O artista também realizou trabalhos explorando a tonalidade do claro e escuro, em imagens preto e branco

10 - O artista também realizou trabalhos explorando a tonalidade do claro e escuro, em imagens preto e branco

  11 - Para Torres García uma pintura é um objeto único, que se afasta da realidade e que é capaz de ter seu próprio sentido

11 - Para Torres García uma pintura é um objeto único, que se afasta da realidade e que é capaz de ter seu próprio sentido

  12 - É a presença dos signos na pintura que vai garantir o sentido da obra e não a representação de uma cena da 'ralidade'

12 - É a presença dos signos na pintura que vai garantir o sentido da obra e não a representação de uma cena da 'ralidade'

  13 - O peixe também é um símbolo recorrente nas obras de Torres García, assim como a relação do artista com a parte  'sur' (sul)  da América

13 - O peixe também é um símbolo recorrente nas obras de Torres García, assim como a relação do artista com a parte 'sur' (sul) da América

  14 - A convivência com Mondrian e Doesburg influenciou o artista

14 - A convivência com Mondrian e Doesburg influenciou o artista

  15 - Torres García ambicionava desenvolver um modernismo artístico com a cara da América do Sul

15 - Torres García ambicionava desenvolver um modernismo artístico com a cara da América do Sul

  16 - A preocupação de Torres García não era com a precisão do desenho ou o apuro técnico da pintura

16 - A preocupação de Torres García não era com a precisão do desenho ou o apuro técnico da pintura

  17 - Mais uma obra que destaca os símbolos do peixe e do sol

17 - Mais uma obra que destaca os símbolos do peixe e do sol

É a presença desses elementos que dá sentido às pinturas e não a aparência ou fidelidade figurativa deles. Para o artista, o que importava era o essencial da pintura. A beleza não estava na imitação da realidade.

Embora a proposta de Torres García seja, de fato, bastante ambiciosa (como aliás é comum entre formalistas e estruturalistas), é admirável como ele construiu e vivenciou seu próprio universo artístico, influenciando ainda toda uma geração de artistas no Uruguai e esforçando-se para desenvolver uma arte moderna com a cara da América do Sul.

  18 - O artista sempre buscou a dimensão simbólica das formas mais básicas

18 - O artista sempre buscou a dimensão simbólica das formas mais básicas

  19 - Mais uma vez, o peixe - com a balança, a âncora, o coração, o trem...

19 - Mais uma vez, o peixe - com a balança, a âncora, o coração, o trem...

  20 - Uma cena musical na visão de Torres García

20 - Uma cena musical na visão de Torres García