Pigmum

arte e outros riscos

Filtering by Tag: grafite

Artista do Mês: os olhos enigmáticos de Kéfren Pok e a arte que observa a cidade

Fevereiro chegou ao fim, mas não antes de conhecer mais do trabalho de Kéfren Pok, que ao longo do mês foi destaque no Facebook e no Instagram do Pigmum!

Kéfren Pok é o grafiteiro por trás dos olhos que tomaram conta das ruas de Natal

Kéfren Pok é o grafiteiro por trás dos olhos que tomaram conta das ruas de Natal

Se você é de Natal-RN provavelmente já se deparou com esses olhos enigmáticos espalhados em muros, postes, caixas de telefone e de energia instaladas pelas ruas... Por toda a cidade, os olhos de Pok estão bem atentos a tudo o que acontece e provavelmente estão atentos a você também!

kefren pok
kefren pok

Natural de Macaíba, região metropolitana de Natal, Kéfren de Lima Silva – ou simplesmente Pok, como ele assina seus trabalhos – tem 28 anos e é formado em Design Gráfico. O graffiti surgiu na vida do artista em 2010, como instrumento para superar a depressão. Ele começou a grafitar pelas ruas da capital potiguar e desde então já deixou sua marca em cidades como Recife, João Pessoa, Curitiba, Rio de Janeiro e até Paris, onde realizou exposições individuais em 2016, com apoio de um financiamento coletivo pelo Catarse.

kefren pok
kefren pok
kefren pok
kefren pok

Nos últimos anos, além das ruas, os olhos e as tramas cilíndricas coloridas de Pok também têm ocupado espaços expositivos do circuito artístico contemporâneo, principalmente as obras realizadas sobre madeira. Nesses trabalhos, Pok mistura graffiti e pintura, se afasta das tradicionais telas retangulares e se aventura por formatos sinuosos que são recortados respeitando os contornos dinâmicos do artista. A ideia é dar às telas a mesma sensação de movimento que as obras nos muros adquirem quando entram em contato com o cotidiano urbano.

Nos últimos anos, a arte de Pok passou a ocupar também espaços tradicionais da cena artística, como galerias de arte

Nos últimos anos, a arte de Pok passou a ocupar também espaços tradicionais da cena artística, como galerias de arte

O artista começou a experimentar novas técnicas e a grafitar em diferentes suportes, como telas de madeira

O artista começou a experimentar novas técnicas e a grafitar em diferentes suportes, como telas de madeira

Para Kéfren Pok, o recorte sinuoso na madeira dá uma sensação de movimento às obras

Para Kéfren Pok, o recorte sinuoso na madeira dá uma sensação de movimento às obras

kefren pok
kefren pok

Mas não é só isso! A arte de Pok também já estampou camisas, chaveiros, cadernos, bottons e capa de disco! É onipresença que chama? Tô começando a achar que esses olhos fazem parte de algum plano illuminati!

Os olhos de Kéfren Pok também já viraram chaveiros...

Os olhos de Kéfren Pok também já viraram chaveiros...

Estamparam camisas...

Estamparam camisas...

Bottons...

Bottons...

E capas de caderno!

E capas de caderno!

Agora me diz, é você que tá olhando para eles ou eles que estão vigiando você? Pense direitinho.😉

Sim, é possível ter uma experiência tátil com os olhos

Como vocês sabem, eu sou professor de Publicidade & Propaganda. Ou ainda não tinha contado? O_O

Pois bem, na semana passada, durante a aula de Computação Gráfica & Editoração Eletrônica, falei aos meus alunos sobre os elementos básicos da comunicação visual que a pesquisadora Donis A. Dondis aponta em seu livro Sintaxe da Linguagem Visual. E um desses elementos é a textura, que a autora considera ser ‘o elemento visual que com frequência serve de substituto para as qualidades de outro sentido, o tato’ (p. 70)¹.

texturamadeira
texturapapel
Você consegue identificar o que essas 4 texturas representam?

Você consegue identificar o que essas 4 texturas representam?

texturacouro

Se tocarmos em uma imagem bidimensional, ou seja, aquela que está impressa em uma fotografia, ou presa à tela do computador, a única coisa que sentiremos são os materiais de que são feitos o papel, a tela ou até mesmo a tinta de uma pintura. Porém, se utilizarmos as texturas como recurso visual, podemos dar às imagens uma sensação de experiência tátil.

Quando temos uma textura que representa madeira, por exemplo, garantimos ao observador essa experiência tátil, pois é provável que ele já tenha tocado uma superfície de madeira e conheça a sensação. O uso de texturas é comum no meu trabalho com computação gráfica, mas aí eu resolvi exercitar isso à mão livre na aula de desenho. O resultado foi esse:

Utilizando as cores em diferentes tonalidades, foi possível reproduzir na imagem a textura da casca da maçã

Utilizando as cores em diferentes tonalidades, foi possível reproduzir na imagem a textura da casca da maçã

Ah, vá. Admita que ficou bom. Até me surpreendi com o resultado final, porque durante o processo eu juraaava que ia colocar tudo a perder. Tentei reproduzir no desenho a textura da casca da maçã, com todos aqueles detalhes que só a biologia é capaz de explicar (é sério, não sei o nome daqueles pontinhos e tracinhos da maçã). Certeza que você deve estar lembrando agora de como é tocar a casca de uma maçã e sentir a forma e o peso da fruta (embora a minha maçã não seja lá muito redonda haha).

Para chegar a esse resultado de textura, utilizei as cores em tonalidades diferentes para garantir o efeito de luz e sombra e também para dar volume à forma da maçã.

grafitemaca

Durante o processo, fiz também uma versão em grafite, justamente para exercitar as gradações de tonalidade e dar a impressão de volume.

¹DONDIS, Donis A. Sintaxe da linguagem visual. São Paulo: Martins Fontes. 199. 236 p.