Pigmum

arte e outros riscos

Filtering by Tag: rio grande do norte

É artista? Então corra que você só tem até 4 de julho para se inscrever no edital de ocupação da Galeria de Arte do IFRN

Ótima notícia para os artistas visuais – principalmente os artistas potiguares – que estão só esperando uma boa oportunidade para expor seus trabalhos. A Galeria de Arte do IFRN Cidade Alta, em Natal-RN, está com edital de ocupação aberto para o segundo semestre de 2017 e você só tem até o dia 4 de julho para se inscrever!

Salão principal da Galeria de Arte IFRN Cidade Alta durante abertura de exposição

Salão principal da Galeria de Arte IFRN Cidade Alta durante abertura de exposição

Inicialmente a submissão de propostas iria até 26 de junho, mas o prazo foi prorrogado. Ou seja, é a sua grande chance, mas tem que correeer!

As inscrições podem ser feitas pela internet, enviando toda a documentação necessária para o e-mail galeriadearte.ifrn.cal@gmail.com; ou se preferir, também podem ser feitas presencialmente, basta comparecer na Coordenação da Galeria de Arte (sala 86), das 9h às 12h e das 13h às 16h. O IFRN fica na Av. Rio Branco, 743, no bairro de Cidade Alta.

Fachada do IFRN Cidade Alta, em Natal-RN

Fachada do IFRN Cidade Alta, em Natal-RN

Pátio interno da instituição

Pátio interno da instituição

Os interessados podem ser brasileiros ou estrangeiros, residentes no Brasil ou no exterior. Menores de 18 anos também podem participar, desde que nomeiem um representante legal (procurador, pais ou responsáveis) para o ato de inscrição.

Vernissage da exposição mais recente da Galeria de Arte

Vernissage da exposição mais recente da Galeria de Arte

Ao todo, serão selecionadas 4 propostas, individuais ou coletivas, que serão expostas por um período de 4 semanas (incluindo montagem, desmontagem e vernissage). Qualquer expressão artística visual pode concorrer, desde que respeite as limitações físicas e técnicas de cada espaço expositivo. A planta baixa da galeria você confere no edital, assim como a documentação necessária para a inscrição e os critérios de avaliação da comissão de seleção.

Quero ver todo mundo se participando, viu? Boa sorte!  

Se organizar direitinho, dá pra gente ir nas aberturas de duas exposições de arte amanhã (10) em Natal-RN. Bora?

Natal tá pipocando em exposições de arte esse mês. Isso sem falar na Semana de Artes Visuais da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN), que começou ontem (8) e segue até sexta-feira (12). Pra engrossar ainda mais esse caldo cultural, nesta quarta-feira (10) a capital potiguar recebe mais duas exposições e se a gente planejar tudo direitinho, dá pra conferir as duas aberturas, já que elas estarão próximas uma da outra.

Casa em ruínas na fazenda Bom Jesus, em Goianinha (RN)

Casa em ruínas na fazenda Bom Jesus, em Goianinha (RN)

A primeira será na Pinacoteca Potiguar, às 18h, com o lançamento da instalação multimídia ‘Tristes Trópicos – Bom Jardim’, assinada pela artista visual paulista Regina Johas. A artista, que também é pesquisadora, desde os anos 1990 desenvolve seu trabalho aliando o campo da arte com questões sociais e culturais.

Ruínas localizadas na Via Costeira, em Natal (RN)

Ruínas localizadas na Via Costeira, em Natal (RN)

regina johas

A exposição nasceu a partir do projeto de extensão ‘Memórias de Bom Jardim’, em parceria com o grupo de estudos em arte contemporânea Zeitgeist, ambos da UFRN. A ideia é aproximar ruínas contemporâneas às ruínas do passado, para tentar entender o elo de ligação entre elas e os grupos sociais que habitam os espaços rural e urbano do Rio Grande do Norte.

Imagens da vídeo-instalação

Imagens da vídeo-instalação

regina johas

Na mostra, uma vídeo-projeção tomará conta de toda a sala Dorian Gray e haverá ainda a instalação sonora ‘Quanto coco se dança’, em homenagem ao cantador potiguar Chico Antônio.


E é só andar duas quadras adiante e já estaremos no lançamento da exposição ‘Olhar mais atento’, marcado às 19h30, na Galeria Sesc Cidade Alta. Esta será a segunda mostra da pauta de exposições 2017 da Galeria e é assinada pelo grupo Urban Sketchers Natal.

Ilustração do grupo  Urban Sketchers  Natal

Ilustração do grupo Urban Sketchers Natal

O urban sketching ou croqui urbano é uma prática artística recorrente entre artistas que sentem necessidade de registrar o local onde vivem ou suas experiências de viagem.

Em Natal-RN, o grupo tem representantes desde 2012 e reúne-se uma vez por mês para desenhar um local pré-estabelecido na capital e também no interior. O importante é que os trabalhos sejam realizados, pelo menos parcialmente, nos próprios locais que são representados.

Por dentro do Forte dos Reis Magos

Por dentro do Forte dos Reis Magos

Nesta exposição, serão apresentados 40 trabalhos, entre desenhos e aquarelas, dos arquitetos André Alves, Jota Clewton, Petterson Dantas e Rafael Oliveira, além de vídeos e sketchbooks dos artistas. As obras retratam principalmente paisagens urbanas e naturais do Rio Grande do Norte.

Desenhos de artistas diferentes para a Igreja Matriz de Nossa Senhora da Apresentação, em Natal (RN)

Desenhos de artistas diferentes para a Igreja Matriz de Nossa Senhora da Apresentação, em Natal (RN)

urban sketchers natal

Agora é só agendar, compartilhar esse texto nos grupos de WhatsApp e chamar a galera pra ir com você. Bora!?

SERVIÇO:

Abertura da exposição: 'Tristes Trópicos - Bom Jardim'
Artista: Regina Johas
10 de maio (quarta-feira), às 18h.
Local: Pinacoteca Potiguar
Endereço: Avenida 7 de setembro, s/n, Cidade Alta. Natal – Rio Grande do Norte. Telefone: (84) 3232-9727
Entrada gratuita.

Visitação: até 20 de maio, de terça-feira a domingo, das 9h às 17h
 

Exposição: 'Olhar mais atento'
Artista: Urban Sketchers Natal
10 de maio (quarta-feira), às 19h30.
Local: Galeria de Arte do SESC Cidade Alta
Endereço: Rua Coronel Cascudo, 33, Cidade Alta. Natal – Rio Grande do Norte. Telefone: (84) 3133-0360
Entrada gratuita.

Visitação: até 7 de junho, das 9h às 19h, exceto finais de semana e feriados

ENTREVISTA | Com peças que mesclam ilustração e origami, o artista potiguar André Souza comenta sua primeira exposição individual

Em sua primeira exposição individual – sem título definido, André Souza não apenas desenhou sobre papel. Ele transformou o próprio papel em formas artísticas, criando origamis - a técnica oriental de dobradura de papéis. E é a sutileza desse material que dá a tônica suave da mostra.

O artista visual André Souza conversou um pouco com o  Pigmum  sobre sua primeira exposição

O artista visual André Souza conversou um pouco com o Pigmum sobre sua primeira exposição

Por muitos anos, André Souza expôs seu trabalho com arte digital apenas nas redes sociais, mas agora – aos 30 anos – sua arte finalmente saiu das telas eletrônicas e ganhou o espaço físico do Mahalila Café & Livros – em Natal-RN, evidenciando também o seu amadurecimento técnico e estético. O visitante tem até o dia 4 de abril para conferir a exposição, das 16h às 00h.

O Pigmum conversou um pouquinho com ele pra saber como é expor pela primeira vez. Confira:


Pigmum: Você já desenha há um bom tempo e inclusive sempre postou seus trabalhos nas redes sociais, mas só agora abriu sua primeira exposição individual. O que mudou e possibilitou você a começar a expor?

André: Sempre tive vontade de montar uma exposição, mas nunca tinha conseguido escolher uma técnica pra isso. Só depois de alguns trabalhos com origami foi que me veio a ideia de misturar técnicas de desenho com origami, algo que nunca vi ninguém fazer. Foi isso que me motivou a expor. Também o fato de ter mais tempo livre na minha rotina fez com que eu pudesse me dedicar mais a esse trabalho artístico, experimentando a melhor forma de unir o desenho ao origami.

Nesta exposição, o origami se integra à ilustração e o resultado é tão delicado quanto o próprio papel dobrado

Nesta exposição, o origami se integra à ilustração e o resultado é tão delicado quanto o próprio papel dobrado

origami 2

Pigmum: O que o visitante encontrará na exposição? Fale um pouco sobre o eixo temático da mostra.

André: O público encontrará sentimentos, desejos, conselhos... São 8 obras de técnica mista e os desenhos são em preto e branco. Decidi fazer assim para destacar as cores do papel de origami. Já tinha experimentado aquarela com origami antes, mas no final ficava parecendo uma coisa só. Bom, espero que o visitante se identifique com minhas obras que ilustram desilusões amorosas, vontade de mudar, de seguir um sonho, de encontrar coragem, que muitas vezes foram reprimidas pela sociedade. Enfim, o visitante também poderá tirar suas próprias interpretações, pois também há muito mistério nas obras.

A mostra fica em cartaz até 4 de abril no Mahalila Café & Livros, em Natal-RN

A mostra fica em cartaz até 4 de abril no Mahalila Café & Livros, em Natal-RN

Detalhe da exposição, que não tem título definido

Detalhe da exposição, que não tem título definido

Pigmum: Humm... Mistério? Já gostei! E o que mais te motiva na arte e quais são as outras técnicas que te interessam?

André: Amo desenhar figuras humanas e seres mitológicos como sereias e faunos. Atualmente estou interessado em botânica. Sobre as técnicas... Ah, eu gosto de todas! Hehehe... Só não experimentei ainda pinturas à óleo e nem pastel seco, mas quero experimentar em breve. Estou bastante interessado em técnicas à mão livre de modo geral, mas durante muitos anos e ainda hoje eu também trabalho com arte digital. E acaba sendo mais fácil, por possuir cores, efeitos, texturas e possibilidades infinitas apenas com poucos cliques em programas gráficos. Depende muito do trabalho e da proposta.

Pigmum: Quem são suas referências artísticas e o que te inspira?

André: Sou absolutamente inspirado pela cultura japonesa e sua tradição oriental. Amo trabalhar com formas geométricas e o Japão me levou ao origami e suas infinitas formas. Para mim, transformar um pedaço de papel em algo é um desafio e fico pensando como alguém pode descobrir um passo-a-passo para tal. Acho isso fantástico. Minha maior referência no origami é a matemática e mestra em origami Tomoko Fuse, que possui as formas mais incríveis e perfeitas que já vi. A simetria dos trabalhos dela é perfeita. Já na pintura, eu sou inspirado pelos grandes mestres, como o pintor Renascentista Michelangelo, pelo seu trabalho com a anatomia humana e como multiartista, já que ele era escultor, poeta, arquiteto... Tem também o impressionista Van Gogh, pelas cores, pelo movimento e pelo sentimento em suas obras. Um fato curioso é que Van Gogh também era muito interessado pela cultura japonesa e isso me fez admirá-lo ainda mais ♥. Além disso, sou muito inspirado pela música de modo geral. Sou capaz de colocar uma música no repeat infinito e fico escutando até terminar o desenho. Hehehe.

'A Criação de Adão'  (1511), parte do afresco pintado por Michelangelo na Capela Sistina, Vaticano. As obras de Michelangelo são inspiradoras para André

'A Criação de Adão' (1511), parte do afresco pintado por Michelangelo na Capela Sistina, Vaticano. As obras de Michelangelo são inspiradoras para André

Pigmum: Uau! Então daqui a pouco está na hora de planejar uma visitinha ao Japão, né? Quais são seus planos para o futuro? O que você espera daqui pra frente?

André: Ainda é muito difícil viver só de arte, mas é possível. Acho que só depende de nós mesmos. Por isso desejo conciliar meu trabalho de artista com outro de design gráfico. Pretendo também continuar produzindo exposições em várias galerias de arte aqui na cidade e quem sabe em outras... Já recebi convites para expor em alguns lugares e, mesmo estando satisfeito com isso, não quero ser um artista de uma técnica única, então possivelmente minha próxima exposição será totalmente ou parcialmente diferente desta primeira. Quero cursar Artes Visuais em breve para ter mais contato com profissionais que vivem de arte no meio acadêmico, adquirindo mais conhecimento e novas experiências, abrir um pouco a cabeça para novas ideias e quem sabe me tornar um professor de artes ou algo do tipo. Cresci ouvindo as pessoas falarem que eu era um artista, acho que agora estou começando a acreditar nelas.

André utilizou nanquim preto nas ilustrações dessa mostra para evidenciar as dobraduras e as cores dos papéis utilizados

André utilizou nanquim preto nas ilustrações dessa mostra para evidenciar as dobraduras e as cores dos papéis utilizados

Pigmum: Muito obrigado pela conversa, André. Não tenha dúvidas de que você sempre foi um artista. Parabéns pela exposição e sucesso!

André: Muito obrigado a você pela oportunidade em divulgar o meu trabalho. Beijão.


SERVIÇO:

Exposição sem título do artista visual André Souza
Visitação: até 4 de abril, de terça-feira à sábado, das 16h às 00h.
Local: Mahalila Café & Livros
Endereço: Rua Doutora Nívea Madruga, Lagoa Nova. Natal – Rio Grande do Norte. Telefone: (84) 2030-5702
Entrada franca
 

Você tem até amanhã (20/11) para postar sua foto da Pinacoteca Potiguar e participar do projeto Além do Morro!

Ei, você do Rio Grande do Norte! Conhece o projeto fotográfico Além do Morro? O objetivo dele é descobrir novos ângulos da cidade de Natal (RN) e mostrar que a capital potiguar é muito mais do que o Morro do Careca.

Nesta semana o Pigmum foi convidado a apresentar o desafio #AlemDoMorro45 - Pinacoteca Potiguar. Pra participar, basta postar uma foto no Instagram usando a hashtag #AlémDoMorro45. Quem sabe a sua foto não é escolhida como a foto da semana e aparece na página do projeto? Mas corra, você só tem até às 23h59 deste domingo (20/11) para postar. Confira o vídeo:

O Além do Morro tem o patrocínio do Governo do Estado do Rio Grande do Norte e da Fundação José Augusto, através da Lei Câmara Cascudo de Incentivo à Cultura.

Já já minha foto da Pinacoteca aparece no Instagram do blog. Aliás, já tá seguindo o blog por lá?