Pigmum

arte e outros riscos

Filtering by Tag: exposições de arte

Giro cultural: 9 exposições de arte no Nordeste para conferir até o fim de setembro

Setembro já tá no fim, mas ainda dá tempo de incluir na sua agenda uma visitinha a uma das exposições imperdíveis que estão em cartaz nas capitais nordestinas.

Dessa vez o destaque vai para a exposição do premiadíssimo fotógrafo americano Roger Ballen, em Fortaleza, mas não menos imperdível é a primeira mostra individual da artista Juliana Lapa, que tem desenhos impressionantes expostos na Torre Malakoff, em Recife. Tem ainda uma retrospectiva pelos 80 anos de Maria Adair em Salvador, arte urbana em Natal e xilogravuras em Aracaju. Enfim, não vai faltar opção!

Se você estiver por uma dessas cidades nos próximos dias, já sabe pra onde ir:


Natal (RN)

Galeria Newton Navarro, na Capitania das Artes, com intervenção artística para a exposição do projeto INarteurbana

Galeria Newton Navarro, na Capitania das Artes, com intervenção artística para a exposição do projeto INarteurbana

No finalzinho de agosto, a capital potiguar recebeu mais uma edição do projeto sociocultural INarteurbana, que promove a ativação de espaços públicos por meio de intervenções artísticas e já se tornou ponto de encontro da cena da arte urbana do país. Durante dez dias, 14 artistas de 6 estados brasileiros realizaram uma residência artística na comunidade do Passo da Pátria, em Natal, interagindo com os moradores, pintando murais voltados para o Rio Potengi e produzindo painéis que agora podem ser vistos em mais uma exposição do projeto, em cartaz até 30 de setembro, na Capitania das Artes.

Obras dos artistas feitas especialmente para a exposição

Obras dos artistas feitas especialmente para a exposição

INarteurbana

SERVIÇO:

Exposição: IV INarteurbana

Artista: Coletiva

Até 30 de setembro, de segunda à sexta-feira, das 8h às 14h

Local: Galeria Newton Navarro

Endereço: Rua Câmara Cascudo, 434, Cidade Alta. Natal – Rio Grande do Norte (Fundação Cultural Capitania das Artes). Telefone: (84) 3232-4945 | (84) 3232-9230

Entrada gratuita.


Aracaju (SE)

A mulher é a figura central das xilogravuras de Vilma Rebouças

A mulher é a figura central das xilogravuras de Vilma Rebouças

Para questionar heranças patriarcais e reivindicar a autonomia feminina, a artista sergipana Vilma Rebouças insere a mulher como figura central de suas obras, utilizando uma das técnicas mais conhecidas do imaginário popular nordestino: a xilogravura. Dessa forma, a artista abre mais um espaço onde a mulher protagoniza seus próprios discursos, seja como tema ou como criadora. A mostra ‘Xilografando Elas’ integra a pauta de 2018 da Galeria de Arte J. Inácio, que atualmente está em reforma e por isso tem montado suas exposições no Corredor Cultural Wellington dos Santos ‘Irmão’, na sede da Secretaria de Estado da Cultura de Sergipe (Secult-SE).

Xilogravando Elas
Xilogravando Elas
Xilogravando Elas

SERVIÇO:

Exposição: Xilografando Elas

Artista: Vilma Rebouças

Até 13 de outubro, de segunda à sexta-feira, das 8h às 13h

Local: Corredor Cultural Wellington dos Santos ‘Irmão’

Endereço: Rua Vila Cristina, 1051, Bairro 13 de Julho (Secretaria de Estado da Cultura de Sergipe – Secult-SE). Aracaju – Sergipe. Telefone: (79) 3198-7803

Entrada gratuita.


São Luís (MA)

Exposição  ‘Neopalafitas': Um Olhar Sobre o Vernacular’ , em exposição no Palacete Gentil Braga, em São Luís-MA

Exposição ‘Neopalafitas': Um Olhar Sobre o Vernacular’, em exposição no Palacete Gentil Braga, em São Luís-MA

O Neoplasticismo, movimento de vanguarda de artistas como Piet Mondrian e Theo van Doesburg, é a principal referência da exposição ‘Neopalafitas: Um Olhar Sobre o Vernacular’, que propõe uma interpretação conceitual, visual e gráfica das palafitas da cidade de São Luís. A partir da simplicidade de cores e formas, o artista visual José de Ribamar Matos Junior – ou simplesmente, Ribaxé – produziu 20 pinturas que confundem o abstrato e o figurativo, apresentando uma forma diferente de olhar para essas habitações tão comuns sobre as águas da capital maranhense, sustentadas sobre paus de madeira.

O artista Ribaxé traz referências do movimento neoplasticista para compor um novo olhar sobre as palafitas da capital maranhense

O artista Ribaxé traz referências do movimento neoplasticista para compor um novo olhar sobre as palafitas da capital maranhense

Neopalafitas
Neopalafitas

SERVIÇO:

Exposição: Neopalafitas - Um Olhar Sobre o Vernacular

Artista: José de Ribamar Matos Junior (Ribaxé)

Até 28 de setembro, de segunda à sexta-feira, das 8h às 12h e das 14h às 18h.

Local: Galeria Antônio Almeida

Endereço: Rua Oswaldo Cruz, 782 – Centro (Palacete Gentil Braga). São Luís – Maranhão. Telefone: (98) 3272-9361.

Entrada gratuita.


João Pessoa (PB)

‘Quem será o Salvador Dalí’ , óleo sobre tela de Rodrigues Lima

‘Quem será o Salvador Dalí’, óleo sobre tela de Rodrigues Lima

Quem também traz referências de um movimento de vanguarda modernista é o artista visual Rodrigues Lima, que associou elementos do Surrealismo às suas pinturas, remetendo ao campo e às praias da Paraíba. Mas as paisagens locais e as características conflituosas entre realidade e sonho do Surrealismo se fazem presentes na obra do artista para colocar em questão as incertezas políticas do Brasil contemporâneo. Com as 20 obras da exposição ‘Infinitos Ventos’, o artista traça uma narrativa que pergunta: quem será o salvador da nossa política em derretimento? Em diálogo direto com a famosa pintura ‘A Persistência da Memória’ (1931), do surrealista Salvador Dalí.

‘Plantio de guarda-chuvas II’ , acrílico sobre tela de Rodrigues Lima

‘Plantio de guarda-chuvas II’, acrílico sobre tela de Rodrigues Lima

Infinitos Ventos Rodrigues Lima
41708026_1829215887194021_6625109645331529728_o.jpg
41928392_1829218460527097_3501692046224130048_o.jpg

SERVIÇO:

Exposição: Infinitos Ventos

Artista: Rodrigues Lima

Até 29 de setembro, de segunda-feira a sábado, das 9h às 19h.

Local: Galeria de Arte Gamela

Endereço: Avenida Nossa Senhora dos Navegantes, 756/101 – Tambaú. João Pessoa – Paraíba. Telefone: (83) 3226-1436

Entrada gratuita.


Recife (PE)

A precisão técnica dos desenhos em grafite da artista Juliana Lapa

A precisão técnica dos desenhos em grafite da artista Juliana Lapa

Juliana Lapa Eu não estou louca

A presença feminina na sociedade, as paisagens que evidenciam tensões ou afetos do cotidiano e as relações silenciosas e silenciadas no espaço urbano são questões que estão presentes nas obras de Juliana Lapa. Em sua primeira mostra individual, a artista expõe desenhos, fotografias e objetos, produzidos entre 2015 e 2018 e que constroem discursos a partir da saúde emocional da mulher, de sua invasão mental e física e de seu corpo como um corpo político. Chama bastante atenção a apuração técnica da artista, principalmente quanto ao uso do grafite. Imperdível!

Visitantes durante a exposição  ‘Eu não estou louca’ , primeira individual de Juliana Lapa

Visitantes durante a exposição ‘Eu não estou louca’, primeira individual de Juliana Lapa

Juliana Lapa Eu não estou louca

SERVIÇO:

Exposição: Eu não estou louca

Artista: Juliana Lapa

Até 11 de outubro, de terça à sexta-feira, das 10h às 17h, aos sábados, das 15h às 18h e aos domingos, das 15h às 19

Local: Torre Malakoff

Endereço: Praça do Arsenal, s/n, Bairro do Recife – Recife – Pernambuco.

Entrada gratuita


Maceió (AL)

Visitante interagindo com a obra do artista Gilbef, durante abertura da exposição  ‘Rearrumação’

Visitante interagindo com a obra do artista Gilbef, durante abertura da exposição ‘Rearrumação’

Em Maceió, os artistas Matheus Arruda e Gilbef levam a público suas perspectivas mais intimistas a respeito da condição humana, arrumando seus sentimentos nos espaços da Pinacoteca da Ufal. Inspirados pelo poema ‘Rearrumação’, da baiana Karina Rabinovitz, os artistas propõem duas mostras individuais que se somam sob o mesmo título do poema e que apresentam desenhos, esculturas, gravuras, pinturas e instalações. Em ‘Desterro’, Matheus Arruda compartilha suas inquietações, tentando materializar a complexidade do sentir. Já em ‘Ato 3: corpo aberto’, Gilbef expõe a 3ª etapa de seu manifesto artístico-político, com obras que se debruçam principalmente sobre os temas da desigualdade social, da violência e da pobreza.

Rearrumação Gilbef Matheus Arruda
Instalação de Matheus Arruda

Instalação de Matheus Arruda

SERVIÇO:

Exposição: Rearrumação

Artista: Gilbef e Matheus Arruda

Até 2 de outubro, de segunda à sexta-feira, das 8h30 às 17h30

Local: Pinacoteca Universitária da Ufal

Endereço: Praça Visconde de Sinimbu, 206, 1º piso - Centro. Maceió - Alagoas (Espaço Cultural Salomão de Barros Lima). Telefone: (82) 3214-1545

E-mail: comunicacaopinaufal@gmail.com

Entrada gratuita.


Salvador (BA)

Visitantes durante a exposição retrospectiva que celebra os oitenta anos de vida da artista visual Maria Adair

Visitantes durante a exposição retrospectiva que celebra os oitenta anos de vida da artista visual Maria Adair

Em comemoração aos seus 80 anos, a artista baiana Maria Adair faz uma retrospectiva não só de sua carreira, mas também de sua vida pessoal, mergulhando em memórias da infância, da vida adulta como professora da Escola de Belas Artes da UFBA e da maturidade, inclusive artística. São mais de 100 obras que evidenciam sua trajetória por formas abstratas e multicoloridas e de sua passagem da pintura em telas à pintura sobre os mais diversos suportes, inclusive objetos domésticos e brinquedos de madeira. Uma carreira que, ao longo do tempo, soube fazer da pintura expressão por si só.

A pintura multicolorida de Adair

A pintura multicolorida de Adair

Embora utilize suportes variados, a pintura em tela ainda está presente no trabalho da artista

Embora utilize suportes variados, a pintura em tela ainda está presente no trabalho da artista

Com o amadurecimento da carreira, Maria Adair passou a pintar em outros suportes, como madeira. Além de brinquedos, a pintura da artista está presente em objetos domésticos

Com o amadurecimento da carreira, Maria Adair passou a pintar em outros suportes, como madeira. Além de brinquedos, a pintura da artista está presente em objetos domésticos

SERVIÇO:

Exposição: Oitenta

Artista: Maria Adair

Até 6 de outubro, de segunda à sexta-feira, das 9h às 19h e sábado, das 9h às 13h.

Local: Paulo Darzé Galeria

Endereço: Rua Doutor Chrysippo de Aguiar, 8 - Vitória. Salvador – Bahia. Telefone: (71) 3267-0930

Entrada gratuita.


Fortaleza (CE)

Fotografias do americano Roger Ballen

Fotografias do americano Roger Ballen

Roger Ballen Museu da Fotografia Fortaleza

O Museu da Fotografia, mais novo espaço expositivo de Fortaleza – inaugurado em 2017 –, acaba de receber sua primeira exposição internacional, de ninguém menos que o aclamado fotógrafo americano Roger Ballen, que já expôs suas obras em coleções como as do MoMA, em Nova York; Centre Georges Pompidou, em Paris; e Victoria & Albert Museum, em Londres. Reconhecido por suas imagens perturbadoras e sombrias que retratam improváveis (mas reconhecíveis) situações à margem da sociedade, Ballen tem um notável talento para evocar o mais íntimo da condição humana, por meio de uma estética que beira o incômodo. Na exposição, o fotógrafo apresenta cerca de 60 obras, de suas principais séries, realizadas entre 1980 e 2017.

Roger Ballen Museu da Fotografia Fortaleza
Roger Ballen Museu da Fotografia Fortaleza

SERVIÇO:

Exposição: Mind Games

Artista: Roger Ballen

Até 6 de outubro, de quarta-feira a domingo, das 12h às 17h.

Local: Museu da Fotografia Fortaleza

Endereço: Rua Frederico Borges, 545 – Varjota. Fortaleza – Ceará. Telefone: (85) 3017-3661

Entrada gratuita.


Teresina (PI)

Nesta exposição, as obras de Jucelino Nunes expressam suas memórias da infância no interior piauiense

Nesta exposição, as obras de Jucelino Nunes expressam suas memórias da infância no interior piauiense

Fechando a nossa seleção, tem mais uma exposição da Galeria Montmartre, que dessa vez reuniu obras do artista Jucelino Nunes. São 14 pinturas que evocam as memórias de infância do artista e sua rotina, costumes e brincadeiras no sertão nordestino. Piauiense do interior e autodidata, Jucelino traz às telas suas verdades mais íntimas, em pinceladas obstinadas e cheias de expressividade.

Montmartre Jucelino Nunes
Montmartre Jucelino Nunes

SERVIÇO:

Exposição: CANTOs e enCANTOs

Artista: Jucelino Nunes

Até 5 de novembro, de segunda-feira a sábado, das 10h às 19h

Local: Montmartre Arte e Galeria

Endereço: Rua Professor Pires Gayoso, 689, Bairro Noivos, Teresina – Piauí. Telefone: (86) 98855-8626

E-mail: montmartreloja@gmail.com

Entrada gratuita.

Giro cultural: 9 exposições em cartaz no Nordeste para você visitar em agosto

Agosto tá aí e tem muita exposição de arte em cartaz no Nordeste só esperando pela sua visita! Pra te ajudar a entrar no segundo semestre com a programação cultural em dia, o Pigmum selecionou uma exposição em cada capital da região, como já virou tradição por aqui.

O destaque dessa vez vai para as 196 peças de arte africana que estão expostas no Centro Cultural Vale Maranhão (CCVM), em São Luís (MA). Também tem o retorno de Rodrigo Braga ao Recife (PE) e uma retrospectiva de Zé Tarcísio em Fortaleza (CE). Mas vamos ao que interessa:

Salvador (BA)

Visão geral da exposição  'Transeunte',  na galeria RV Cultura e Arte

Visão geral da exposição 'Transeunte', na galeria RV Cultura e Arte

O artista e sua condição de sujeito no espaço urbano é o tema da exposição ‘Transeunte’, que reúne trabalhos dos paulistas Alex Hornest e Guilherme GAFI e dos baianos Ananda Nahu e Pedro Marighella. Esses artistas encontram na urbe o substrato de suas produções poéticas, não apenas a partir do trânsito pelas cidades, mas também se incorporando a elas. O resultado dessas vivências se materializa nos desenhos, pinturas e esculturas da coletiva.

'Pensamentos'  (2017) e  'Percepção'  (2017), tinta duco e acrílico sobre tela, de Alex Hornest

'Pensamentos' (2017) e 'Percepção' (2017), tinta duco e acrílico sobre tela, de Alex Hornest

'Contra-ataque'  (2017), acrílica e marcador sobre papel de Pedro Marighella

'Contra-ataque' (2017), acrílica e marcador sobre papel de Pedro Marighella

Obras  'Ibadan'  (2016) e  'Passarinhos'  (2016), da série  'Tropical',  de Ananda Nahu.  Técnica: acrílico sobre tela

Obras 'Ibadan' (2016) e 'Passarinhos' (2016), da série 'Tropical', de Ananda Nahu.  Técnica: acrílico sobre tela

SERVIÇO:

Exposição: Transeunte
Artista: Coletiva
Até 25 de agosto, de segunda à sexta-feira, das 10h às 18h e aos sábados, das 10h às 16h
Local: RV Cultura e Arte
Endereço: Av. Cardeal da Silva, 158, Rio Vermelho. Salvador - Bahia. Telefone: (71) 3347-4929
Entrada gratuita.
 


São Luís (MA)

Visão parcial da exposição  'Africana: o diálogo das formas' , que conta com 196 peças de arte africana

Visão parcial da exposição 'Africana: o diálogo das formas', que conta com 196 peças de arte africana

A capital maranhense recebe o acervo de arte africana do colecionador pernambucano Eduardo Couto. É a primeira vez que a coleção – iniciada há 23 anos – é exposta em seu conjunto. São 196 peças, entre máscaras, esculturas e objetos cerimoniais ou de uso cotidiano, de 62 povos que habitam 14 países do continente africano. A mostra pontua principalmente a sofisticação estética das obras e sua diversidade escultórica e semântica, associada às tradições e a funções sociais que permanecem até hoje, justificando assim a produção atual desse tipo de arte em uma região que apresenta produção artística cada vez mais diversa e contemporânea.

A sofisticação estética e as qualidades escultóricas das peças são o ponto alto da mostra

A sofisticação estética e as qualidades escultóricas das peças são o ponto alto da mostra

'Máscara Senufo ', da Costa do Marfim. Fotografia: Edgar Rocha

'Máscara Senufo', da Costa do Marfim. Fotografia: Edgar Rocha

'Máscara Gueledé' , do povo Iorubá, Nigéria. Fotografia: Edgar Rocha

'Máscara Gueledé', do povo Iorubá, Nigéria. Fotografia: Edgar Rocha

SERVIÇO:

Exposição: Africana: o diálogo das formas
Artista: Coletiva
Até 1 de novembro, de terça-feira a domingo, das 10h às 19h
Local: Centro Cultural Vale Maranhão
Endereço: Av. Henrique Leal, 149 – Praia Grande. São Luís - Maranhão.
Entrada gratuita.


Recife (PE)

'Mortalha Mútua' , uma das fotografias de Rodrigo Braga presentes na mostra

'Mortalha Mútua', uma das fotografias de Rodrigo Braga presentes na mostra

Após anos sem expor na capital pernambucana, Rodrigo Braga retorna ao Recife com a mostra ‘Agricultura da Imagem’, que já circulou por cidades como São Paulo, Rio de Janeiro e Fortaleza e foi vista por mais de 220 mil pessoas. Em suas fotografias e vídeos, o artista amazonense – que cresceu no Recife e hoje vive no Rio de Janeiro – traz a metáfora do fotógrafo como agricultor, que em seu ato de criação realiza o arado e o plantio das imagens. Ao montar suas cenas antes de fotografá-las, Braga vai de encontro à concepção de fotografia como captura do instantâneo. As imagens foram ‘cultivadas’ pelo artista ao longo dos últimos cinco anos, principalmente em suas andanças pela Amazônia.

Rodrigo Braga Agricultura da Imagem
Rodrigo Braga Agricultura da Imagem
Rodrigo Braga Agricultura da Imagem

SERVIÇO:

Exposição: Agricultura da Imagem
Artista: Rodrigo Braga
Até 6 de setembro, de terça à sexta-feira, das 9h às 17h, aos sábados e domingos, das 14h às 17h
Local: Museu do Estado de Pernambuco
Endereço: Avenida Rui Barbosa, 960, Graças. Recife – Pernambuco. Telefone: (81) 3184-3174
Entrada gratuita


Natal (RN)

Lucas MDS A Estrada é Longa

O vaqueiro, a cozinheira, a costureira, entre outras personagens do interior do Rio Grande do Norte ganham espaço na Galeria de Arte do SESC Cidade Alta por meio da pintura do potiguar Lucas MDS. Ao todo, são dez trabalhos – feitos em aquarela, acrílica, graffiti e aerografia – que colocam em evidência senhores e senhoras de mais idade, que levam suas vidas com simplicidade e muito trabalho. A abordagem curatorial busca reconhecer o valor dessas pessoas e de suas tradições em nossa sociedade. A exposição dá continuidade ao calendário de 2018 da galeria, que selecionou seis propostas via edital.

Lucas MDS A Estrada é Longa
38200076_2239515666089311_2247797028719427584_o.jpg

SERVIÇO:

Exposição: A Estrada é Longa
Artista: Lucas MDS
Até 5 de setembro, de segunda à sexta-feira, das 9h às 19h, exceto finais de semana e feriados
Local: Galeria de Arte do SESC Cidade Alta
Endereço: Rua Coronel Cascudo, 33, Cidade Alta. Natal – Rio Grande do Norte. Telefone: (84) 3133-0360
Entrada gratuita.


Maceió (AL)

Obras de Patrícia Melro. Técnica: pastel seco sobre papel linho

Obras de Patrícia Melro. Técnica: pastel seco sobre papel linho

Patrícia Melro Qual é o Seu Papel Galeria Gamma
Patrícia Melro Qual é o Seu Papel Galeria Gamma

Já na nova exposição da Galeria Gamma, o papel é a personagem principal! O material foi utilizado como suporte pelos nove artistas da mostra, que também foram desafiados a pensar sob uma perspectiva polissêmica, explorando outros significados possíveis dessa palavra, que em grego é expressa pelo termo ‘Xαρτί’. A dimensão social se confunde, portanto, à versatilidade física do material, que é colocada à prova em desenhos, pinturas, colagens, fotografias e até esculturas de papel.

Escultura feira de papel. Durante a abertura, a obra foi utilizada durante performance da artista Vera Gamma

Escultura feira de papel. Durante a abertura, a obra foi utilizada durante performance da artista Vera Gamma

O fotógrafo Felipe Camelo e uma de suas obras

O fotógrafo Felipe Camelo e uma de suas obras

SERVIÇO:

Exposição: Xαρτί: Qual o Seu Papel?
Artista: Coletiva
Até 30 de setembro, de segunda a sexta-feira, das 14 às 19h e aos sábados, das 9h às 13h
Local: Galeria Gamma
Endereço: Av. Luiz Ramalho de Castro, 899, Jatiúca. Maceió – Alagoas. Telefone: (82) 3377-3979
Entrada gratuita.


Fortaleza (CE)

Público conferindo a exposição retrospectiva de Zé Tarcísio, durante a abertura

Público conferindo a exposição retrospectiva de Zé Tarcísio, durante a abertura

A obra e a intimidade de Zé Tarcísio se confundem nesta exposição retrospectiva que homenageia as mais de cinco décadas de produção artística do cearense. São mais de cem trabalhos expostos, entre pinturas, esculturas, instalações, fotografias e vídeos, que dividem o espaço com depoimentos do artista. O público é convidado o tempo todo a adentrar seu universo poético, que atravessa questões tanto pessoais como sociais. Entre as obras está ‘Regador’ (1974), que pertence ao acervo do Museu de Belas Artes do Rio de Janeiro e chegou a virar selo dos Correios em 1976.

'Regador'  (1974). Fotografia: Luiz Alves

'Regador' (1974). Fotografia: Luiz Alves

'Golpe'  (1973). Fotografia: Luiz Alves

'Golpe' (1973). Fotografia: Luiz Alves

'Padra Sobre Pedra'.  Fotografia: Luiz Alves

'Padra Sobre Pedra'. Fotografia: Luiz Alves

SERVIÇO:

Exposição: Zé – Acervo de Experiências Vitais
Artista: Zé Tarcísio
Até 30 de novembro, de terça à sexta-feira, das 9h às 19h e aos sábados, domingos e feriados, das 14h às 21h
Local: Museu de Arte Contemporânea do Ceará - MAC-CE
Endereço: Rua Dragão do Mar, 81 - Praia de Iracema. Fortaleza - Ceará (Centro Cultural Dragão do Mar de Arte e Cultura). Telefone: (85) 3488-8621
Entrada gratuita.


João Pessoa (PB)

Heloísa Maia On The Road Energisa
OFICIAL.jpg

A paraibana Heloísa Maia é uma cidadã do mundo! Atualmente radicada nos Estados Unidos, a artista – que tem 30 anos de carreira – já passou por várias partes do globo, sempre transformando em arte os rostos e sombras do cotidiano desses lugares. Aparentemente ela leva à sério o estilo de vida da geração beatnik, movimento sociocultural norte-americano que influenciou a juventude na década de 1960 e produziu livros célebres como o do escritor Jack Kerouac: ‘On The Road’, que também dá nome à exposição de Heloísa. Ao todo são 44 obras, entre desenhos e pinturas. Todas produzidas em 2018.

Heloísa Maia On The Road Energisa
Heloísa Maia On The Road Energisa

SERVIÇO:

Exposição: On The Road
Artista: Heloísa Maia
Até 9 de setembro, de terça-feira a domingo, das 14h às 20h
Local: Usina Cultural Energisa
Endereço: Rua João Bernardo de Albuquerque, 243, Tambiá. João Pessoa – Paraíba. Telefone: (83) 3221-6343
Entrada gratuita.


Teresina (PI)

Jader Damasceno Galeria Montmartre
Evaldo Oliveira Galeria Montmartre

A galeria Montmartre quer se aproximar ainda mais do público local e pra isso tem promovido uma série de exposições em outros espaços. Agora, levou pela segunda vez as pinturas de 21 artistas às paredes do restaurante Vertigo Gastrobar. A ideia é mostrar que a arte é o resultado da conexão do artista consigo mesmo, com o outro e com a sua condição espaço-temporal.

Galeria Montmartre Vertigo Gastrobar

SERVIÇO:

Exposições: Conexões
Artistas: Coletiva
Até 7 de outubro, de segunda-feira a domingo, das 12h às 00h
Local: Vertigo Gastrobar
Endereço: Rua Aviador Irapuã Rocha, 2370, Ininga. Teresina - Piauí. Telefone: (86) 3233-4338
Entrada gratuita.


Aracaju (SE)

Ofá Modê Galeria J Inácio

Fechando a lista, temos as esculturas de Josemir da Silva Costa, mais conhecido como Ofá Modê, cujo trabalho está diretamente ligado à iconografia das tradições de matriz africana, principalmente ao Candomblé. São 15 peças feitas de cimento e diferentes metais, expressando símbolos da cultura afro-brasileira. ‘Origem’ integra o edital 2018 de exposições da Galeria de Arte J. Inácio, mas acontece excepcionalmente no Corredor Cultural Wellington dos Santos ‘Irmão’, na sede da Secretaria de Estado da Cultura de Sergipe (Secult-SE), devido a reforma do prédio que abriga a galeria.

Ofá Modê Galeria J Inácio
Ofá Modê Galeria J Inácio

SERVIÇO:

Exposição: Origem
Artista: Ofá Modê
Até 6 de setembro, de segunda à sexta-feira, das 8h às 13h
Local: Corredor Cultural Wellington dos Santos ‘Irmão’
Endereço: Rua Vila Cristina, 1051, Bairro 13 de Julho (Secretaria de Estado da Cultura de Sergipe – Secult-SE). Aracaju – Sergipe. Telefone: (79) 3198-7803
Entrada gratuita.

Entrevista | A curadora Tereza de Arruda comenta a exposição 'Contraponto', em cartaz em Brasília

A curadora da exposição  'Contraponto' , Tereza de Arruda

A curadora da exposição 'Contraponto', Tereza de Arruda

Desde novembro do ano passado, o Museu Nacional da República, em Brasília, recebe uma grande exposição com nomes de destaque na arte contemporânea brasileira. A mostra 'Contraponto' reúne obras que pertencem ao acervo particular do colecionador Sérgio Carvalho e traz mais de 30 artistas, de três gerações diferentes, entre eles nomes como Antônio Obá, Berna Reale, Delson Uchôa, Elder Rocha, Fábio Magalhães, Flávio Cerqueira, Gil Vicente, Grupo EmpreZa, Hildebrando de Castro, Nelson Leirner e Renato Valle.

O sucesso de público foi tão grande que a mostra foi prorrogada até o próximo dia 25 de março, completando aí um período de visitação de pouco mais de 4 meses! Mas não era pra menos, né? Até pela sua dimensão, a mostra conseguiu apresentar ao público um recorte importante da atual produção artística brasileira.

E para entender melhor as escolhas curatoriais que nortearam a montagem da 'Contraponto', o Pigmum conversou com a curadora da exposição, a historiadora de arte Tereza de Arruda, que vive e trabalha entre São Paulo e Berlim desde 1989 e também já realizou curadorias em outros países, como Cuba e China. Na entrevista, Tereza comenta o desafio de adequar o projeto expográfico à monumentalidade do prédio do Museu Nacional, assinado por Oscar Niemeyer;  destaca ainda a relevância do Prêmio PIPA e de outros prêmios de divulgação e fomento aos novos artistas brasileiros; e fala um pouco sobre sua experiência profissional no campo da curadoria!

Entrevista imperdível, assim como a exposição! Mas corra! A 'Contraponto' já está nos últimos dias! Se você estiver em Brasília essa semana, não deixe de visitar o Museu Nacional da República!


Pigmum: O acervo da coleção Sérgio Carvalho conta com mais de 1.900 obras, mas apenas um recorte está em exposição na mostra 'Contraponto'. Como se deu a seleção desses trabalhos? Quais foram os critérios estabelecidos para compor a mostra?

Tereza: A mostra prioriza a diversidade e introspectividade da Coleção Sérgio Carvalho. Os artistas cujas obras estão presentes nesta exposição pertencem a três gerações distintas e são provenientes de várias cidades brasileiras. Desta forma, temos um panorama da atual produção contemporânea brasileira, rica e diversificada. Desde o início da coleção, houve a preocupação na aquisição de um conjunto significativo de obras de um mesmo artista, a conduzir o espectador à transformação na produção de cada artífice. Isto é uma prova do diálogo, cumplicidade e relacionamento progressivo e consequente com os criadores em seu percurso. Em face dessa particularidade e à vista da conhecida dificuldade das instituições nacionais em atender à demanda da produção das artes plásticas - certo que raramente um artista, de carreira consolidada ou em consolidação, tem a oportunidade de apresentar uma mostra individual em um museu (muitas vezes, a tão sonhada individual acontece antes em instituições internacionais, o que acaba por abrir portas no Brasil) -, a curadoria optou por trazer ao público uma coletiva de individuais (se não propriamente uma individual, um expressivo número de obras, evidenciando a preocupação com a formação de um acervo expressivo de cada artista). Assim, a mostra é composta de diversos núcleos individuais, proporcionando uma visão mais ampla da produção artística de cada um dos participantes. Em face dessa deliberada opção, o diálogo entre os artistas é secundário.

Exposição  'Contraponto'  no Museu Nacional da República, em Brasília

Exposição 'Contraponto' no Museu Nacional da República, em Brasília

Pigmum: A mostra reúne mais de 30 artistas brasileiros e realça a diversidade formal, poética e temática do acervo de Sérgio Carvalho. Você acredita que a diversidade desse acervo representa, de certa forma, a diversidade e os contrastes ou contrapontos que podemos observar na arte contemporânea brasileira? Por quê?

Tereza: O resultado de minha pesquisa no contexto do acervo de Sérgio Carvalho apresentado nesta mostra evidencia diversos contrapontos que se complementam, enfatizando a pluralidade de técnicas e de linguagens, além da democracia estética na arte contemporânea brasileira: na história da arte contemporânea, nunca houve barreiras tão flexíveis, como na atualidade, propiciando atuações interdisciplinares, compondo-se, a mostra, de pinturas, fotografias, esculturas, vídeos, instalações, desenhos e performances. Podemos ainda adicionar uma conotação à mostra, acentuando, além da democracia estética, a democracia de expressão, essencial nas sociedades evoluídas, independente de ideologias, credo e partidos políticos. Mundialmente, se presencia um processo de retrocesso em vários seguimentos, e aqui o relevante é o cultural, imposto por sistemas de extrema direita. Justamente aí a arte é contraponto da repressão. Infelizmente, arte e sociedade têm hoje uma relação ambígua ao invés de efetiva, processo este que esperamos ainda reverter através de exposições como a 'Contraponto'.

Pintura sobre tela de James Kudo, um dos artistas que integram a exposição

Pintura sobre tela de James Kudo, um dos artistas que integram a exposição

Pigmum: A partir da sua experiência como curadora, se você tivesse que traçar um perfil da arte contemporânea brasileira, que pontos ou contrapontos você destacaria como latentes na atual produção artística nacional?

Tereza: A atual produção da arte nacional não é um fenômeno isolado porém o resultado de um processo e atuação de artistas de diversas gerações. Justamente por isto expomos nesta mostra obras de artistas de três gerações para que fique visível esta interlocução entre as gerações distintas. A arte contemporânea brasileira atual possui um vasto legado de expressão.  Os artistas relatam em suas obras ora questões pessoais de seu microcosmo, temáticas que os norteiam em seu cotidiano, ora questões globais. O censo crítico e irônico se faz presente com muita sutileza a se destacar como uma das vertentes da produção atual.

'Eu vi o mundo e ele começa dentro de mim'  (2015), escultura de Flávio Cerqueira. Fotografia: Paula Patrini

'Eu vi o mundo e ele começa dentro de mim' (2015), escultura de Flávio Cerqueira. Fotografia: Paula Patrini

Outra escultura em bronze de Flávio Cerqueira

Outra escultura em bronze de Flávio Cerqueira

Pigmum: Entendendo a história da arte como uma narrativa que se consolida principalmente a partir da articulação de diversos fatores e agentes, como sucesso comercial, reconhecimento acadêmico, premiações, popularidade, inovação do ponto de vista técnico ou poético... Qual é a importância de acervos como o de Sérgio Carvalho nesse processo?

Tereza: O interesse de Sérgio Carvalho não é a obra de arte necessariamente como produto final. Não é seu valor de mercado que o atrai. Não é o rótulo que a obra e o artista adquiriram da crítica especializada, tampouco seu ranking na apreciação por curadores de destaque que induzem sua apreciação. O acervo é configurado a partir de um processo introspectivo desenvolvido com cada um dos artistas - na realidade, com sua quase totalidade. As visitas aos ateliers e exposições, reforçadas por conversas intensas e informais, desencadeiam uma relação única, formada por respeito, compreensão, engajamento e cumplicidade. Eis um exemplo autêntico de mecenato, o qual caiu em desuso a partir da introdução do capitalismo, desfazendo uma rede efetiva de inserção da produção artística no sistema social então vigente. A aquisição da obra de arte não significa o final de um processo. Este é o mero início de um intenso diálogo, em ordem progressiva, de Sérgio com os artistas, suas obras entre si e, por fim, dos artistas entre si. Aliás, o seu aprofundamento no universo artístico ocorre por conexões desencadeadas pelos próprios artistas. Não há uma hierarquia desnecessária neste processo que impeça o acesso ao conteúdo - este é entregue, compartilhado e guiado pelos participantes deste processo, artistas e colecionador, que muitas vezes desempenha o papel de mecenas, ao estimular, incentivar e patrocinar a produção artística e sua visibilidade.

A monumentalidade do Museu Nacional da República, com projeto assinado por Oscar Niemeyer

A monumentalidade do Museu Nacional da República, com projeto assinado por Oscar Niemeyer

Pigmum: Me fale um pouco sobre a concepção expográfica da exposição. Como fazer com que obras tão diversas dialoguem entre si e dialoguem também com o espaço monumental do Museu Nacional da República?

Tereza: O projeto expográfico foi um grande desafio, uma vez que lidamos com uma obra arquitetônica museológica típica de Oscar Niemeyer – o museu não possui paredes planas e também não possui cantos. Pensamos em criar nichos dentro desta monumentalidade arquitetônica que fossem ao mesmo tempo efetivos tanto para a apresentação individual dos artistas quanto para o diálogo entre o conjunto. Não há distribuição das obras necessariamente por um agrupamento temático ou estético. Elaboramos a distribuição espacial para dar o máximo de vazão e visibilidade possível para o conteúdo exposto.

Pigmum: Entre os artistas da exposição, dezessete deles já foram indicados ao Prêmio PIPA, que ao longo desta década vem se destacando como um dos principais espaços para a apresentação de novos artistas no Brasil. Na sua opinião, o Prêmio PIPA pode ser considerado um termômetro da produção artística contemporânea? Que outros prêmios, museus, galerias ou veículos de comunicação você considera que também cumprem essa função de apresentar a nova cara da arte brasileira?

Tereza: O Prêmio PIPA é sem dúvidas um dos grandes meios de divulgação e formento da produção atual brasileira. Outros prêmios relevantes são o Marcantonio Vilaça, assim como premiações que acontecem no contexto das feiras de arte nacional. A mostra Panorama da Arte Brasileira organizada pelo Museu de Arte Moderna de São Paulo também tem em seu estatuto esta prioridade. Estes prêmios e mostras aqui citados deveriam ser exemplares para a criação de mais plataformas por todo o Brasil para o incentivo e difusão da obra de jovens artistas, uma vez que esta produção é vasta de conteúdo e também descentralizada geograficamente. A oferta atual de subsídios e premiações é sem dúvidas muito escassa comparada com a demanda existente.

Obras de Berna Reale, vencedora do Prêmio PIPA online 2012

Obras de Berna Reale, vencedora do Prêmio PIPA online 2012

Berna Reale Contraponto

Pigmum: Ao longo de sua trajetória como curadora de arte você já realizou trabalhos em parceria com instituições e museus nacionais e internacionais, inclusive você vive e trabalha entre São Paulo e Berlim desde 1989. Você percebe alguma diferença no trabalho de curadoria de arte no Brasil e na Alemanha? Quais são os principais desafios que você já enfrentou durante a sua carreira?

Tereza: Iniciei a curadoria internacional em um período em que esta atuação ainda era pioneira. Me formei inicialmente no Brasil em Administração de Empresas especializada em comércio exterior e na sequência fui para Berlim estudar História da Arte. Nesta época não existia esta formação no Brasil como um curso universitário autônomo. Meu interesse era realmente ter um entendimento maior da arte, sua relevância e potencial de difusão como um elo intercultural sem nunca pensar nos desafios que viriam. O percurso é longo, porém muito frutífero. Por coincidência eu já morava em Berlim no período da queda do muro e desmanche da cortina de ferro que supostamente dividia o mundo entre capitalista e comunista. Houve um grande efeito dominó com a queda de ditaduras do leste europeu, o que sem dúvidas desencadeou uma grande abertura sócio-política-econômica abrangente, inclusive como um dos primórdios para a abertura da China que a levou ao status de potência global. Toda esta evolução foi propícia para eu expandir meu território de atuação. Possuo três nacionalidade – brasileira, alemã e italiana – como toda boa espiã! Permaneço atenta a diversos contextos sem nunca ter deixado de manter uma relação estável profissional com o Brasil, onde realizo em média três projetos em instituições e museus por ano.

Parede com obras de Flávia Junqueira, na exposição  'Contraponto' . Fotografia: Paula Patrini

Parede com obras de Flávia Junqueira, na exposição 'Contraponto'. Fotografia: Paula Patrini

Com grande satisfação aceitei o convite para a curadoria da mostra 'Contraponto'. O convite feito para uma inserção neste contexto é irrecusável, além de ser um grande desafio. Um filtro sobre o filtro original, que gera este acervo, deve ser feito com muita cautela, pois há de se explorar e ampliar toda a potencialidade do conteúdo armazenado. No trabalho de pesquisa desta coleção, me deparei com artistas e obras com os quais já me familiarizava. Nos mais de vinte anos atuando como historiadora de arte e curadora independente entre o Brasil e a Alemanha, tive a oportunidade de trabalhar com inúmeros artistas representados neste acervo, sendo que algumas das obras que expus em mostras anteriores fazem hoje parte deste legado. Almejei trabalhar com muitos artistas e a primeira oportunidade se concretiza na curadoria dessa mostra. Também me deparei com artistas e obras que, até então, desconhecia. Tudo é parte de um longo processo. Não há uma atuação de curadoria distinta entre Brasil e Alemanha. O profissionalismo há de ser primordial e vigente igualmente independente do local de atuação.

Pigmum: Tereza, muito obrigado pela entrevista e parabéns pela exposição! Foi muito prazeroso passar uma tarde quase inteira apreciando tantos trabalhos incríveis!

Tereza: Eu que agradeço pelo convite.


Exposição: Contraponto - Coleção Sério Carvalho
Artista: Coletiva
Até 25 de março, de terça-feira a domingo, das 9h às 18h
Local: Museu Nacional da República
Endereço: Setor Cultural Sul Lote 02, Esplanada dos Ministérios. Brasília - Distrito Federal. Telefone: (61) 3325-5220
E-mail: museunacional@gmail.com
Entrada gratuita.

SERVIÇO: 

Giro cultural: 9 exposições de arte em cartaz no Nordeste para começar bem o ano!

Que tal inserir um pouco de arte no roteiro das suas férias de verão pelo Nordeste? Pro ano começar com o pé direito, o Pigmum organizou esse primeiro giro cultural de 2018, pra você ficar por dentro das exposições que estão rolando na região.

E o destaque dessa vez vai para o número de mostras coletivas, que ocupam 2/3 da nossa lista! Outro fato que chama atenção é a presença de três exposições que questionam a censura e os recentes ataques que as artes visuais sofreram em 2017. Tem ainda a última etapa itinerante da 32ª Bienal de São Paulo, um projeto dedicado principalmente às instalações e a maior mostra de fotojornalismo do mundo.

Sério, gente, o giro cultural desse mês tá realmente especial! Confira:

Maceió (AL)

'O Grito',  instalação da artista alagoana Vera Gamma

'O Grito', instalação da artista alagoana Vera Gamma

Últimos dias para conferir a mostra 'Amor, Ordem e Progresso', que propõe a reflexão sobre o conturbado momento político e social do Brasil e como ele tem repercutido na arte e na liberdade de expressão. Em 2017, o fantasma da censura voltou a rondar às artes visuais e a Pinacoteca da Ufal não deixou que o ano acabasse sem falar sobre o assunto. Em parceria com a Galeria Gamma, a exposição reúne artistas alagoanos como Hilda Moura, Lucas Lamenha, Martha Araújo, Rogério Gomes e Viviani Duarte. Quem assina a curadoria é o artista mineiro Francisco Rosa, da galeria paulista Luis Maluf Art Gallery.

O nome da mostra faz uma brincadeira com a frase presente na bandeira do Brasil

O nome da mostra faz uma brincadeira com a frase presente na bandeira do Brasil

'Liberdade é com os pássaros' , obra de Martha Araújo

'Liberdade é com os pássaros', obra de Martha Araújo

'O caminho de todos nós',  instalação de Rogério Gomes

'O caminho de todos nós', instalação de Rogério Gomes

Exposição: Amor, Ordem e Progresso
Artista: Coletiva
Até 19 de janeiro, de segunda à sexta-feira, das 8h30 às 17h
Local: Pinacoteca Universitária da Ufal
Endereço: Praça Visconde de Sinimbu, 206, 1º piso - Centro. Maceió - Alagoas (Espaço Cultural Salomão de Barros Lima). Telefone: (82) 3214-1545 | 3214-1428
E-mail: pinaufal@gmail.com

SERVIÇO:


Natal (RN)

'Geni',  pintura sobre tela de Ariell Guerra. A obra homenageia a personagem da música  'Geni e o Zepelim' , de Chico Buarque

'Geni', pintura sobre tela de Ariell Guerra. A obra homenageia a personagem da música 'Geni e o Zepelim', de Chico Buarque

Já virou tradição! Todo mês de janeiro, a Pinacoteca Potiguar abre a mostra 'Estação Verão', que celebra a temporada mais quente do ano no Rio Grande do Norte, com um panorama atual das artes visuais no estado. Nesta edição, foram selecionados – via edital – 26 artistas e trabalhos em diversas linguagens, principalmente em pintura e desenho. Portanto, se você estiver curtindo suas férias pelas praias de Natal, não esqueça que o verão também está rolando na pinacoteca!

Obras de Daniel Macedo

Obras de Daniel Macedo

estação verão 2018 pinacoteca potiguar
Obras de Daniel Macedo em primeiro plano, dispostas em um dos salões da Pinacoteca Potiguar

Obras de Daniel Macedo em primeiro plano, dispostas em um dos salões da Pinacoteca Potiguar

Exposição: Estação Verão 2017/2018
Artista: Coletiva
Até 20 de janeiro, de terça a sexta-feira, das 8h às 17h; aos sábados, das 9h às 16h; e aos domingos, das 10h às 16h.
Local: Pinacoteca Potiguar
Endereço: Avenida 7 de setembro, s/n, Cidade Alta. Natal – Rio Grande do Norte. Telefone: (84) 3211-7056
Entrada gratuita.

SERVIÇO:


Fortaleza (CE)

Visitantes contemplam a obra do pernambucano Gilvan Samico. Fotografia: Luiz Alves

Visitantes contemplam a obra do pernambucano Gilvan Samico. Fotografia: Luiz Alves

A 32ª Bienal de São Paulo foi aberta em 2016 na capital paulista e desde que encerrou sua temporada no Parque do Ibirapuera, a mostra iniciou suas itinerâncias pelo Brasil. Agora é a vez do Museu de Arte Contemporânea do Ceará (MAC-CE) receber a Bienal, que é a principal exposição de artes do país e uma das maiores do mundo. Neste recorte, participam 15 artistas e coletivos de países como Suécia, Chile, Turquia, Zimbábue, França e África do Sul. Entre os brasileiros, estão Bárbara Wagner, Wilma Martins e o pernambucano Gilvan Samico (in memoriam). O eixo central da 32ª edição da Bienal é a reflexão sobre as estratégias oferecidas pela arte contemporânea para acolher ou habitar incertezas, diante das constantes mudanças que interferem nas condições atuais da vida no planeta.

Abertura da etapa cearense da 32ª Bienal de São Paulo. Fotografia: Luiz Alves

Abertura da etapa cearense da 32ª Bienal de São Paulo. Fotografia: Luiz Alves

Obra integrante da 32ª Bienal de São Paulo. Fotografia: Luiz Alves

Obra integrante da 32ª Bienal de São Paulo. Fotografia: Luiz Alves

Entrada do Museu de Arte Contemporânea do Ceará. Fotografia: Luiz Alves

Entrada do Museu de Arte Contemporânea do Ceará. Fotografia: Luiz Alves

Veja um vídeo que apresenta alguns dos trabalhos presentes na 32ª Bienal de São Paulo:

Exposição: 32ª Bienal de São Paulo – Incerteza Viva
Artista: Coletiva
Até 28 de janeiro, de terça à sexta-feira, das 9h às 19h e aos sábados, domingos e feriados, das 14h às 21h
Local: Museu de Arte Contemporânea do Ceará - MAC-CE
Endereço: Rua Dragão do Mar, 81 - Praia de Iracema. Fortaleza - Ceará (Centro Cultural Dragão do Mar de Arte e Cultura). Telefone: (85) 3488-8621
Entrada gratuita.

SERVIÇO:


Teresina (PI)

Os desenhos provocadores de Edilberto Sobrinho

Os desenhos provocadores de Edilberto Sobrinho

Sabe aquele tipo de arte que incomoda as mentes mais conservadoras? A intenção da mostra 'Arte Alternativa Piauiense' é abrir espaço à resistência artística e trazer para Teresina as discussões sobre censura e liberdade de expressão. A coletiva apresenta o trabalho de 11 artistas, com pinturas, fotografias e desenhos que deixam bem claro que a arte não está nem um pouco preocupada em seguir padrões impostos por uma sociedade falso-moralista. Vale acrescentar que a mostra não é indicada para menores de 16 anos.

Einstein sob nova perspectiva. Grafite sobre papel de Edilberto Sobrinho

Einstein sob nova perspectiva. Grafite sobre papel de Edilberto Sobrinho

Ao todo, 11 artistas participam da mostra. Fotografias: Daniel Cardoso

Ao todo, 11 artistas participam da mostra. Fotografias: Daniel Cardoso

arte alternativa piauiense

Exposição: Arte Alternativa Piauiense
Artista: Coletiva
Até 31 de janeiro, de segunda a sexta-feira, das 8h às 18h e aos sábados, das 9h às 13h
Local: Casa da Cultura de Teresina
Endereço: Rua Rui Barbosa, 348, Centro, Teresina – Piauí. Telefone: (86) 3215-7849
Entrada gratuita.

SERVIÇO:


Salvador (BA)

A foto de Francis Pérez, da Espanha, venceu o primeiro prêmio da categoria  'Natureza' . Mostra uma tartaruga envolvida por restos de redes na costa de Tenerife

A foto de Francis Pérez, da Espanha, venceu o primeiro prêmio da categoria 'Natureza'. Mostra uma tartaruga envolvida por restos de redes na costa de Tenerife

Pelo segundo ano consecutivo, Salvador recebe a mais importante exposição de fotojornalismo do mundo, a 'World Press Photo' (WPP)! A 60ª edição da mostra reúne 154 imagens sobre temas que marcaram o mundo em 2016, como a crise dos refugiados diante dos conflitos na África e Oriente Médio. O Rio de Janeiro também foi cenário de imagens vencedoras nas categorias 'Esportes' e 'Assuntos Contemporâneos'. O Brasil é destaque ainda com a participação dos fotógrafos brasileiros Lalo de Almeida e Felipe Dana.

O fotógrafo francês Mathieu Willcocks registrou refugiados presos em um barco que contém mais de 500 pessoas, na costa da Líbia

O fotógrafo francês Mathieu Willcocks registrou refugiados presos em um barco que contém mais de 500 pessoas, na costa da Líbia

A foto registrada pelo turco Burhan Ozbilici mostra o assassinato do embaixador russo Andrei Karlov, pelo policial Mevlut Mert

A foto registrada pelo turco Burhan Ozbilici mostra o assassinato do embaixador russo Andrei Karlov, pelo policial Mevlut Mert

O ensaio do brasileiro Lalo de Almeida, da Folha de S. Paulo, mostra bebês com microcefalia, vítimas da Zika no Nordeste

O ensaio do brasileiro Lalo de Almeida, da Folha de S. Paulo, mostra bebês com microcefalia, vítimas da Zika no Nordeste

Exposição: World Press Photo 2017
Artistas: Coletiva
Até 4 de fevereiro, de terça a domingo, das 09 às 18h
Local: Caixa Cultural Salvador
Endereço: Rua Carlos Gomes, 57, Centro. Salvador – Bahia. Telefone: (71) 3421-4200
Entrada: Entrada franca

SERVIÇO:


Recife (PE)

Na instalação  'Oxigênio' , Roberto Vietri reproduziu uma praia no interior da Galeria Janete Costa

Na instalação 'Oxigênio', Roberto Vietri reproduziu uma praia no interior da Galeria Janete Costa

Em sua primeira exposição individual no Nordeste, o paulistano Roberto Vietri reproduziu uma praia dentro da Galeria Janete Costa para questionar as possibilidades de construção da arte, diante da fragilidade de políticas públicas de fomento e incentivo à cultura, tão frágeis como um castelo de areia. Vietri foi um dos contemplados pelo Edital de Artes Visuais do Recife de 2015 (!), mas só agora a exposição saiu do papel (ou seja, só agora ele recebeu parte do cachê – outros artistas ainda estão no aguardo). De teor político e conceitual, a exposição apresenta vídeos, instalações e fotografias. Na Instalação ‘Oxigênio’, o público é desafiado a ler textos que são constantemente engolidos pela areia inquieta da praia reproduzida no espaço interno. A obra é inspirada na localização privilegiada da galeria, que fica próxima à praia de Boa Viagem.

A mostra apresenta ainda vídeos e fotografias

A mostra apresenta ainda vídeos e fotografias

O artista Roberto Vietri, selecionado pelo Edital de Artes Visuais do Recife de 2015, só agora recebeu parte do cachê pela Prefeitura do Recife

O artista Roberto Vietri, selecionado pelo Edital de Artes Visuais do Recife de 2015, só agora recebeu parte do cachê pela Prefeitura do Recife

A exposição insere-se também como um protesto e um debate sobre os escassos investimentos do poder público em cultura

A exposição insere-se também como um protesto e um debate sobre os escassos investimentos do poder público em cultura

Exposição: Desmanche Construção (dis) Junção: Oxigênio e Outros Trabalhos
Artista: Roberto Vietri
Até 8 de fevereiro, de quarta a sexta-feira, das 12h às 20h e aos sábados e domingos, das 14h às 20h
Local: Galeria Janete Costa
Endereço: Avenida Boa Viagem, s/n, Boa Viagem – Recife – Pernambuco (Parque Dona Lindu). Telefone: (81) 3355-9825
E-mail: galeriajanetecosta@gmail.com
Entrada gratuita

SERVIÇO:


São Luís (MA)

Visão geral da exposição Hiorlando

Visão geral da exposição Hiorlando

Uma exposição no mínimo curiosa está em cartaz no Centro Cultural Vale Maranhão (CCVM). São cerca de 80 peças esculpidas em madeira por Hiorlando, um artista popular do município de Água Doce do Maranhão (MA), revelado a partir de um projeto do CCVM que localiza e registra artesãos em atividade no estado. O artista, que nasceu em 1963, começou a esculpir há pouco mais de 10 anos, depois que um acidente o afastou de seu trabalho como estivador marítimo. Porém, até então, Hiorlando apenas presenteava amigos e vizinhos com seus bichos, que ele mesmo chama de 'bichos da água e do seco'. Até pela história a visita já vale a pena, né?

Peças esculpidas em madeira por Hiorlando

Peças esculpidas em madeira por Hiorlando

hiorlando centro cultural vale maranhão

Exposição: Hiorlando
Artista: Hiorlando
Até 11 de fevereiro, de terça-feira a domingo, das 10h às 19h
Local: Centro Cultural Vale Maranhão
Endereço: Av. Henrique Leal, 149 – Praia Grande. São Luís - Maranhão.
Entrada gratuita.

SERVIÇO:


João Pessoa (PB)

A Estação das Artes abriu seu pavilhão para a montagem de instalações do projeto  'Instale-se'

A Estação das Artes abriu seu pavilhão para a montagem de instalações do projeto 'Instale-se'

Mais de 35 artistas paraibanos estão reunidos na Estação das Artes para o projeto 'Instale-se', que está oferecendo uma residência artística aberta para ocupação principalmente com instalações. A ideia é que os artistas possam montar seus trabalhos livremente e em seu próprio tempo, inclusive durante o período de visitação da mostra. A cada nova inserção, a exposição se transforma, oferecendo sempre algo novo aos visitantes. Além de instalações, o projeto ‘Instale-se’ também apresenta e recebe pinturas, esculturas, fotografias e outras linguagens contemporâneas.

A ideia é manter um fluxo contínuo de montagem, respeitando o ritmo de trabalho de cada artista

A ideia é manter um fluxo contínuo de montagem, respeitando o ritmo de trabalho de cada artista

instale-se estação das artes

Exposição: Instale-se
Artista: Coletiva
Até 2 de março, de terça a sexta-feira, das 9h às 18h e aos sábados, domingos e feriados, das 10h às 19h.
Local: Estação das Artes
Endereço: Rua João Cyrillo, s/n, Altiplano. João Pessoa – Paraíba (Estação Cabo Branco). Telefone: (83) 3214-8303 | 3214.8270
Entrada gratuita.

SERVIÇO:


Aracaju (SE)

Visão geral da exposição individual de Fábio Sampaio

Visão geral da exposição individual de Fábio Sampaio

A exposição individual do paulista Fábio Sampaio, radicado em Aracaju desde 1991, continua em cartaz na Galeria Jenner Augusto. A exposição foi inaugurada no último mês de agosto, integrando a programação da 'Mostra Aracaju 2017', tradicional evento de arquitetura e design da cidade. O cotidiano da vida doméstica é o eixo central da exposição, que foi dividida em duas partes. Na primeira – 'Duas Cidades', a pintura expressa o que de melhor o artista absorveu a partir de suas moradas em São Paulo e Aracaju. Já em ‘Desenhos Líquidos', objetos corriqueiros da experiência doméstica – como sprays de inseticida e rolos de fita adesiva – adquirem resignificação poética em pequenas instalações.

A pintura de Fábio Sampaio é uma constante invocação à memória afetiva sobre o morar/habitar

A pintura de Fábio Sampaio é uma constante invocação à memória afetiva sobre o morar/habitar

Nesta instalação, o artista deu nova utilidade a rolos de fita adesiva

Nesta instalação, o artista deu nova utilidade a rolos de fita adesiva

Exposição: (Re)invenção da Paisagem Doméstica
Artistas: Fábio Sampaio
Continua aberta ao público sem data definida para encerramento, de segunda a sexta-feira, das 8h às 12h e das 14h às 18h
Local: Galeria Jenner Augusto
Endereço: Rua Leonardo Leite, 148 – São José. Aracaju – Sergipe (Sociedade Semear). Tel: (79) 3022-2052.
E-mail: sociedadesemear@infonet.com.br
Entrada gratuita.

SERVIÇO:

Retrospectiva: 10 exposições de arte que marcaram o ano de 2017 no Nordeste

2017 já está nos seus suspiros finais, mas ainda vale a pena dar um último giro cultural pelo Nordeste e destacar algumas exposições de arte que marcaram o ano na região!

Imagens de algumas das exposições que marcaram o ano de 2017 no Nordeste

Imagens de algumas das exposições que marcaram o ano de 2017 no Nordeste

Mas antes, algumas considerações:

Apesar de ter sido um ano difícil às artes visuais - que do segundo semestre pra cá se deparou com o falso-moralismo e a hipocrisia de alguns conservadores com agenda política a cumprir, não faltou nudez, temas referentes à sexualidade ou questionamentos políticos nas exposições por aqui. Embora a artista Simone Barreto tenha sido 'convidada' a retirar algumas de suas obras de uma exposição no Espaço Cultural Unifor, em Fortaleza, não tivemos acesso a outros episódios significativos de censura em museus, centros culturais e galerias de arte do Nordeste. Por acaso não há conservadores por aqui? Ou isso apenas reflete aqueles dados de 2009 do IBGE, que mostram que 96% dos brasileiros não frequentam museus e 93% nunca foram a uma exposição de arte? Será que no Nordeste essa porcentagem é ainda maior?

Em protesto contra à censura a exposições de arte e apresentações cênicas em 2017, 115 pessoas ficaram nuas na Praça do Museu da República, em Brasília, para uma série fotográfica assinada pelo fotógrafo Kazuo Okubo. Censura nunca mais!

Em protesto contra à censura a exposições de arte e apresentações cênicas em 2017, 115 pessoas ficaram nuas na Praça do Museu da República, em Brasília, para uma série fotográfica assinada pelo fotógrafo Kazuo Okubo. Censura nunca mais!

Ainda somos uma região sem o hábito de frequentar equipamentos culturais e desconfio que isso tem relação direta com nossa carência em educação, mais até do que com a condição financeira ou classe social do nosso povo. Arrisco dizer, inclusive, que a classe média e a própria elite econômica não são grandes frequentadores de museus (locais, é claro) e exposições de arte (pelo menos quando não oferecem algum status social). E quando falo sobre nossa carência em educação, não estou falando de educação como mercadoria, mas sim de educação para a formação humana do indivíduo e da própria sociedade.

O hábito de frequentar museus e outros espaços culturais deve fazer parte da formação humana de nossas crianças

O hábito de frequentar museus e outros espaços culturais deve fazer parte da formação humana de nossas crianças

Uma criança visita a exposição  'Meu Caminho' , de Raimunda Fortes, na Sala Sesc de Exposições, em Sao Luís-MA

Uma criança visita a exposição 'Meu Caminho', de Raimunda Fortes, na Sala Sesc de Exposições, em Sao Luís-MA

Nossa cultura faz parte desse processo de formação. A arte transforma. Ela tem o poder de nos tirar do lugar comum e de oferecer um ponto de vista diferente (e muitas vezes crítico) daquilo que é aparentemente banal em nosso cotidiano. A arte é um risco ao status quo. É por isso que os conservadores se sentem ameaçados por ela e é por isso também que os investimentos em educação e cultura não são prioridade às nossas oligarquias políticas. E a previsão é de que os cortes sejam ainda maiores em 2018.

Mas apesar de todas essas dificuldades, as artes visuais continuaram resistindo e florescendo no Nordeste e, ao longo do ano, recebemos grandes exposições individuais de artistas consolidados, como Tomie Ohtake, Leonilson e Chico Albuquerque, além do Festival Internacional de Linguagem Eletrônica (FILE) - pela primeira vez no Nordeste. Tivemos ainda exposições coletivas comemorativas, reunindo os principais nomes da produção artística local de alguns estados. Sem falar na itinerância de algumas exposições pelas capitais e também pelo interior da região, o que ainda é pouco comum e merece ser incentivado para promover a integração e o intercâmbio cultural entre os estados do Nordeste. Afinal, se estamos geograficamente tão próximos, por que ainda somos tão distantes?


Tomie Ohtake na Caixa Cultural

A artista Tomie Ohtake viveu 101 anos e 60 deles foram dedicados à arte

A artista Tomie Ohtake viveu 101 anos e 60 deles foram dedicados à arte

A obra da artista sempre seguiu o caminho do abstracionismo

A obra da artista sempre seguiu o caminho do abstracionismo

Tomie Ohtake nasceu no Japão, mas viveu a maior parte de sua vida no Brasil e é reconhecida como uma das principais artistas brasileiras do século XX. Mesmo começando sua carreira aos 40 anos, ela ainda produziu por mais 60 anos! Em 2017, a mostra retrospectiva ‘Cor e Corpo’, que homenageia a artista morta em 2015, permaneceu bastante tempo no Nordeste, circulando pelas unidades da Caixa Cultural de Salvador, Recife e Fortaleza. O público dessas três capitais teve a oportunidade de ver de perto a sutileza das cores, das formas e das curvas que marcam o abstracionismo presente nas gravuras, pinturas e esculturas da artista.


Lula Cardoso Ayres: Arte, Região e Tempo

Obra de Lula Cardoso Ayres exposta na retrospectiva do artista

Obra de Lula Cardoso Ayres exposta na retrospectiva do artista

A Caixa Cultural do Recife ainda celebrou a trajetória de Lula Cardoso Ayres, com uma grande mostra retrospectiva. Ao todo foram 208 obras que revelam a percurso do artista pernambucano por diferentes técnicas, como pintura a óleo, acrílica sobre cartão, aquarela, têmpera, entre outras. Lula Cardoso Ayres, que nos deixou em 1987, foi um grande nome do modernismo brasileiro e uma das figuras mais icônicas das artes visuais em Pernambuco.

Telas de Lula Cardoso Ayres evidenciam seu traço modernista

Telas de Lula Cardoso Ayres evidenciam seu traço modernista

lula cardoso ayres

Leonilson: arquivo e memória vivos

A obra de Leonilson é revisitada em exposição retrospectiva

A obra de Leonilson é revisitada em exposição retrospectiva

Já o artista Leonilson teve sua maior exposição retrospectiva, que resultou ainda na publicação de seu catálogo raisonné – com reproduções de todas as obras conhecidas do artista. A mostra ficou cerca de 3 meses em cartaz no Espaço Cultural Unifor, em Fortaleza, e reuniu mais de 120 obras, algumas delas inéditas. Leonilson nasceu no Ceará, mas se mudou para São Paulo ainda na infância. Ele se destacou na arte contemporânea brasileira entre as décadas de 1980 e 1990, mas em 1993 teve sua vida interrompida, aos 36 anos, vítima do vírus HIV. Justíssima homenagem do Ceará ao seu conterrâneo.

O artista seguiu o caminho da arte contemporânea em sua breve, mas profícua trajetória

O artista seguiu o caminho da arte contemporânea em sua breve, mas profícua trajetória

leonilson

O fotógrafo Chico Albuquerque, 100 anos

Fotos do ensaio  'Mucuripe' , responsável por projetar nacionalmente a costa cearense

Fotos do ensaio 'Mucuripe', responsável por projetar nacionalmente a costa cearense

chico albuquerque

Outro cearense homenageado por lá foi o fotógrafo Chico Albuquerque, um dos pioneiros na fotografia publicitária brasileira e responsável por projetar nacionalmente a costa marítima do Ceará. Em 2017 ele completaria 100 anos e por isso foi tema da edição deste ano da Maloca Dragão, o maior festival de artes do estado. A exposição ocupou o Museu de Arte Contemporânea do Ceará (MAC-CE) com mais de 400 fotografias.

Chico Albuquerque também ficou conhecido por ter acompanhado o cineasta americano Orson Welles ('Cidadão Kane') durante as gravações de um documentário sobre quatro jangadeiros que, a bordo de uma jangada, navegaram até o Rio de Janeiro a fim de reivindicar melhores condições de trabalho ao então presidente Getúlio Vargas. Infelizmente, o filme permaneceu inacabado, mas virou história.

O cineasta americano Orson Welles (sentado) durante passagem pelo Ceará, em 1942. Fotografia: Chico Albuquerque

O cineasta americano Orson Welles (sentado) durante passagem pelo Ceará, em 1942. Fotografia: Chico Albuquerque


FILE SÃO LUÍS 2017

Pela primeira vez, o FILE, maior festival de Arte e Tecnologia da América Latina chegou a uma cidade nordestina

Pela primeira vez, o FILE, maior festival de Arte e Tecnologia da América Latina chegou a uma cidade nordestina

E pela primeira vez uma cidade nordestina recebeu o Festival Internacional de Arte Eletrônica (FILE), o maior festival de Arte e Tecnologia da América Latina! A mostra, que anualmente acontece em São Paulo e circula geralmente entre as capitais do Sul e Sudeste, veio com tudo inaugurar o Centro Cultural Vale Maranhão (CCVM), o mais novo espaço expositivo de São Luís (que, claro, merece nossa atenção nessa retrospectiva de 2017).

Durante três meses, o público do Maranhão pode interagir com obras de realidade virtual, instalações interativas, games, animações, experiências sensoriais, tendo acesso a trabalhos de mais de 42 artistas de diversos países, como Brasil, Alemanha, Austrália, Canadá, França, Eslováquia, Estados Unidos, Grécia, México, Portugal e Sérvia. De fato, uma mostra que merece o registro!

Obra de realidade virtual convida o interator a entrar na obra de Van Gogh por meio de um óculos de realidade 3D

Obra de realidade virtual convida o interator a entrar na obra de Van Gogh por meio de um óculos de realidade 3D

Sede do Centro Cultural Vale Maranhão (CCVM), inaugurado em 2017

Sede do Centro Cultural Vale Maranhão (CCVM), inaugurado em 2017


Mostra Sesc Amazônia das Artes pelo Maranhão e Piauí

A exposição  'Alistamento' , de Éder Oliveira, integrou a 10ª edição da Mostra Sesc Amazônia das Artes

A exposição 'Alistamento', de Éder Oliveira, integrou a 10ª edição da Mostra Sesc Amazônia das Artes

Em 2017, o Maranhão ainda recebeu a exposição ‘Alistamento’, assim como o Piauí! Os dois estados integraram a 10ª edição da Mostra Sesc Amazônia das Artes, que também percorreu toda a região Norte e o Mato Grosso, promovendo atividades culturais nos estados da chamada Amazônia Legal. Eu só não entendi o porquê do Piauí ser incluído nesse projeto, uma vez que o Amazônia não é um bioma que ocorre no estado. Mas enfim... que bom que itinerâncias culturais como essa estão ocorrendo também no Norte do país!

Quem assina a exposição ‘Alistamento’ é o artista paraense Éder Oliveira, que apresentou ao público seu olhar artístico sobre o alistamento militar, em um processo de experimentação estética que aproximou fotografia, retrato, pintura e intervenção. Para muitos jovens, o alistamento militar representa uma alternativa para mudar de vida, principalmente para aqueles vindos de cidades pequenas.

Um olhar artístico sobre o alistamento militar

Um olhar artístico sobre o alistamento militar

eder oliveira

Alexandre Filho - Pinturas e Gravura

A Usina Cultural Energisa, em João Pessoa-PB, abriu a Galeria de Arte Alexandre Filho, seu novo espaço expositivo

A Usina Cultural Energisa, em João Pessoa-PB, abriu a Galeria de Arte Alexandre Filho, seu novo espaço expositivo

Outro espaço expositivo inaugurado recentemente é a Galeria de Arte Alexandre Filho, dentro da Usina Cultural Energisa, em João Pessoa. E nada melhor do que uma exposição do próprio homenageado para abrir a galeria! O paraibano Alexandre Filho é um verdadeiro patrimônio vivo da arte popular brasileira, reconhecido internacionalmente como um dos principais artistas naïfs do país.

A exposição retrospectiva de seus 50 anos de carreira (!) contou com trabalhos que se destacam pela leveza do traçado arredondado, pelas cores cheias de luz, pelo lirismo da relação entre a figura humana e a natureza e pela memória coletiva do povo nordestino, tão presente em suas telas. Algumas das obras, inclusive, eram inéditas. Na ocasião dessa exposição, o Pigmum também homenageou o artista lançando a seção Artista do Mês. Mais que merecido!

Alexandre Filho é referência em arte  naïf  no país

Alexandre Filho é referência em arte naïf no país


Graciliano Arte e os 200 anos de Alagoas

Páginas do livro Graciliano Arte dedicadas ao artista contemporâneo Delson Uchôa

Páginas do livro Graciliano Arte dedicadas ao artista contemporâneo Delson Uchôa

Capa do livro Graciliano Arte, publicado em 2017

Capa do livro Graciliano Arte, publicado em 2017

Em Alagoas, os 200 anos de emancipação política (o território alagoano pertencia a Pernambuco até 16 de setembro de 1817) foram comemorados também com exposições coletivas que apresentaram um panorama visual da produção artística contemporânea no estado. Apesar de ter ocorrido o 'III Salão de Arte Contemporânea de Alagoas' e da Pinacoteca Universitária da Ufal ter cumprido o seu papel muito bem com a mostra ‘Horizontes’, é preciso enfatizar a exposição ‘Graciliano Arte’, que marcou o lançamento de um livro homônimo com o recorte dessa produção contemporânea em diferentes linguagens, como a música, a literatura, o audiovisual, as artes cênicas e, claro, as artes visuais.

Embora a publicação tenha causado certo desconforto devido às escolhas editoriais e à ausência de alguns nomes emblemáticos entre os artistas locais, é válido destacar esse livro como uma conquista das artes em Alagoas. Que venham os próximos!

Na exposição, que foi montada no Galpão 422, o público pode conferir trabalhos de artistas em plena atividade, como Pedro Lucena, Myrna Maracajá, Heway Verçosa, Suel Cordeiro, Celso Brandão, Francisco Oiticica, Renata Voss e Ricardo Lêdo.


A itinerância de Guto Holanda

Guto Holanda e suas obras

Guto Holanda e suas obras

E quem também expôs em Maceió foi o paulista Guto Holanda. Radicado em João Pessoa, o artista conseguiu circular com seus trabalhos em pelo menos três estados do Nordeste este ano! Primeiro ele dividiu o espaço da Galeria de Arte Archidy Picado, em João Pessoa, com o também artista Américo Filho (Meiacor); depois, a Pinacoteca da Ufal recebeu a sua exposição individual ‘Nunca Serei Cinza’; e em novembro, foi a vez da Galeria de Arte do IFRN Cidade Alta, em Natal, receber a mesma exposição.

Mas por que eu estou batendo tanto nesta tecla? Porque seria incrível que as exposições dos nossos artistas tivessem trânsito facilitado não apenas nas capitais da região, mas também pelo interior dos estados. Precisamos dar a oportunidade para que o Nordeste conheça e valorize os seus próprios artistas. Intercâmbio cultural é fundamental!

Mostra  'Cor de Dentro'  ficou em cartaz na Galeria de Arte Archidy Picado, em João Pessoa-PB, no primeiro semestre de 2017

Mostra 'Cor de Dentro' ficou em cartaz na Galeria de Arte Archidy Picado, em João Pessoa-PB, no primeiro semestre de 2017


II Salão Dorian Gray de Artes Visuais em Mossoró-RN

O cangaço foi o tema do II Salão Dorian Gray de Artes Visuais

O cangaço foi o tema do II Salão Dorian Gray de Artes Visuais

Falando em interiorização, não podemos deixar de fora o 'II Salão Dorian Gray de Artes Visuais', que levou para Mossoró-RN – em pleno período junino - mais de 300 obras, entre desenhos, pinturas, esculturas, gravuras, fotografias, imagens em movimento e performances. Cerca de 150 artistas participaram da mostra, que teve o cangaço como tema. O salão integrou as comemorações da cidade pelos 90 anos de resistência do povo mossoroense ao ataque do bando de Lampião. De fato, essa grande exposição no interior potiguar marcou o ano de 2017 para as artes visuais do Rio Grande do Norte.

E a notícia que rola por aí é de que Mossoró vai ganhar a sua própria Pinacoteca! Espero que esse projeto saia mesmo do papel, né governador?!

A mostra levou mais de 300 obras para Mossoró-RN

A mostra levou mais de 300 obras para Mossoró-RN

II Salão Dorian Gray de Artes Visuais

É claro que muita coisa ficou de fora nessa retrospectiva 2017. Não foi nada fácil eleger apenas 10 exposições em meio a tanta coisa que rolou nos 9 estados que compõem o Nordeste. Mas acredito que consegui fazer um apanhado justo do que eu consegui acompanhar ao longo do ano por aqui. Espero que o Pigmum tenha ajudado vocês a se conectar com a cena artística visual do Nordeste. Espero ainda que, em 2018, o Pigmum possa acompanhar ainda mais de perto essa cena tão diversa e que se torne, de certa forma, um termômetro das artes visuais na região.

Agora pegue o champagne e vamos brindar!

Feliz ano novo!

Giro cultural: 9 exposições em cartaz no Nordeste para visitar em setembro

E num piscar de olhos já estamos em setembro! Dá pra acreditar que 2017 já está entrando na reta final? Mas não antes de você conferir as principais exposições de arte que estão em cartaz no Nordeste! Como sempre, o Pigmum selecionou aquelas que são realmente imperdíveis. Então se você mora em uma das 9 capitais da região ou está de passagem ao longo do mês, não deixe de fazer uma visita!

Aracaju (SE)

Nesta exposição, as gravuras de Antônio Cruz foram feitas em peças de aço inoxidável

Nesta exposição, as gravuras de Antônio Cruz foram feitas em peças de aço inoxidável

A curiosidade em trabalhar com novos métodos e materiais levou o artista sergipano Antônio Cruz a gravar suas imagens em aço inoxidável, utilizando uma retificadora para abrir caminhos nas pranchas de metal. Como resultado, o artista obteve peças com um brilho metálico surpreendente. Segundo ele, a mostra é inspirada também na arquitetura de Aracaju, entre as décadas de 1920 e 1940, de forte influência Art Déco. Uma exposição no mínimo curiosa, né?

O artista se inspirou na arquitetura sergipana do período entre guerras

O artista se inspirou na arquitetura sergipana do período entre guerras

O trabalho em aço proporcionou um brilho metálico às imagens

O trabalho em aço proporcionou um brilho metálico às imagens

Fachada da Galeria J. Inácio

Fachada da Galeria J. Inácio

SERVIÇO:

Exposição: Matrizes, Geratrizes e Derivadas
Artista: Antônio Cruz
Até 2 de outubro, das 9h às 17h
Local: Galeria J. Inácio
Endereço: Rua Dr. Leonardo Leite, s/n, Bairro 13 de Julho (anexo à Biblioteca Pública Epifânio Dória). Aracaju – Sergipe. Telefone: (79) 3179-1969
Entrada gratuita.


Natal (RN)

O jazz é o principal tema das telas desta exposição

O jazz é o principal tema das telas desta exposição

O artista é um apaixonado por este gênero musical

O artista é um apaixonado por este gênero musical

Com essa exposição individual do artista alemão Marek Mann, finalmente o Museu Café Filho foi reaberto ao público, após longos anos de descaso! Na mostra, pinturas que homenageiam principalmente o jazz - uma das paixões do artista, ocupam as paredes de uma das construções mais antigas da capital potiguar (cerca de 200 anos de história). Marek Mann, que é casado com uma brasileira, tem uma longa trajetória também como designer, ilustrador e escritor de livros infantis, com publicações em vários países europeus. O artista mora e produz em Natal desde o ano passado.

Fachada do Museu Café Filho, reaberto com exposição de Marek Mann

Fachada do Museu Café Filho, reaberto com exposição de Marek Mann

Interior do museu, durante vernissage de abertura da exposição

Interior do museu, durante vernissage de abertura da exposição

SERVIÇO:

Exposição: Uma retrospectiva de Marek Mann
Artista: Marek Mann
Até 30 de setembro, de terça-feira a domingo, das 8h30 às 17h
Local: Museu Café Filho
Endereço: Rua da Conceição, 601, Cidade Alta. Natal – Rio Grande do Norte.
Entrada gratuita.


Teresina (PI)

As aquarelas de Avelar Amorim retratam uma Teresina que ninguém quer ver

As aquarelas de Avelar Amorim retratam uma Teresina que ninguém quer ver

Teresina acabou de completar 165 anos de história e o artista Avelar Amorim encontrou uma maneira de homenagear a cidade de uma forma crítica, chamando a atenção para locais desprestigiados da cidade. São cerca de 30 aquarelas que privilegiam áreas abandonadas, sujas e esquecidas. Lugares que precisam da atenção de todo mundo, principalmente do setor público. Nas obras, têm destaque os esgotos caindo no rio sem tratamento, o monumento do Motorista Gregório, a ponte estaiada, o Mercado Central, o Mercado do Peixe, o IFPI, entre outros pontos. 

A ponte estaiada

A ponte estaiada

Triste realidade: esgotos desaguando no rio

Triste realidade: esgotos desaguando no rio

Entrada da exposição na Casa da Cultura de Teresina

Entrada da exposição na Casa da Cultura de Teresina

SERVIÇO:

Exposição: Teresina 'Réa Feia'
Artista: Avelar Amorim
Até 30 de setembro, de segunda a sexta-feira, das 8h às 17h e aos sábados, das 9h às 13h
Local: Casa da Cultura de Teresina
Endereço: Rua Rui Barbosa, 348, Centro. Teresina – Piauí. Telefone: (86) 3230-9910
Entrada gratuita.
 


Recife (PE)

O trabalho fotográfico de Maria do Carmo Nino é cheio de sutileza  e traz uma poeticidade que vai além do registro da imagem

O trabalho fotográfico de Maria do Carmo Nino é cheio de sutileza  e traz uma poeticidade que vai além do registro da imagem

Seria a fragilidade humana o motor da arte? A artista visual pernambucana Maria do Carmo Nino acredita que sim e ela encontrou no vidro um ótimo suporte para expressar poeticamente essa ideia. Na exposição 'Da Nossa Essência de Vidro', o público vai encontrar fotografias impressas sobre uma superfície transparente de vidro e também pinturas feitas com esmalte de unhas que, quando em contato com a água, criam camadas distintas de cor. As pinturas foram feitas sobre diferentes materiais, como papel japonês, canson preto e peças de vidro. Essa é a primeira exposição da artista em 6 anos. 

Pinturas feitas com esmalte de unhas sobre papel japonês

Pinturas feitas com esmalte de unhas sobre papel japonês

O esmalte de unhas sobre vidro garantiu efeitos estéticos inesperados ao trabalho da artista

O esmalte de unhas sobre vidro garantiu efeitos estéticos inesperados ao trabalho da artista

Maria do Carmo Nino

SERVIÇO:

Exposição: Da nossa essência de vidro
Artista: Maria do Carmo Nino
Até 20 de outubro, de terça a sexta-feira, das 13h às 19h e aos sábados, das 16h às 20h
Local: Arte Plural Galeria
Endereço: Rua da Moeda, 140, Recife Antigo. Recife – Pernambuco. Telefone: (81) 3424-4431
Entrada gratuita.


João Pessoa (PB)

Abertura da galeria e da exposição em homenagem ao artista  naïf  paraibano Alexandre Filho

Abertura da galeria e da exposição em homenagem ao artista naïf paraibano Alexandre Filho

A Usina Cultural Energisa acaba de inaugurar mais um espaço expositivo: a Galeria de Arte Alexandre Filho, em homenagem a um dos principais artistas naïf do país, reconhecido internacionalmente. E nada melhor do que o próprio homenageado para inaugurar o espaço. A mostra 'Alexandre Filho - Pinturas e Gravura' apresenta 17 obras, sendo 16 pinturas e 1 gravura em serigrafia, produzidas entre 1981 e 2017. Embora seja uma exposição retrospectiva, muitas obras são inéditas, pois pertencem a acervos particulares de colecionadores. Alexandre Filho é paraibano, tem 85 anos e mais de 50 de carreira. E eu nem preciso dizer que essa justíssima homenagem é imperdível, né!? 

As obras de Alexandre Filho encantam pela simplicidade do traço e pela riqueza das cores sólidas

As obras de Alexandre Filho encantam pela simplicidade do traço e pela riqueza das cores sólidas

Alexandre Filho

SERVIÇO:

Exposição: Alexandre Filho - Pinturas e Gravura
Artista: Alexandre Filho
Até 30 de setembro, de terça-feira a domingo, das 14h às 20h
Local: Usina Cultural Energisa
Endereço: Rua João Bernardo de Albuquerque, 243, Tambiá. João Pessoa – Paraíba. Telefone: (83) 3221-6343
Entrada gratuita.


São Luís (MA)

Com a exposição Acervos, a prefeitura de São Luís exibe ao público a coleção artística pública adquirida pelo município ao longo de 30 anos. Fotografia: Lauro Vasconcelos

Com a exposição Acervos, a prefeitura de São Luís exibe ao público a coleção artística pública adquirida pelo município ao longo de 30 anos. Fotografia: Lauro Vasconcelos

E quem também está completando aniversário é São Luís. São 405 anos de história e para comemorar a Galeria Trapiche inaugurou uma exposição coletiva com 22 obras de artistas maranhenses que se inspiraram de alguma forma na cidade. As obras fazem parte do acervo adquirido pela prefeitura de São Luís ao longo dos últimos 30 anos. São trabalhos de João Carlos Pimentel, Ana Rodrigues, Francisco Moreno, Edson Mondego, Antônio dos Anjos, Marlene Barros, Miguel Veiga, Franssoufer, Telma Lopes, Thiago Martins e Tom Bezerra.

A tradição carnavalesca do Maranhão está presente na exposição. Fotografia: Lauro Vasconcelos

A tradição carnavalesca do Maranhão está presente na exposição. Fotografia: Lauro Vasconcelos

A cidade de São Luís sob diferentes estilos e técnicas de pintura

A cidade de São Luís sob diferentes estilos e técnicas de pintura

Acervos Galeria Trapiche

SERVIÇO:

Exposição: Acervos
Artista: Coletiva
Até 5 de outubro, de segunda a sexta-feira, das 14h às 19h
Local: Galeria Trapiche Santo Ângelo
Endereço: Av. Vitorino Freire, s/n, Praia Grande. São Luís – Maranhão.
Entrada gratuita.


Fortaleza (CE)

Essa é uma das maiores exposições retrospectivas dedicadas à Antonio Bandeira

Essa é uma das maiores exposições retrospectivas dedicadas à Antonio Bandeira

Após uma das mais completas mostras sobre a arte do cearense Leonilson, o Espaço Cultural Unifor monta agora outra grande exposição, dessa vez apresentando a trajetória do também cearense Antônio Bandeira, um dos pioneiros da arte abstrata no Brasil. São 91 trabalhos, desde as primeiras pinturas figurativas e de caráter social dos anos 1940, até suas últimas grandes telas abstratas do final dos anos 1960. Além da pintura, Antônio Bandeira se dedicou também ao desenho e à gravura e, ao longo de sua carreira, passou a experimentar materiais até então inusitados, como miçangas, fitas adesivas e tinta automotiva.

Antonio Bandeira é um dos pioneiros da arte abstrata no Brasil

Antonio Bandeira é um dos pioneiros da arte abstrata no Brasil

Tela produzida com técnica mista, utilizando miçangas

Tela produzida com técnica mista, utilizando miçangas

O artista, que começou com pinturas figurativas de cunho social, experimentou outras vertentes ao longo de sua trajetória

O artista, que começou com pinturas figurativas de cunho social, experimentou outras vertentes ao longo de sua trajetória

SERVIÇO:

Exposição: Antonio Bandeira: um abstracionista amigo da vida
Artista: Antonio Bandeira
Até 12 de dezembro, de terça a sexta-feira, de 9h às 19h e aos sábados e domingos, de 10h às 18h.
Local: Espaço Cultural Unifor
Endereço: Av. Washington Soares, 1321, Edson Queiroz. Fortaleza – Ceará. Telefone: (85) 3477-3319
Entrada gratuita.


Salvador (BA)

Peças de cerâmica expostas na exposição

Peças de cerâmica expostas na exposição

Apesar de ser conhecido pelo trabalho em cerâmica, Brennand também produz pinturas em tela

Apesar de ser conhecido pelo trabalho em cerâmica, Brennand também produz pinturas em tela

O pernambucano Francisco Brennand construiu um verdadeiro reino imagético ao longo de mais de 60 anos de carreira! Muito desse tempo dedicado à produção de peças de cerâmica que mergulham em temas como fertilidade, mitologia, fauna, flora e a tradição popular Nordestina. Nessa exposição, inédita em Salvador, o público vai encontrar 27 obras do acervo original do artista, criadas em fases diferentes de sua carreira. Brennand, que completou 90 anos em junho, é praticamente uma lenda viva do Recife e sua oficina de cerâmica, além de ser parada obrigatória para quem visita a cidade, é também a materialização monumental desse reino mitológico criado por ele. Imperdível!

Peça de cerâmica assinada por Brennand

Peça de cerâmica assinada por Brennand

As tradições populares do Nordeste fazem parte do universo imagético do artista

As tradições populares do Nordeste fazem parte do universo imagético do artista

SERVIÇO:

Exposição: Francisco Brennand - Mestre dos Sonhos
Artista: Francisco Brennand
Até 1 de outubro, de terça-feira a domingo, das 9h às 18h
Local: Caixa Cultural Salvador
Endereço: Rua Carlos Gomes, 57, Centro. Salvador – Bahia. Telefone: (71) 3421-4200
Entrada: Entrada franca


Maceió (AL)

Salão principal da Pinacoteca da Ufal recebe a exposição  'Horizontes - Arte contemporânea de Alagoas'

Salão principal da Pinacoteca da Ufal recebe a exposição 'Horizontes - Arte contemporânea de Alagoas'

Alagoas está completando 200 anos de Emancipação Política em 2017 e a Pinacoteca da Ufal aproveitou esse marco histórico para homenagear os artistas alagoanos com um panorama da arte contemporânea produzida no Estado. São mais de 40 obras inéditas - entre pinturas, esculturas, fotografias e instalação, de nomes como Achiles Escobar, Bárbara Lessa, Lula Nogueira, Marta Arruda e Hilda Moura. Mas a mostra não se limita apenas aos artistas já consagrados no cenário local, como também abre espaço a novos horizontes, recebendo trabalhos de 9 artistas iniciantes.

A exposição faz um panorama da arte contemporânea no Estado e convida novos artistas à integrar a mostra

A exposição faz um panorama da arte contemporânea no Estado e convida novos artistas à integrar a mostra

A Pinacoteca tem recebido principalmente crianças e jovens para visitas guiadas e atividades educativas

A Pinacoteca tem recebido principalmente crianças e jovens para visitas guiadas e atividades educativas

Pinacoteca da Ufal Horizontes

SERVIÇO:

Exposição: Horizontes - Arte contemporânea de Alagoas
Artista: Coletiva
Até 7 de outubro, de segunda à sexta-feira, das 8h30 às 18h
Local: Pinacoteca Universitária da Ufal
Endereço: Praça Visconde de Sinimbu, 206, 1º piso - Centro. Maceió - Alagoas (Espaço Cultural Salomão de Barros Lima). Telefone: (82) 3214-1545 | 3214-1428
E-mail: pinaufal@gmail.com

5 exposições de arte para quem vai viajar pela América do Sul nas férias de julho

As férias de julho estão aí e é tempo de viajar! E já que o recesso de meio de ano acaba sendo mais curto (assim como a grana, em plena crise financeira), nem sempre dá pra fazer aquele tour dos sonhos pelas pirâmides do Egito ou pelos museus da Europa. Por isso, muita gente prefere aproveitar o inverno curtindo o friozinho em um dos países da América do Sul, o que também acaba sendo uma experiência bastante enriquecedora e mais ace$$ível.

Pra te ajudar na programação cultural do seu rolé, o Pigmum selecionou 5 exposições de arte imperdíveis, em cartaz nas capitais sul-americanas preferidas dos brasileiros. Então já vá treinando seu portuñol e boa viagem!


Bogotá - Colômbia

Um homem contempla a obra do fotógrafo Cartier-Bresson. Fotografia: Mikael Moreira

Um homem contempla a obra do fotógrafo Cartier-Bresson. Fotografia: Mikael Moreira

Se você estiver na capital colombiana o bairro histórico La Candelaria é passagem obrigatória! E entre tantos museus e igrejas do local, está o Museu de Arte Miguel Urrutia (MAMU), que atualmente recebe a primeira exposição do fotógrafo francês Henri Cartier-Bresson em território colombiano. São mais de 130 imagens, produzidas entre 1926 e 1979, que refletem a evolução do trabalho deste homem que é considerado o pai do fotojornalismo moderno. Cartier-Bresson percorreu o mundo com sua câmera e retratou como poucos o século XX. A exposição integra as atividades do ano Colômbia-França 2017.

Um instante parisiense capturado pela câmera de Cartier-Bresson

Um instante parisiense capturado pela câmera de Cartier-Bresson

A sede  do MAMU, integrante do Museu Banco de La República

A sede  do MAMU, integrante do Museu Banco de La República

Nacho Aguirre, Santa Clara, México (1934). Fotografia: Cartier-Bresson

Nacho Aguirre, Santa Clara, México (1934). Fotografia: Cartier-Bresson

Exposição: Henri Cartier-Bresson Fotógrafo
Artista: Henri Cartier-Bresson
Até 28 de agosto, de segunda a sábado, das 9h às 18h30 e aos domingos e feriados, das 10h às 16h30. Fechado às terças-feiras.
Local: Museu de Arte Miguel Urrutia (MAMU)
Endereço: Calle 11, #4 - 14, La Candelaria. Bogotá – Colômbia. (Museu Banco de La República)
Entrada gratuita.

SERVIÇO:


Buenos Aires - Argentina

À esquerda:  'Apaporu' , de Tarsila do Amaral. O quadro símbolo da arte moderna brasileira pertence ao acervo permanente do Malba e está em cartaz na exposição ' Verboamérica'

À esquerda: 'Apaporu', de Tarsila do Amaral. O quadro símbolo da arte moderna brasileira pertence ao acervo permanente do Malba e está em cartaz na exposição 'Verboamérica'

Para celebrar seu 15º aniversário, o Museu de Arte Latino-Americana de Buenos Aires (Malba) montou uma exposição especial com obras de sua coleção permanente. A mostra rompe com a linha cronológica clássica da história da arte e propõe uma reorganização da arte latino-americana com base em 8 núcleos temáticos. São 170 obras de diferentes períodos históricos que se aprofundam em questões fundamentais à experiência artística na América Latina, como a antropofagia, o indigenismo, a negritude e o neoconcretismo. No acervo, o visitante vai encontrar obras de Frida Kahlo, Antonio Berni, Di Cavalcanti e o clássico ‘Abaporu’, de Tarsila do Amaral.

Entrada da exposição  'Verboamérica'

Entrada da exposição 'Verboamérica'

O Malba possui um acervo diversificado de arte latino-americana

O Malba possui um acervo diversificado de arte latino-americana

As obras mais conhecidas do artista argentino Antonio Berni também fazem parte do acervo e estão em exibição

As obras mais conhecidas do artista argentino Antonio Berni também fazem parte do acervo e estão em exibição

Exposição: Verboamérica – Colección Malba
Artista: Coletiva
Exposição de longa duração, de quinta a segunda-feira, das 12h às 20h e às quartas-feiras, das 12h às 21h. Fechado às terças-feiras.
Local: Museu de Arte Latino-Americana de Buenos Aires (Malba)
Endereço: Av. Figueroa Alcorta, 3415, Palermo. Buenos Aires - Argentina.
Entrada: $100 (R$ 18,92)

SERVIÇO:


Lima - Peru

Obras em cerâmica da cultura Nazca

Obras em cerâmica da cultura Nazca

Em 1927, o arqueólogo Paul Kosok sobrevoou a região de Nazca, no Peru, e descobriu gigantescas imagens traçadas sobre aquele território desértico. Desde então, a cultura da civilização pré-hispânica que ocupava essa localidade cerca de 1.500 anos atrás tem levantado a curiosidade do mundo todo. Agora, numa parceria com o Museu Rietberg, da Suíça, o Museu de Arte de Lima apresenta a maior exposição já dedicada à essa civilização, com uma coleção de 300 peças, entre cerâmica, tecido e objetos de metal. A exposição conta ainda com recursos tecnológicos, como vídeos, projeções, animações, mapping, composições musicais e simulação 3D.

Peça em tecido da cultura Nazca

Peça em tecido da cultura Nazca

A fachada do Museu de Arte de Lima, em estilo neoclássico

A fachada do Museu de Arte de Lima, em estilo neoclássico

O interior do museu

O interior do museu

A cultura Nazca segue despertando a curiosidade até hoje

A cultura Nazca segue despertando a curiosidade até hoje

Nasca - MALI

Exposição: Nasca
Curadoria: Cecilia Pardo (MALI) e Peter Fux (Museu Rietberg)
Até 1º de outubro, de terça-feira a domingo, das 10h às 19h e aos sábados, das 10h às 17h.
Local: Museu de Arte de Lima (MALI)
Endereço: Paseo Colón, 125, Parque de la Exposición. Lima – Peru.
Entrada: S/ 30 (R$ 29,53) 

SERVIÇO:
 


Montevidéu - Uruguai

Visitantes em uma das salas do MNAV

Visitantes em uma das salas do MNAV

Se você quer conhecer a fundo a produção artística uruguaia, então o Museu Nacional de Artes Visuais (MNAV) de Montevidéu é o lugar certo. O museu conta com a coleção mais importante e representativa do patrimônio artístico do país, com mais de 6 mil obras de arte, desde as últimas décadas do século XIX até nossos dias. Nessa exposição de longa duração, o visitante vai encontrar um recorte desse acervo e tem acesso a diferentes momentos da formação da arte uruguaia, com raízes na tradição europeia.

Entrada do MNAV, no Parque Rodó

Entrada do MNAV, no Parque Rodó

Obras do acervo permanente do museu

Obras do acervo permanente do museu

'Recreo'  (1924), óleo sobre tela de Petrona Viera

'Recreo' (1924), óleo sobre tela de Petrona Viera

'Pintura Construtivista'  (1929), de Joaquín Torres García

'Pintura Construtivista' (1929), de Joaquín Torres García

Exposição: Colección MNAV
Artista: Coletiva
Até 31 de dezembro, de terça-feira a domingo, das 14h às 19h.
Local: Museu Nacional de Artes Visuais (MNAV)
Endereço: Tomás Giribaldi, 2283, esq. Julio Herrera y Reissig, Parque Rodó. Montevidéu – Uruguai.
Entrada gratuita.

SERVIÇO:


Santiago - Chile

Símbolos de grupos extremistas da América do Sul em exposição no MAVI

Símbolos de grupos extremistas da América do Sul em exposição no MAVI

O artista chileno Arturo Duclos ocupa o Museu de Artes Visuais (MAVI) de Santiago e a Plaza Mulato Gil de Castro com uma grande exposição que explora o sentido político das utopias, contrastando os ideais dos diferentes grupos revolucionários da América Latina no século XX. O artista, que já tem mais de 30 anos de carreira, exibe pinturas, desenhos, esculturas, instalação e vídeo em um total de 5 áreas temáticas. As obras revisitam o espírito de luta de grupos que impuseram suas convicções principalmente através da força armada e do terrorismo, como Tupamaros (Uruguai), FARC (Colômbia), EZLN (México), FPMR (Chile), MRTA (Peru) e Movimiento 26 de Julio (Cuba).

Escultura de Arturo Duclos

Escultura de Arturo Duclos

A proposta do artista explora linguagens artísticas variadas como a instalação

A proposta do artista explora linguagens artísticas variadas como a instalação

O artista faz um contraponto entre os diferentes grupos guerrilheiros que surgiram na América Latina ao longo do século XX

O artista faz um contraponto entre os diferentes grupos guerrilheiros que surgiram na América Latina ao longo do século XX

Exposição: El fantasma de la utopia
Artista: Arturo Duclos
Até 20 de agosto, de terça-feira a domingo, das 11h às 18h30
Local: Museu de Artes Visuais (MAVI)
Endereço: Calle José Victorino Lastarria, 307, Plaza Mulato Gil De Castro. Santiago – Chile.
Entrada gratuita.

SERVIÇO:


Bônus: São Paulo - Brasil

MASP abriga a maior exposição já feita no Brasil sobre o artista francês Toulouse-Lautrec

MASP abriga a maior exposição já feita no Brasil sobre o artista francês Toulouse-Lautrec

E pra quem vai viajar por aqui mesmo, a dica é ir até São Paulo-SP e conferir a maior exposição já feita no Brasil sobre a obra do francês Toulouse-Lautrec, um dos mais importantes artistas europeus da virada do século XIX para o século XX, decisivo para a arte moderna e um dos pioneiros do design gráfico e do uso de cartaz para a publicidade. São 75 obras e 50 documentos que retratam personagens burgueses, boêmios, trabalhadores, dançarinas e artistas que conviviam em Paris e que fizeram parte do círculo afetivo e artístico do artista. Mais uma grande exposição do Museu de Arte de São Paulo (MASP), que já vale a visita só pela sua importância arquitetônica.

Um dos cartazes mais famosos de Toulouse-Lautrec

Um dos cartazes mais famosos de Toulouse-Lautrec

Visitantes contemplam obra de Toulouse-Lautrec no MASP

Visitantes contemplam obra de Toulouse-Lautrec no MASP

Fachada do MASP, símbolo de São Paulo

Fachada do MASP, símbolo de São Paulo

Exposição: Toulouse-Lautrec em Vermelho
Artista: Henri de Toulouse-Lautrec
Até 1º de outubro, de segunda-feira a domingo, das 10h às 18h e nas quintas-feiras, das 10h às 20h
Local: Museu de Arte de São Paulo (MASP)
Endereço: Av. Paulista, 1578, Bela Vista. São Paulo – Brasil.
Entrada: R$ 30 e R$ 15 (estudantes, professores e maiores de 60 anos)
 

SERVIÇO:

É artista? Então corra que você só tem até 4 de julho para se inscrever no edital de ocupação da Galeria de Arte do IFRN

Ótima notícia para os artistas visuais – principalmente os artistas potiguares – que estão só esperando uma boa oportunidade para expor seus trabalhos. A Galeria de Arte do IFRN Cidade Alta, em Natal-RN, está com edital de ocupação aberto para o segundo semestre de 2017 e você só tem até o dia 4 de julho para se inscrever!

Salão principal da Galeria de Arte IFRN Cidade Alta durante abertura de exposição

Salão principal da Galeria de Arte IFRN Cidade Alta durante abertura de exposição

Inicialmente a submissão de propostas iria até 26 de junho, mas o prazo foi prorrogado. Ou seja, é a sua grande chance, mas tem que correeer!

As inscrições podem ser feitas pela internet, enviando toda a documentação necessária para o e-mail galeriadearte.ifrn.cal@gmail.com; ou se preferir, também podem ser feitas presencialmente, basta comparecer na Coordenação da Galeria de Arte (sala 86), das 9h às 12h e das 13h às 16h. O IFRN fica na Av. Rio Branco, 743, no bairro de Cidade Alta.

Fachada do IFRN Cidade Alta, em Natal-RN

Fachada do IFRN Cidade Alta, em Natal-RN

Pátio interno da instituição

Pátio interno da instituição

Os interessados podem ser brasileiros ou estrangeiros, residentes no Brasil ou no exterior. Menores de 18 anos também podem participar, desde que nomeiem um representante legal (procurador, pais ou responsáveis) para o ato de inscrição.

Vernissage da exposição mais recente da Galeria de Arte

Vernissage da exposição mais recente da Galeria de Arte

Ao todo, serão selecionadas 4 propostas, individuais ou coletivas, que serão expostas por um período de 4 semanas (incluindo montagem, desmontagem e vernissage). Qualquer expressão artística visual pode concorrer, desde que respeite as limitações físicas e técnicas de cada espaço expositivo. A planta baixa da galeria você confere no edital, assim como a documentação necessária para a inscrição e os critérios de avaliação da comissão de seleção.

Quero ver todo mundo se participando, viu? Boa sorte!  

Giro cultural: as melhores exposições no Nordeste para conferir até o fim de junho

Já estamos na reta final do mês do São João e tem muita exposição de arte em cartaz que só está esperando a sua visita pra também ser encerrada. Portanto, antes que a fogueira se apague, corra até a mostra mais próxima a você! Como de costume, o Pigmum selecionou uma exposição em cada capital do Nordeste pra te ajudar a se programar. Confira:

Salvador (BA)

Duas crianças Saarauis correndo pelo deserto do Saara

Duas crianças Saarauis correndo pelo deserto do Saara

Nuvens no mar do Caribe após passagem de furacão

Nuvens no mar do Caribe após passagem de furacão

O vento é o elemento que aproxima duas realidades completamente diferentes nesta exposição fotográfica. De um lado, o fotógrafo Rogério Ferrari reuniu imagens feitas em 2008 no Saara Ocidental, com registros do povo Saaraui, que vive refugiado em uma região contestada pelo Marrocos; do outro lado, as fotografias de Simone Carvalho apresentam o céu do Caribe após a passagem de um furacão, em setembro de 2015. Dois contextos distintos unidos por uma beleza incontestável!

A exposição está em cartaz na galeria RV Cultura e Arte

A exposição está em cartaz na galeria RV Cultura e Arte

O povo Sarraui habita uma região desértica ocupada há décadas pelo Marrocos

O povo Sarraui habita uma região desértica ocupada há décadas pelo Marrocos

Vista aérea do Caribe

Vista aérea do Caribe

Exposição: O Espaço Vento
Artistas: Rogério Ferrari e Simone Carvalho
Até 1º de julho, de segunda à sexta-feira, das 10h às 18h e aos sábados, das 10h às 16h
Local: RV Cultura e Arte
Endereço: Av. Cardeal da Silva, 158, Rio Vermelho. Salvador - Bahia. Telefone: (71) 3347-4929
Entrada gratuita.


Fortaleza (CE)

O cineasta americano Orson Welles (sentado) durante passagem pelo Ceará, em 1942. Fotografia: Chico Albuquerque

O cineasta americano Orson Welles (sentado) durante passagem pelo Ceará, em 1942. Fotografia: Chico Albuquerque

E tem mostra fotográfica também na capital cearense. São as últimas semanas da exposição 'O fotógrafo Chico Albuquerque, 100 Anos', que comemora o centenário deste cearense que foi um dos responsáveis por projetar nacionalmente a costa marítima do estado. Em 1942, Chico Albuquerque acompanhou o cineasta americano Orson Welles ('Cidadão Kane') durante as gravações de um documentário sobre quatro jangadeiros. Infelizmente, o filme permaneceu inacabado, mas virou história. Em abril, foi destaque na edição deste ano do maior festival de artes do Ceará, a Maloca Dragão. Essa exposição, com mais de 400 imagens, abriu o festival e continua em cartaz desde então. Se você ainda não viu, corra pra ver!

Fotos do ensaio  'Mucuripe' , responsável por projetar nacionalmente a costa cearense

Fotos do ensaio 'Mucuripe', responsável por projetar nacionalmente a costa cearense

Chico Albuquerque

Exposição: O Fotógrafo Chico Albuquerque, 100 Anos
Artista: Chico Albuquerque
Até 2 de julho, de terça à sexta-feira, das 9h às 19h e aos sábados, domingos e feriados, das 14h às 21h
Local: Museu de Arte Contemporânea do Ceará - MAC-CE
Endereço: Rua Dragão do Mar, 81 - Praia de Iracema. Fortaleza - Ceará (Centro Cultural Dragão do Mar de Arte e Cultura). Telefone: (85) 3488-8621
Entrada gratuita.


São Luís (MA)

Rob Silva trabalhou com pintura a óleo e pintura digital para compor as obras dessa exposição

Rob Silva trabalhou com pintura a óleo e pintura digital para compor as obras dessa exposição

Das 13 telas expostas na exposição 'Do Pincel ao Pixel', 5 são frutos de experimentos do artista paulista Rob Silva com pintura digital. Nas demais, a tinta a óleo predomina, provando que é absolutamente possível o diálogo entre a materialidade da tinta e as possibilidades artísticas do pixel. A necessidade de incluir o computador no processo criativo surgiu após a mudança do artista para São Luís-MA, onde passou a trabalhar em um apartamento menor do que seu ateliê em São Paulo. Com o computador, o artista não precisou mais condicionar sua criatividade à limitação espacial e dessa forma descobriu afinidades entre o digital e o analógico. É o resultado dessa pesquisa que o visitante vai encontrar na Sala Sesc de Exposições.

Tela de Rob Silva

Tela de Rob Silva

A mostra ocupa a Sala Sesc de Exposições

A mostra ocupa a Sala Sesc de Exposições

Exposição: Do Pincel ao Pixel
Artista: Rob Silva
Até 30 de junho, de segunda à sexta-feira, das 9h às 12h e das 13h às 17h
Local: Sala Sesc de Exposições (Condomínio Fecomércio Sesc/Senac)
Endereço: Av. dos Holandeses, s/n, Quadra 04, Jardim Renascença II. São Luís - Maranhão. Telefone: (98) 3216-3830
E-mail: galeriadeartesescma@gmail.com
Entrada gratuita.


Maceió (AL)

Piso superior do III Salão de Arte Contemporânea de Alagoas

Piso superior do III Salão de Arte Contemporânea de Alagoas

Sessenta artistas participam até 10 de julho do III Salão de Arte Contemporânea de Alagoas, que pela primeira vez também recebeu obras de artistas de outros estados. São dezenas de trabalhos, entre pinturas, gravuras, fotografias, desenhos e esculturas, ocupando os dois pavimentos do Complexo Cultural Teatro Deodoro. A exposição integra as atividades em comemoração aos 200 anos de emancipação política de Alagoas, que durante todo o ano estão movimentando a cena cultural do estado.

Obras da exposição. Em primeiro plano, a tela  'OSNIs' , de Suel Damasceno

Obras da exposição. Em primeiro plano, a tela 'OSNIs', de Suel Damasceno

'Samba' , óleo sobre tela de Cícera Dias

'Samba', óleo sobre tela de Cícera Dias

Destaque da obra  'A História do Filé'

Destaque da obra 'A História do Filé'

Exposição: III Salão de Arte Contemporânea de Alagoas
Artista: Coletiva
Até 10 de julho, de segunda à sexta-feira, das 8h às 18h e nas quartas-feiras, das 8h às 20h
Local: Complexo Cultural Teatro Deodoro
Endereço: Rua Barão de Maceió, s/n - Centro. Maceió - Alagoas. Telefone: (82) 3315-5660
Entrada gratuita.


João Pessoa (PB)

O amor sob nova perspectiva é uma das propostas de Everton David

O amor sob nova perspectiva é uma das propostas de Everton David

No mês dos namorados, o artista visual Everton David apresenta seu olhar sobre a lógica das relações afetivas contemporâneas na exposição 'Pegou Amor'. São 45 trabalhos, produzidos nos últimos dois anos, entre desenhos, colagens, pinturas, fotografias e sobreposições. Ainda há espaço para o ultrarromantismo no século XXI? Vai lá na Galeria de Arte da Usina Cultural Energisa e confira. Ah, não esqueça de levar o seu amor!

A exposição de Everton David é tão minuciosa quanto as relações afetivas

A exposição de Everton David é tão minuciosa quanto as relações afetivas

Everton David

Exposição: Pegou Amor
Artista: Everton David
Até 8 de julho, de terça-feira a domingo, das 14h às 20h
Local: Usina Cultural Energisa
Endereço: Rua João Bernardo de Albuquerque, 243, Tambiá. João Pessoa – Paraíba. Telefone: (83) 3221-6343
Entrada gratuita.


Recife (PE)

Obra de Lula Cardoso Ayres exposta na retrospectiva do artista

Obra de Lula Cardoso Ayres exposta na retrospectiva do artista

Talvez essa seja uma das exposições mais importantes do ano no Nordeste. A Caixa Cultural do Recife inaugurou uma mostra retrospectiva da obra de Lula Cardoso Ayres, um grande nome do modernismo brasileiro e uma das figuras mais icônicas das artes visuais em Pernambuco. Ao todo são 208 obras que revelam a trajetória do artista por diferentes técnicas, como a pintura a óleo, acrílica sobre cartão, aquarela, têmpera, entre outras. Visitação fundamental, tá?

Obras do artista modernista exploram o colorido e a vibração dos folguedos populares de Pernambuco

Obras do artista modernista exploram o colorido e a vibração dos folguedos populares de Pernambuco

Telas de Lula Cardoso Ayres evidenciam seu traço modernista

Telas de Lula Cardoso Ayres evidenciam seu traço modernista

Lula Cardoso Ayres

Exposição: Lula Cardoso Ayres: Arte, Região e Tempo
Artista: Lula Cardoso Ayres
Até 27 de agosto, de terça-feira a sábado, das 10h às 20h e aos domingos, das 10h às 17h
Local: Caixa Cultural Recife
Endereço: Avenida Alfredo Lisboa, 505, Bairro do Recife – Recife – Pernambuco. Telefone: (81) 3425-1915
Entrada gratuita


Teresina (PI)

Obra do artista paraense Éder Oliveira

Obra do artista paraense Éder Oliveira

Agora é a vez da capital piauiense receber a exposição 'Alistamento', que já foi destaque por aqui em abril, quando esteve em cartaz em São Luís-MA. O paraense Éder Oliveira apresenta ao público seu olhar artístico sobre o alistamento militar, em um processo de experimentação estética que aproximou fotografia, retrato, pintura e intervenção. A exposição abre ainda a 10ª edição da Mostra Sesc Amazônia das Artes em Teresina-PI.

A exposição  'Alistamento'  já passou por outros estados, inclusive o Maranhão

A exposição 'Alistamento' já passou por outros estados, inclusive o Maranhão

Éder Oliveira

Exposição: Alistamento
Artista: Éder Oliveira
Até 30 de junho, de segunda a sexta-feira, das 8h às 17h e aos sábados, das 9h às 13h Local: Casa da Cultura de Teresina
Endereço: Rua Rui Barbosa, 348, Centro, Teresina – Piauí. Telefone: (86) 3230-9910
Entrada gratuita.


Natal (RN)

'Maria',  de Larissa Freire

'Maria', de Larissa Freire

Quatro mulheres unidas pela arte notaram algo em comum quando decidiram formar o Coletivo Entre Elas: a condição da mulher na sociedade era uma constante nas obras produzidas. Então, elas resolveram abraçar de vez o tema e agora o coletivo expõe pela primeira vez o resultado desse trabalho, desenvolvido com técnicas variadas, como pastel, nanquim, aquarela e gel. Mas não se engane! Embora haja afinidades entre as artistas, cada uma traz seu próprio traço e sua própria perspectiva a respeito do universo feminino.

A exposição está em cartaz na Galeria de Arte  do IFRN Cidade Alta

A exposição está em cartaz na Galeria de Arte  do IFRN Cidade Alta

Mulheres admirando mulheres

Mulheres admirando mulheres

Galeria de Arte IFRN Cidade Alta

Exposição: Mulher, Mulheres, Simplesmente Mulher
Artista: Coletivo Entre Elas
Até 28 de junho, de segunda à sexta-feira, das 8h às 21h
Local: Galeria de Arte IFRN Cidade Alta
Endereço: Av. Rio Branco, 743, Cidade Alta. Natal – Rio Grande do Norte. Telefone: (84) 4005-0970
Entrada gratuita.


Aracaju (SE)

O Salão dos Novos há 26 anos é uma ótima oportunidade para novos talentos

O Salão dos Novos há 26 anos é uma ótima oportunidade para novos talentos

E pra terminar nosso giro cultural de junho, tem uma das mais importantes mostras artísticas de Sergipe! A 26ª edição do Salão dos Novos selecionou 50 obras de artistas que ainda não tiveram a oportunidade de realizar exposições individuais. É uma ótima oportunidade para revelar novos talentos! A escolha foi feita por um júri técnico, que analisou cerca de 80 obras inscritas por meio de edital. Das 50 selecionadas, as quatro 4 melhores foram premiadas em dinheiro. Entre os trabalhos estão pinturas a óleo, aquarela, desenhos e esculturas.

Trabalhos expostos na 26ª edição do Salão dos Novos

Trabalhos expostos na 26ª edição do Salão dos Novos

III Salão dos Novos

Exposições: 26ª Salão dos Novos
Artistas: Coletiva
Até 30 de junho, de segunda a sexta-feira, das 8h às 18h e aos sábados, das 9h às 13h
Local: Galeria de Arte Álvaro Santos
Endereço: Praça Olímpio Campos, s/n - Centro. Aracaju - Sergipe. Telefone: (79) 3179-1308
Entrada gratuita.

Giro cultural: 9 exposições em cartaz no Nordeste para visitar em maio

Maio já tá rolando e diversas exposições de arte estão em cartaz em todas as capitais do Nordeste! Algumas delas estão na reta final, enquanto outras foram abertas recentemente, mas o importante é sair da cadeira e visitar as exposições que estiverem mais perto de você. Como sempre, o Pigmum selecionou aquelas que são realmente imperdíveis!

E nesse mês o destaque vai pra uma exposição na Caixa Cultural de Fortaleza-CE, com gravuras do mestre surrealista Salvador Dalí, que faria aniversário em 11 de maio. Tem também uma exposição proibida para menores de 18 anos em Aracaju-SE, um painel de 8 metros em Recife-PE, além de mostras de desenho, pintura abstrata, poesia visual... E tudo gratuito, tá? Se liga aí:

Aracaju (SE)

Exposição de Flávio Antonini explora o lado lúdico e debochado das descobertas sexuais

Exposição de Flávio Antonini explora o lado lúdico e debochado das descobertas sexuais

Na capital sergipana, a dica é para maiores de 18 anos. O artista visual Flávio Antonini buscou inspiração em quadrinhos eróticos para explorar o inusitado das descobertas sexuais, tudo com muito deboche. O artista, autodidata e natural de Tobias Barreto (SE), buscou na memória a leitura da didática de educação sexual de Raul de Pólio, feita ainda na adolescência, e criou essas obras que misturam lições de biologia tradicional e excitação juvenil. A ideia é debater sexualidade e identidade de gênero, mas de maneira divertida e prazerosa.

As telas estão expostas na Galeria J. Inácio

As telas estão expostas na Galeria J. Inácio

flávio antonini
Trabalhos do sergipano Flávio Antonini

Trabalhos do sergipano Flávio Antonini

SERVIÇO:

Exposição: Didática Nada Instrutiva da Educação Sexual
Artista: Flávio Antonini
Até 31 de maio, das 9h às 17h
Local: Galeria J. Inácio
Endereço: Rua Dr. Leonardo Leite, s/n, Bairro 13 de Julho (anexo à Biblioteca Pública Epifânio Dória). Aracaju – Sergipe. Telefone: (79) 3179-1969
Entrada gratuita.


Fortaleza (CE)

Gravuras de Salvador Dalí para a edição comemorativa de 700 anos de nascimento de Dante

Gravuras de Salvador Dalí para a edição comemorativa de 700 anos de nascimento de Dante

Olha que presente especial Fortaleza ganhou justamente no mês de aniversário de Salvador Dalí! A cidade recebe 100 gravuras do mestre surrealista, que faria 113 anos no dia 11 de maio. As imagens foram produzidas entre as décadas de 1950 e 1960 para ilustrar uma edição especial comemorativa dos 700 anos de nascimento de Dante Alighieri (1265-1321), autor do épico poema 'A Divina Comédia', um dos maiores clássicos da literatura mundial. O trabalho foi encomendado pelo governo italiano da época. Imperdível!

O surrealismo de Salvador Dalí ainda ecoando nas gravuras

O surrealismo de Salvador Dalí ainda ecoando nas gravuras

salvador dalí

SERVIÇO:

Exposição: Dalí: A Divina Comédia
Artista: Salvador Dalí
Até 2 de julho, de terça-feira a sábado, das 10h às 20h e domingo, das 12h às 19h
Local: Caixa Cultural Fortaleza
Endereço: Av. Pessoa Anta, 287, Praia de Iracema. Fortaleza – Ceará. Telefone: (85) 3453-2770
Entrada gratuita.


João Pessoa (PB)

Exposição com trabalhos de 22 artistas está em cartaz na Galeria Lavandeira

Exposição com trabalhos de 22 artistas está em cartaz na Galeria Lavandeira

Está em cartaz a segunda edição do ‘Projeto Gorjeio’, iniciativa que busca estimular a produção artística dos estudantes de Artes Visuais da Universidade Federal da Paraíba (UFPB). Ao todo, 22 artistas participam dessa mostra coletiva, entre eles o Meiacor, que recentemente deu entrevista ao Pigmum sobre sua exposição individual na Galeria Archidy Picado. O 'Projeto Gorjeio II' fica aberta ao público até 20 de maio, na Galeria Lavandeira, localizada no Centro de Comunicação, Turismo e Artes (CCTA), na UFPB.

Trabalhos expostos na exposição coletiva

Trabalhos expostos na exposição coletiva

SERVIÇO:

Exposição: Projeto Gorjeio II
Artista: Coletiva
Até 20 de maio, de segunda à sexta-feira, das 8h às 16h
Local: Galeria Lavandeira
Endereço: Rua Vereador João Freire, 616 - Castelo Branco. João Pessoa - Paraíba (CCTA – UFPB). Telefone: (83) 3216-7143
E-mail: galerialavandeira@gmail.com
Entrada gratuita.
 


Maceió (AL)

Detalhe de uma obra de Daniel Contin

Detalhe de uma obra de Daniel Contin

O humor ácido do cartunista e ilustrador Daniel Contin ganha as paredes da Galeria de Artes do Sesc Centro, com desenhos que transitam pela crítica social, revelando as ironias de um cotidiano cada vez mais dinâmico e caótico. Mas cuidado pra não deixar passar as sutilezas que estão presentes no traço do artista, influenciado principalmente por quadrinhos undergrounds americanos.

Mural feito por Daniel Contin em uma das paredes da galeria, especialmente para a exposição

Mural feito por Daniel Contin em uma das paredes da galeria, especialmente para a exposição

SERVIÇO:

Exposição: Efêmera Sutileza do Caos
Artista: Daniel Contin
Até 31 de maio, de segunda à sexta-feira, das 12h às 18h
Local: Pinacoteca Universitária da Ufal
Endereço: Rua Barão de Alagoas, 229 - Centro. Maceió - Alagoas. Telefone: (82) 3201-1374 | 3201-1373
Entrada gratuita.


Natal (RN)

'Apartheid Soneto'  (1988), de Avelino de Araújo

'Apartheid Soneto' (1988), de Avelino de Araújo

Os sonetos de Avelino de Araújo são alguns de seus poemas visuais mais conhecidos

Os sonetos de Avelino de Araújo são alguns de seus poemas visuais mais conhecidos

Última semana para conferir a exposição 'Horizontem', que apresenta novos trabalhos do poeta visual Avelino de Araújo, mas também faz uma retrospectiva dos seus quase 30 anos em atividade. Avelino foi um representante ativo do movimento Arte Postal, que teve bastante repercussão no Rio Grande do Norte, com nomes que marcaram a poesia visual brasileira. Na exposição há obras impressas em livros, jornais e revistas do mundo todo, além de vídeos experimentais produzidos pelo artista, como esse 'Soneto nº 19', em vídeo:

SERVIÇO:

Exposição: Horizontem
Artista: Avelino de Araújo
Até 6 de maio, de terça-feira a domingo, das 9h às 17h
Local: Pinacoteca do Estado
Endereço: Avenida 7 de setembro, s/n, Cidade Alta. Natal – Rio Grande do Norte. Telefone: (84) 3232-9727
Entrada gratuita.
 


Recife (PE)

Novo painel de Tereza Costa Rêgo tem 8m x 2,2m e retrata uma cena histórica vivida durante a invasão holandesa

Novo painel de Tereza Costa Rêgo tem 8m x 2,2m e retrata uma cena histórica vivida durante a invasão holandesa

Em 1646, um grupo de mulheres defendeu o vilarejo de Tejucupapo, lutando contra tropas da ocupação holandesa nas proximidades de onde hoje se encontra o município de Goiana (PE). Esse episódio histórico acabou virando o tema do impressionante painel de 8m x 2,2 m que a artista visual pernambucana Tereza Costa Rêgo exibe agora na Torre Malakoff. A exposição 'Mulheres de Tejucupapo - Tributo a Goya' celebra os 88 anos da artista e também homenageia as famosas cenas de horror pintadas pelo espanhol Francisco Goya, no século XVII.

Detalhes do painel  'Mulheres de Tejucupapo'

Detalhes do painel 'Mulheres de Tejucupapo'

tereza costa rêgo

SERVIÇO:

Exposição: Mulheres de Tejucupapo – Tributo a Goya
Artista: Tereza Costa Rêgo
Visitação de terça à sexta-feira, das 10h às 17h, aos sábados, das 15h às 18h e aos domingos, das 16h às 19h30
Local: Torre Malakoff
Endereço: Praça do Arsenal, s/n, Bairro do Recife – Recife (PE).
Entrada gratuita
 


Salvador (BA)

Mazzoni buscou inspiração na cultura oriental para criar pinturas abstratas

Mazzoni buscou inspiração na cultura oriental para criar pinturas abstratas

chico mazzoni

Continua em cartaz na Capela do Museu de Arte Moderna da Bahia (MAM-BA) a exposição 'Retratos do Mundo Flutuante', do artista visual, cenógrafo, restaurador e arquiteto Chico Mazzoni. O artista, influenciado pela cultura japonesa, criou 31 quadros - de pintura acrílica sobre tela - que reinterpretam as linhas, as formas e as texturas tradicionais do país oriental, transitando entre o figurativo e o abstrato sob uma perspectiva contemporânea. Mas corra, porque a exposição só fica em cartaz até o próximo domingo! (7).

A exposição está em cartaz na Capela do MAM-BA

A exposição está em cartaz na Capela do MAM-BA

MAM-BA

SERVIÇO:

Exposição: Retratos do Mundo Flutuante
Artista: Chico Mazzoni
Até 7 de maio, de terça-feira a domingo, das 13h às 19h
Local: Capela do Museu de Arte Moderna da Bahia – MAM-BA
Endereço: Av Lafayete Coutinho, s/n, Largo Dois de Julho, Salvador – Bahia. Telefone: (71) 3117-6139
E-mail: ascom.mam@gmail.com
Entrada gratuita.


São Luís (MA)

A artista Raimunda Fortes está celebrando 20 anos de carreira com essa mostra

A artista Raimunda Fortes está celebrando 20 anos de carreira com essa mostra

Para comemorar os 20 anos de trajetória artística de Raimunda Fortes, a Sala Sesc de Exposições recebe a mostra 'Meu Caminho', com 12 pinturas abstratas de acrílico sobre tela. As obras foram produzidas entre 1997 e 2017 e traçam a retrospectiva da carreira da artista, que soma mais de 23 exposições individuais na bagagem, passando por várias cidades do país.

Obra abstrata de Raimunda Fortes, dividida em várias partes

Obra abstrata de Raimunda Fortes, dividida em várias partes

'Ciclos Vitais' , de Raimunda Fortes

'Ciclos Vitais', de Raimunda Fortes

SERVIÇO:

Exposição: Meu Caminho
Artista: Raimunda Fortes
Até 19 de maio, de segunda à sexta-feira, das 9h às 12h e das 13h às 17h
Local: Sala Sesc de Exposições (Condomínio Fecomércio Sesc/Senac)
Endereço: Av. dos Holandeses, s/n, Quadra 04, Jardim Renascença II. São Luís - Maranhão. Telefone: (98) 3216-3830
E-mail: galeriadeartesescma@gmail.com
Entrada gratuita.


Teresina (PI)

Obras de Artur Rios, que colocam os animais em situações tipicamente humanas

Obras de Artur Rios, que colocam os animais em situações tipicamente humanas

artur rios

Dobradinha de exposições em Teresina! Os artistas visuais Patrícia Neves e Artur Rios dividem o espaço do Sobrado com as exposições simultâneas 'Fases' e 'Zoomorfismo'. Ao todo, 22 obras compõem a mostra 'Fases', que explora a força da figura feminina. Patrícia Neves trabalhou, entre outras técnicas, com nanquim, aquarela e design gráfico. Já Artur Rios expõe um conjunto de pinturas que retrata animais como protagonistas de cenas tipicamente humanas, ressignificando espaços comuns ao nosso dia a dia.

As duas exposições estão em cartaz ao mesmo tempo no Sobrado, no Jóquei

As duas exposições estão em cartaz ao mesmo tempo no Sobrado, no Jóquei

Cartaz de divulgação da mostra  'Fases'

Cartaz de divulgação da mostra 'Fases'

Obra de Artur Rios presente na exposição

Obra de Artur Rios presente na exposição

SERVIÇO:

Exposições: ‘Fases’ e ‘Zoomorfismo’
Artistas: Patrícia Neves e Artur Rios
Até 31 de maio, de terça-feira a domingo, das 17h às 22h
Local: Sobrado
Endereço: Rua Darcy Araújo, 2049, Jóquei. Teresina - Piauí. Telefone: (86) 3304-3177
E-mail: nosobrado@gmail.com
Entrada gratuita.

ENTREVISTA | Ser artista na Paraíba: Guto Holanda e Américo Filho falam sobre suas exposições na Galeria Archidy Picado

Guto Holanda e Américo Filho são dois caras bastante criativos que trabalham com pintura, mas cada um seguindo seu próprio traço. Só que há exatamente 1 mês, os caminhos desses dois artistas se encontraram na Galeria Archidy Picado, em João Pessoa-PB, que recebe simultaneamente até o próximo dia 9 de maio as exposições ‘Cor de Dentro’ (Guto Holanda) e ‘Espera’ (Américo Filho, que também assina como Meiacor).

Os artistas Guto Holanda e Américo Filho (Meiacor)

Os artistas Guto Holanda e Américo Filho (Meiacor)

Mas esse encontro inusitado só foi possível porque as duas exposições foram selecionadas no edital de ocupação da galeria para 2017, publicado no final do ano passado.

E já que estamos na reta final do período de visitação dessas exposições, o Pigmum conversou com os dois artistas pra deixar aqui vários motivos que farão você visitar a galeria o quanto antes! Porque tá valendo muito a pena ir, viu?

As exposições de Guto Holanda e Meiacor ficam em cartaz até 9 de maio na Galeria Archidy Picado. Fotografias: Therles Silva

As exposições de Guto Holanda e Meiacor ficam em cartaz até 9 de maio na Galeria Archidy Picado. Fotografias: Therles Silva

espera archidy picado

Na entrevista, a gente falou sobre os processos criativos dos dois trabalhos, sobre a própria Galeria Archidy Picado, além das alegrias e desafios de ser artista na Paraíba. Mas chega de lero, lero e vamos ao que interessa:


Obra de Guto Holanda que integra a exposição  'Cor de Dentro'

Obra de Guto Holanda que integra a exposição 'Cor de Dentro'

Pigmum: Pra começar, vamos falar das exposições. Em ‘Cor de Dentro’, a ideia era despir as pessoas de suas próprias peles e enxergar as cores delas por dentro. Guto, você chegou a ‘se pintar’ também? Com quais cores Guto Holanda seria representado então?

Guto: A ideia central da exposição está voltada para a questão daquilo que não vemos, no caso, as cores, os tons... Na minha concepção, como artista e ser humano, há cores nas sensações, nos momentos, e como somos bombardeados de sensações, de sentimentos, as cores permeiam na atmosfera. Não vemos, mas sentimos. Em relação à qual cor me representaria vindo de dentro... acredito que tal cor estaria relacionada a algum momento, mas quase sempre tons mais leves, pastéis e rosados.

Pigmum: E você, Américo, por que intitular a exposição de ‘Espera’? À espera de que, afinal?

Américo: A série ‘Espera’ aborda a temática do tempo pelo viés psicológico. É essa dimensão temporal que nos envolve e que passa mais rápido ou mais devagar dependendo do nosso ânimo.

Pigmum: Seu trabalho costuma seguir vertentes mais lúdicas, né? Dá pra perceber pelos traços e pelas cores, que se aproximam muito dos quadrinhos e do cartoon. E você também sempre utiliza suportes variados, como ilustrações em livros, objetos de decoração e grandes murais. Mas nessa exposição você trouxe algo minimalista, com imagens mais sérias e em pequenas dimensões. O que houve?

Américo: Eu costumo trabalhar em várias vertentes. Faço parte de alguns coletivos também, como o Humor Aquoso, que é uma página de humor na internet. Tem o DIA, que já caminha pro lado da ilustração e do design. E tem também o Acervo 03, de graffiti. Então essa é umas das características do meu trabalho e de como encaro as artes. Nesse sentido, minha produção é bem diversa. Pra mim, ideia e forma têm que dialogar. Então a ideia da série ‘Espera’, que eu venho alimentando já há algum tempo, caminhou para esta forma visual, o que nem sempre é uma escolha racionalizada.

Para essa exposição, Américo usou madeira como suporte e pintou em pequenas dimensões, embora seja conhecido também por pintar grandes murais com  graffiti . Fotografia: Therles Silva

Para essa exposição, Américo usou madeira como suporte e pintou em pequenas dimensões, embora seja conhecido também por pintar grandes murais com graffiti. Fotografia: Therles Silva

Pigmum: Na exposição, as pinturas foram feitas sobre madeira. Foi a primeira vez que você usou esse suporte? O que muda do papel para a madeira, inclusive quanto às questões simbólicas envolvidas?

Américo: Eu já havia usado madeira como suporte, mas foi a primeira vez que usei madeira dessa forma, sem pintá-la completamente, deixando sua aparência natural. Quando iniciei a construção da ideia desta série não havia ainda pensado neste suporte. Comecei como sempre fazendo no papel, mas com um tempo achei que aquelas figuras envolvidas de vegetação precisavam de um suporte diferente do que eu costumo usar. Certo dia encontrei uns pedaços de madeira numa construção perto de casa, então peguei, guardei em casa, depois de algum tempo fiz um teste e gostei do resultado. As pinturas ganharam o corpo que mereciam.

Obras de Meiacor. Fotografia: Therles Silva

Obras de Meiacor. Fotografia: Therles Silva

meiacor

Pigmum: Que bacana. Realmente o resultado ficou bem interessante. Intrigante, até. Já em ‘Cor de Dentro’, a técnica utilizada foi a pintura sobre Eucatex. Guto, que outros materiais e suportes você costuma usar no seu trabalho e quais são os temas que te motivam?

Guto Holanda: Eu tenho utilizado o Eucatex na maioria dos meus trabalhos, mas utilizo outros suportes também, como papel, tela, madeira... Basicamente tenho trabalhado com pintura, mas aos poucos tenho sentido a necessidade de criar em outros seguimentos, talvez escultura ou instalações... Os temas que costumo pintar estão ligados aos relacionamentos humanos, com o meio onde sobrevive ou vive, com objetos, com as sensações, trazendo uma estética bastante ligada ao meio urbano, à desconstrução de formas e trazendo cores diversas, quase que intuitivamente.

Algumas obras da exposição  'Cor de Dentro' , de Guto Holanda. Fotografia:  Sandra Alves

Algumas obras da exposição 'Cor de Dentro', de Guto Holanda. Fotografia:  Sandra Alves

Pigmum: E vocês dois já se conheciam? Como está sendo a experiência de expor simultaneamente na galeria Archidy Picado?

Américo: A gente já se conhecia, sim, de outras exposições, inclusive. O Guto é um ‘caba bom’ e excelente pintor. Eu já tinha exposto na Archidy, mas como integrante do grupo DIA, não individualmente. E achei muito legal a ideia de exposições individuais simultâneas.

Guto: Pois é, apesar de serem duas exposições individuais, há um diálogo entre elas. É como sair de um filme e assistir outro, logo em seguida, falando de coisas diferentes, mas que se encontram. Essa foi minha primeira exposição na galeria e achei incrível expor ao lado de Meiacor. A gente se encontra em exposições, mas também em outros ambientes. Até na rua, na verdade, porque moramos bem próximos um do outro, no mesmo bairro.

Pigmum: E sobre a Galeria Archidy Picado, o que vocês mais gostam e o que precisa ser melhorado?

Américo: O espaço da galeria ficou muito bom depois da reforma. O que poderia mudar é o horário de funcionamento, que deveria funcionar também à noite.

Guto: Lá no Espaço Cultural José Lins do Rego acontecem muitos eventos no final da tarde e início da noite e justamente nesse horário a galeria está fechada [a galeria abre às 9h e fecha às 16h30]. Ao meu ver, seria um público interessante. No próprio prédio também não há sinalizações indicando onde fica a galeria. Acredito que tudo isso precisa ser melhorado, mas o espaço da galeria é muito interessante, sem falar na importância, em relação à credibilidade, que é expor numa das principais galerias da Paraíba, senão do Nordeste.

Guto Holanda diante de suas obras. Fotografia: Sandra Alves

Guto Holanda diante de suas obras. Fotografia: Sandra Alves

Pigmum: Guto, pra você, como é ser artista na Paraíba? Você é de São Paulo, mas já mora aqui no Nordeste há alguns anos. Quais são as principais diferenças que você sente?

Guto: Eu moro na Paraíba há seis anos. Na verdade, ser artista aqui é resistir a um cenário sem tanta visibilidade, em relação a outros estados, como São Paulo ou Rio de Janeiro. Lá o movimento artístico tem mais incentivos e visibilidade. Porém, essa resistência acaba tornando o fazer artístico cada vez mais enraizado, mais verdadeiro em relação ao que se acredita no trabalho. Como se a voz fosse aumentando a cada exposição, a cada composição. Ao mesmo tempo que algumas questões são mais complicadas, como mercado, por exemplo, aqui na Paraíba encontrei um cenário mais aberto à experimentação, ao novo, no sentido de criação.

Pigmum: E você, Américo, como se deu o interesse pela arte e como é o dia a dia de um artista na Paraíba? Você inclusive é formado em Artes Visuais pela Universidade Federal da Paraíba (UFPB), né?

Américo: Pelo que me lembro, eu sempre desenhei. Quando criança, era viciado em desenhos animados e costumava brincar de desenhar com meu irmão Gustavo. Resolvi fazer Artes porque era o curso que mais se aproximava do que eu gosto de fazer. Vivo uma vida normal. Tenho mulher e filho e um emprego fora das artes. Trabalho como ilustrador freelancer, também com graffiti, e no restante do tempo produzo meus trabalhos autorais, que são os que me dão mais satisfação.

Obra de Américo Filho para a série  'Espera' . Fotografia: Therles Silva

Obra de Américo Filho para a série 'Espera'. Fotografia: Therles Silva

Pigmum: E quando foi então que Américo Filho se tornou o artista Meiacor? Por que esse nome?

Américo: O nome Meiacor, que é anagrama de Américo, é minha tag de graffiti. Comecei a grafitar há aproximadamente 6 anos depois de muitos convites de Cybele Dantas (Cyber), que é artista visual e grafiteira.

Pigmum: Beleza, gente! Muito obrigado por esse bate-papo.

Guto: A gente que agradece o contato. Em breve, terei outras exposições. Esse ano ainda aqui em João Pessoa. Espero que você possa ir!

Américo: Até a próxima, cara!


Exposições: Cor de Dentro e Espera
Artistas: Guto Holanda e Américo Filho (Meiacor)
Até 9 de maio, de segunda-feira à domingo, das 8h às 16h30
Local: Galeria Archidy Picado (Espaço Cultural José Lins do Rêgo)
Endereço: Rua Abdias Gomes de Almeida, 800, Tambauzinho. João Pessoa - Paraíba. Telefone: (83) 3211-6296
Entrada Gratuita

SERVIÇO:

Vitória-ES e São Luís-MA recebem o maior festival de Arte e Tecnologia do Brasil

A essa altura você já deve saber que a arte pode ser muita coisa, inclusive high-tech, né? Então preparem-se para o maior festival de Arte e Tecnologia do Brasil! A partir desta terça-feira (18), Vitória-ES recebe o FILE – Festival Internacional de Linguagem Eletrônica, que desde o dia 5 de abril também está em cartaz em São Luís-MA. Queremos ir? Queremos.

Cartaz do FILE Vitória 2017: Toque Aqui

Cartaz do FILE Vitória 2017: Toque Aqui

Cartaz do FILE São Luís 2017: Não deixe essa onda passar

Cartaz do FILE São Luís 2017: Não deixe essa onda passar

Há 18 anos o FILE promove exposições, oficinas e encontros sobre Arte e Tecnologia, sempre com eventos anuais em São Paulo e exposições que já passaram por Curitiba-PR, Rio de Janeiro-RJ, Porto Alegre-RS, Belo Horizonte-MG e participações em eventos internacionais. Essa é a primeira vez que a exposição é realizada também no Nordeste, abrindo caminho para uma circulação maior do festival.

O Centro Cultural Vale Maranhão (CCVM), em São Luís. O prédio histórico foi reformado e abriga a exposição FILE 2017 na capital maranhense

O Centro Cultural Vale Maranhão (CCVM), em São Luís. O prédio histórico foi reformado e abriga a exposição FILE 2017 na capital maranhense

E o que é Arte e Tecnologia?

Desde que os computadores passaram a fazer parte das nossas vidas, muita coisa mudou, inclusive a arte. Pelo menos desde o final dos anos 1980, a aproximação entre arte, ciência e tecnologia tem se acentuado, gerando múltiplas possibilidades artísticas.

Inúmeros artistas do circuito nacional e internacional passaram a explorar as poéticas das tecnologias digitais, criando obras que utilizam essas tecnologias como ferramentas de produção, armazenamento, apresentação e difusão. Realidade virtual, hacktivismo, interatividade, impressão 3D, robótica, conectividade e realidade aumentada são outros campos de atuação que você jurava que só estava no dia a dia do pessoal de TI, mas que a arte contemporânea também está bastante interessada.

FILE Vitória 2017: Toque aqui

A obra  'The Night Café' , de Mac Cauley, recria digitalmente uma pintura famosa de Van Gogh

A obra 'The Night Café', de Mac Cauley, recria digitalmente uma pintura famosa de Van Gogh

Já tem muita gente produzindo Arte e Tecnologia no mundo todo e festivais como o FILE são instrumentos importantíssimos para dar visibilidade a esse fenômeno e gerar novos públicos. Em 2017, o FILE Vitória 2017: Toque aqui traz uma seleção de 8 instalações interativas, 4 games e 20 animações, de artistas de 15 países, entre eles Alemanha, Austrália, Eslováquia, México e Sérvia.

Entre as obras de realidade virtual com uso de óculos 3D, em ‘The Night Café’, de Mac Cauley (Estados Unidos), é possível explorar o mundo das pinturas de Van Gogh e até mesmo encontrar com o próprio pintor em uma versão animada. Dá uma olhada nessa vídeo:

Já na seleção de instalações, ‘Fated Ascent’, de Donald Abad (França), utiliza a tecnologia da realidade aumentada para criar um espaço em que os visitantes possam perceber a presença de outro visitante, virtualmente ligado a um amontoado de pedras. Para isso, basta ver esse amontoado através de um tablet ou de um smartphone. 

Em  'Fated Ascent' , de Donald Abad, a realidade aumentada amplia as possibilidades de uma instalação

Em 'Fated Ascent', de Donald Abad, a realidade aumentada amplia as possibilidades de uma instalação

fated ascent

Vê só que maravilhoso que é;

E se eu começar a falar aqui tudo que vai rolar por lá o dia termina e ninguém sai do canto. Portanto, se você está de passagem por Vitória-ES e São Luís-MA, vá hoje mesmo visitar as exposições. Como diz o cartaz do FILE São Luís 2017: não deixe essa onda passar!


SERVIÇO:

Exposição: FILE Vitória 2017: Toque aqui
Artista: Coletiva
Até 11 de junho, de terça-feira a domingo, das 10h às 20h
Local: Sesi Arte Galeria
Endereço: Av. Nossa Senhora da Penha, 2053 - Santa Lúcia. Vitória - Espírito Santo (Edifício Findes). Telefone: (27) 3334-5703
Entrada gratuita.
 

Exposição: FILE São Luís 2017: Não deixe essa onda passar
Artista: Coletiva
Até 4 de junho, de terça-feira a domingo, das 10h às 19h
Local: Centro Cultural Vale Maranhão
Endereço: Av. Henrique Leal, 149 - Centro. São Luís - Maranhão.
Entrada gratuita.
 

Canal Pigmum no YouTube está de volta! Inscreva-se!

Novidade no ar! O Canal Pigmum no Youtube está de volta! E pra marcar esse retorno eu fui até João Pessoa-PB conhecer a Estação Cabo Branco, que é um importante centro cultural projetado por Oscar Niemeyer e pronto para receber exposições de arte, entre outras diversas atividades.

Dê logo esse play e não esqueça de se inscrever no canal pra não perder nenhum vídeo! Veja também os vídeos anteriores. O Brasil está cheio de museus interessantes, visite eles comigo! 😊

Confira 5 exposições em cartaz no Recife para visitar em outubro

De volta ao Recife! E sempre vale a pena retornar aos bairros do centro e conferir a programação cultural da cidade. Se você estiver de passagem por Santo Antônio, São José, Boa Vista ou pelo Recife Antigo não deixe de visitar pelo menos uma dessas 5 exposições que ficam em cartaz no mês de outubro:

5º Prêmio Marcantonio Vilaça

marcantonio vilaça

A exposição é resultado do 5º Prêmio Marcantonio Vilaça para as Artes Visuais, promovido pelo CNI, SESI e SENAI, que selecionou 5 artistas de diferentes regiões do país para representar a diversidade da produção artística brasileira contemporânea. Entre as obras, há trabalhos em vídeo, fotografia, desenho e instalações. A mostra itinerante já passou por Brasília, Belo Horizonte, Rio de Janeiro, Curitiba e encerra seu ciclo no recife.

O trabalho de Virgínia de Medeiros com foto-pinturas digitais retrata moradores de rua que contam suas histórias em relatos emocionantes (Fotografia: Renato Medeiros Cordeiro)

O trabalho de Virgínia de Medeiros com foto-pinturas digitais retrata moradores de rua que contam suas histórias em relatos emocionantes (Fotografia: Renato Medeiros Cordeiro)

As memórias de Gê Orthof em suas instalações minimalistas   (Fotografia: Renato Medeiros Cordeiro)

As memórias de Gê Orthof em suas instalações minimalistas (Fotografia: Renato Medeiros Cordeiro)

Exposição: Mostra do 5º Prêmio Marcantonio Vilaça
Artista: Coletiva
Até 27 de novembro
Local: Museu de Arte Moderna Aloisio Magalhães (MAMAM)
Endereço: Rua da Aurora, 265, Boa Vista – Recife (PE)

Horário:
De terça à sexta-feira, das 12h às 18h
Sábados e domingos, das 13h às 17h
Entrada gratuita


Éxodos

Sebastião Salgado é reconhecido internacionalmente como um dos principais fotógrafos da atualidade (  Fotografia: Sebastião Salgado)

Sebastião Salgado é reconhecido internacionalmente como um dos principais fotógrafos da atualidade (Fotografia: Sebastião Salgado)

Durante seis anos, o premiado fotógrafo brasileiro Sebastião Salgado percorreu 40 países registrando o cotidiano de refugiados, vítimas de guerras e de repressão social, compondo um panorama do trânsito migratório da humanidade no final do século XX. Pessoas que, por motivos diversos e adversos, tiveram que abandonar suas terras. São 60 imagens divididas em 5 temas: África; Luta pela Terra; Refugiados e Migrados; Megacidades; e Retratos de Crianças. A exposição está circulando pelas unidades da Caixa Cultural espalhadas pelo país e fica em cartaz no Recife até o próximo dia 16.

Mulheres em trânsito   (  Fotografia: Sebastião Salgado)

Mulheres em trânsito (Fotografia: Sebastião Salgado)

O tráfego intenso de pessoas em uma estação indiana   (  Fotografia: Sebastião Salgado)

O tráfego intenso de pessoas em uma estação indiana (Fotografia: Sebastião Salgado)

Horário:
De terça-feira a sábado, das 10h às 20h
Aos domingos, das 10h às 17h
Entrada gratuita

Exposição: Êxodos
Artista: Sebastião Salgado

Até 16 de outubro
Local: Caixa Cultural Recife
Endereço: Avenida Alfredo Lisboa, 505, Bairro do Recife – Recife (PE)


OZI - 30 Anos de Arte Urbana no Brasil

O trabalho de OZI é cheio de ironia e deboche (Fotografia: Renato Medeiros Cordeiro)

O trabalho de OZI é cheio de ironia e deboche (Fotografia: Renato Medeiros Cordeiro)

Também na Caixa Cultural, a mostra celebra os 30 anos de carreira de OZI, um dos pioneiros da arte urbana no Brasil. As obras, cheias de deboche e ironia, mesclam símbolos da arte clássica com elementos da cultura pop, como personagens de desenho animado. Entre as técnicas utilizadas, se destacam principalmente os trabalhos em estêncil. Vale a pena também pela releitura da famosa latinha de sopa Campbell’s, de Andy Warhol, que na versão de OZI virou sopa de Chuchu ou Xuxu (sic).

O artista mistura símbolos da arte clássica com elementos da cultura pop (Fotografia: Renato Medeiros Cordeiro)

O artista mistura símbolos da arte clássica com elementos da cultura pop (Fotografia: Renato Medeiros Cordeiro)

Releitura de OZI para o ready-made de Andy Warhol

Releitura de OZI para o ready-made de Andy Warhol

Horário:
De terça-feira a sábado, das 10h às 20h
Aos domingos, das 10h às 17h
Entrada gratuita

Exposição: OZI – 30 Anos de Arte Urbana no Brasil
Artista: OZI

Até 20 de novembro
Local: Caixa Cultural Recife
Endereço: Avenida Alfredo Lisboa, 505, Bairro do Recife – Recife (PE)


O Corpo e Suas Escrituras

Roberto Lúcio trabalhou com fotografia e pintura em sua nova exposição

Roberto Lúcio trabalhou com fotografia e pintura em sua nova exposição

Já na Arte Plural Galeria, a nova exposição do paraibano Roberto Lúcio explora ao mesmo tempo a fotografia e a pintura. O artista fez intervenções em suas fotografias e algumas delas foram quase totalmente tomadas pela pintura. No centro das atenções está o corpo feminino, que exala erotismo ao interagir com objetos diversos, até mesmo com bolas de gude. 

O corpo feminino é o centro das atenções na nova mostra de Roberto Lúcio

O corpo feminino é o centro das atenções na nova mostra de Roberto Lúcio

roberto lúcio 3

Horário:
De terça à sexta-feira, das 13h às 19h
Aos sábados, das 16h às 20h
Entrada gratuita

Exposição: O Corpo e Suas Escrituras
Artista: Roberto Lúcio

Até 29 de outubro
Local: Arte Plural Galeria
Endereço: Rua da Moeda, 140, Bairro do Recife – Recife (PE). Telefone: (81) 3424-4431


Olhar a Ponte Que Nos Liga

Os delírios de Dom Quixote se misturam aos delírios do artista plástico Marcos Carvalho, nessa exposição que celebra os 400 anos de Miguel de Cervantes, criador do próprio Dom Quixote, personagem mais célebre da literatura espanhola. São 18 obras, entre quadros e esculturas, que visitam ainda os universos de outros artistas espanhóis, como Salvador Dalí, Picasso, Velásquez, Goya e Miró. A mostra, que é promovida em parceria com o Instituto Cervantes do Recife, e será aberta ao público no dia 26 de outubro.

A exposição de Marcos Carvalho entrará em cartaz no próximo dia 26

A exposição de Marcos Carvalho entrará em cartaz no próximo dia 26

Horário:
De terça à sexta-feira, das 10h às 18h
Aos sábados, das 15h às 18h
Aos domingos, das 15h às 19h
Entrada gratuita

 

Exposição: Olhar a Ponte Que Nos Liga
Artista: Marcos Carvalho

De 26 de outubro a 9 de novembro
Local: Torre Malakoff
Endereço: Praça do Arsenal, S/N, Bairro do Recife – Recife (PE)

Confira 9 exposições em cartaz no Nordeste pra te ajudar a celebrar o Dia Nacional das Artes

Hoje, 12 de agosto, o Brasil comemora o Dia Nacional das Artes, celebrando atividades artísticas como a pintura, o cinema, a música, a literatura, a dança e o teatro.

A data surgiu a partir do decreto de lei nº 82.385, de 5 de outubro de 1978, e a partir da Lei nº 6.533, de 24 de maio de 1978, que regulamentaram a profissão de Artista e de outros profissionais do trabalho artístico.

E que tal aproveitar o dia visitando uma exposição? Se você está no Nordeste, eu tenho algumas dicas para você! O Pigmum selecionou 9 mostras artísticas que estão em cartaz na região, uma em cada capital, que é pra todo mundo por aqui ter a oportunidade de curtir a data com muita arte! E o melhor, todas têm entrada gratuita. Confira:

Aracaju (SE)

Cenas de um dos vídeos que compõem a exposição 'Primeiras e Inéditas' do artista sergipano Alan Adi

Cenas de um dos vídeos que compõem a exposição 'Primeiras e Inéditas' do artista sergipano Alan Adi

A mostra de arte contemporânea ‘Primeiras e Inéditas’ está em cartaz na Galeria J. Inácio e reúne trabalhos antigos e mais recentes do artista sergipano Alan Adi, radicado em São Paulo. A exposição é composta por instalações e vídeos, que mesclam linguagens verbais e não verbais. Mas corra, porque a exposição só fica aberta até o dia 14 de agosto. Vá hoje mesmo!

alan adi 2
alan adi 3

Exposição: Primeiras e Inéditas
Artista: Alan Adi
Até 14 de agosto, das 9h às 17h
Local: Galeria J. Inácio
Endereço: Rua Dr. Leonardo Leite, s/n, Bairro 13 de Julho (anexo à Biblioteca Pública Epifânio Dória). Aracaju – Sergipe. Telefone: (79) 3179-1969

 

Serviço:


Fortaleza (CE)

A obra de Ivan Ferraro, além de versátil, é cheia de ironia (Fotografia: Renato Medeiros Cordeiro)

A obra de Ivan Ferraro, além de versátil, é cheia de ironia (Fotografia: Renato Medeiros Cordeiro)

A Multigaleria do Centro Dragão do Mar de Arte e Cultura recebe até 21 de agosto a exposição ‘Faz de Conta que Morri’, uma retrospectiva dos últimos 20 anos de carreira do artista cearense Ivan Ferraro, com trabalhos produzidos em Fortaleza e Berlim. São pinturas, desenhos, colagens, fotogramas e objetos em diversos meios e materiais que subvertem espaço e tempo.

(Fotografia: Luiz Alves)

(Fotografia: Luiz Alves)

(Fotografia: Renato Medeiros Cordeiro)

(Fotografia: Renato Medeiros Cordeiro)

O artista explora fotografia, pintura, desenho, instalação, sempre com uma perspectiva inusitada (Fotografia: Luiz Arraes)

O artista explora fotografia, pintura, desenho, instalação, sempre com uma perspectiva inusitada (Fotografia: Luiz Arraes)

Exposição: Faz de Conta que Morri
Artista: Ivan Ferraro
Até 21 de agosto, das 14h às 20h
Local: Multigaleria do Centro Dragão do Mar de Arte e Cultura
Endereço: Rua Dragão do Mar, 81, Praia de Iracema. Fortaleza – Ceará. Telefone: (85) 3488-8600

Serviço:


João Pessoa (PB)

A galeria Archidy Picado recebe a exposição do MAC, de Campina Grande (Fotografia: Thercles Silva)

A galeria Archidy Picado recebe a exposição do MAC, de Campina Grande (Fotografia: Thercles Silva)

Obras de diversos artistas das Américas estão em exposição na Galeria Archidy Picado, na mostra ‘Gravuras das Américas’, que fica em cartaz até 9 de setembro. São peças cedidas temporariamente pelo Museu Assis Chateaubriand (MAC), de Campina Grande, assinadas por artistas como Tomie Ohtake (Brasil), Arcângelo Ianelli (Brasil), Carlos Vergara (Brasil), Jorge Tacla (Chile), Kenneth Kemble (Argentina), Miguel Angel Rojas (Colômbia), Robert Goodnough (Estados Unidos), Santiago Cardenas (Colômbia) e Victor Hugo Irazabal (Venezuela).

'Pastoral', Reynaldo Fonseca (Brasil)

'Pastoral', Reynaldo Fonseca (Brasil)

'Fogo-Fátuo', de Daniel Senise (Brasil)

'Fogo-Fátuo', de Daniel Senise (Brasil)

Exposição: Gravuras das Américas
Artista: Coletiva
Até 9 de setembro, de segunda-feira à domingo, das 8h às 22h
Local: Galeria Archidy Picado (Espaço Cultural José Lins do Rêgo)
Endereço: Rua Abdias Gomes de Almeida, 800, Tambauzinho. João Pessoa - Paraíba. Telefone: (83) 3211-6296

Serviço:


Maceió (AL)

A exposição destaca as principais fases da carreira de Marta Arruda (Fotografia: Renato Medeiros Cordeiro)

A exposição destaca as principais fases da carreira de Marta Arruda (Fotografia: Renato Medeiros Cordeiro)

Está em cartaz na Pinacoteca da Universidade Federal de Alagoas (Ufal) a exposição ‘Marta Arruda - 30 Anos de Arte’, com a trajetória de uma das principais artistas de Alagoas a trabalhar com escultura. No acervo, além de esculturas, a gente encontra painéis de aço. Marta Arruda foi a primeira mulher em Alagoas a trabalhar com a técnica da soldagem. A exposição ainda recria o espaço de trabalho da artista, com seus equipamentos e materiais.

A obra que simboliza um farol, para guiar os visitantes logo na entrada da galeria (Fotografia: Renato Medeiros Cordeiro)

A obra que simboliza um farol, para guiar os visitantes logo na entrada da galeria (Fotografia: Renato Medeiros Cordeiro)

Marta Arruda durante o processo de montagem da mostra

Marta Arruda durante o processo de montagem da mostra

A reprodução do ateliê da artista compartilha ferramentas de trabalho (Fotografia: Renato Medeiros Cordeiro)

A reprodução do ateliê da artista compartilha ferramentas de trabalho (Fotografia: Renato Medeiros Cordeiro)

Exposição: Marta Arruda – 30 Anos de Arte
Artista: Marta Arruda
Até 9 de setembro, de segunda à sexta-feira, das 8h30 às 18h
Local: Pinacoteca Universitária da Ufal
Endereço: Praça Visconde de Sinimbu, 206, 1º piso - Centro. Maceió - Alagoas (Espaço Cultural Salomão de Barros Lima). Telefone: (82) 3214-1545 | 3214-1428
E-mail: pinaufal@gmail.com

Serviço:


Natal (RN)

Obra de Newton Navarro, um dos principais artistas plásticos do Rio Grande do Norte faz parte do acervo da Pinacoteca Potiguar

Obra de Newton Navarro, um dos principais artistas plásticos do Rio Grande do Norte faz parte do acervo da Pinacoteca Potiguar

A mostra transita por vários estilos que marcaram a arte potiguar nos últimos 100 anos

A mostra transita por vários estilos que marcaram a arte potiguar nos últimos 100 anos

Obra de Dorian Gray, ainda vivo,  é outro artista que marcou as artes visuais no RN

Obra de Dorian Gray, ainda vivo,  é outro artista que marcou as artes visuais no RN

Na Pinacoteca do Estado, está em cartaz a exposição coletiva ‘Caminhos da Arte Potiguar: séculos XX e XXI’, que reabriu ao público o acervo artístico permanente do governo do Rio Grande do Norte. São mais de 100 anos de história, com obras que contam muito sobre a arte potiguar. As peças foram distribuídas em salas temáticas, que abrangem a fase modernista, a arte cinética e ótica de Abraham Palatnik, a arte popular, o abstracionismo, a pintura naïf, entre outros estilos.

Exposição: Caminhos da Arte Potiguar: séculos XX e XXI
Artista: Coletiva
Até 31 de agosto, de terça-feira a domingo, das 9h às 17h
Local: Pinacoteca do Estado
Endereço: Avenida 7 de setembro, s/n, Cidade Alta. Natal – Rio Grande do Norte. Telefone: (84) 3232-9727

Serviço:


Recife (PE)

A Arte Plural Galeria recebe a nova exposição de Carlos Pragana, com título inspirado na obra de Fernando Pessoa

A Arte Plural Galeria recebe a nova exposição de Carlos Pragana, com título inspirado na obra de Fernando Pessoa

‘Tudo é ousado para quem nada se atrave’. Essa frase, de autoria do poeta português Fernando Pessoa, intitula a nova exposição individual do artista plástico pernambucano Carlos Pragana. Para o artista, que iniciou a carreira há 17 anos, a ousadia faz parte de seu trabalho, que consegue, ao mesmo tempo, oscilar entre o monocromático e as cores mais vivas. São 8 pinturas, 10 desenhos e um painel de 3m x 4,3m com desenhos, pinturas e técnicas mistas, sempre trilhando um caminho entre o estilo figurativo e a arte abstrata.

A arte de Pragana, autodidata, transita entre o figurativo e o abstrato

A arte de Pragana, autodidata, transita entre o figurativo e o abstrato

pragana 3
O artista também trabalha com cores monocromáticas

O artista também trabalha com cores monocromáticas

Exposição: Tudo é ousado para quem nada se atrave
Artista: Carlos Pragana
Até 17 de setembro, de terça à sexta-feira, das 13h às 19h e aos sábados, das 16h às 20h
Local: Arte Plural Galeria
Endereço: Rua da Moeda, 140, Recife Antigo. Recife – Pernambuco. Telefone: (81) 3424-4431

Serviço:


Salvador (BA)

O premiado artista Samuel Casal está com exposição em cartaz na galeria RV Cultura e Arte

O premiado artista Samuel Casal está com exposição em cartaz na galeria RV Cultura e Arte

Em Salvador, o destaque vai para a exposição ‘Exótica’, de Samuel Casal, conhecido por seus trabalhos em entalhe, xilogravura e desenho editorial. Casal já teve trabalhos expostos e publicados em diversos países e, recentemente, venceu o prêmio Jabuti, pelas ilustrações do livro Dom Quixote (Companhia das Letras) e assinou os relevos presentes na abertura da novela ‘Velho Chico’ (Rede Globo). A mostra ‘Exótica’ é composta de painéis entalhados com gôivas, técnica utilizada na construção da matriz da xilogravura, e pintados com processos experimentais desenvolvidos pelo próprio artista.

Excerto do material de divulgação da mostra

Excerto do material de divulgação da mostra

Casal explora o entalhe em madeira criando peças de muita personalidade

Casal explora o entalhe em madeira criando peças de muita personalidade

samuel casal 3

Exposição: Exótica
Artista: Samuel Casal
Até 10 de setembro, de segunda à sexta-feira, das 10h às 18h e aos sábados, das 10h às 16h
Local: RV Cultura e Arte
Endereço: Avenida Cardeal da Silva, 158, Rio Vermelho. Salvador – Bahia. Telefone: (71) 3347-4929
E-mail: rvculturaearte@gmail.com

Serviço:


São Luís (MA)

A arte de Tita do Rêgo Silva fica em cartaz no MHAM até 30 de agosto

A arte de Tita do Rêgo Silva fica em cartaz no MHAM até 30 de agosto

A Galeria Floriano Peixoto, no Museu Histórico e Artístico do Maranhão (MHAM), recebe até o dia 30 de agosto a exposição ‘Imagens, Ficções e Memórias do Exílio’, de Tita do Rêgo Silva. É a primeira mostra individual da artista em São Luís, que desde 1988 vive em Hamburgo, na Alemanha. São 50 xilogravuras cheias de cores, que dão vida a criaturas híbridas, bichos e figuras excepcionais extraídas de sua infância, de contos folclóricos e de elementos religiosos de matrizes africanas e católicas.

A artista introduz elementos folclóricos em sua obra, sempre com cores vivas, usando a técnica da xilogravura.

A artista introduz elementos folclóricos em sua obra, sempre com cores vivas, usando a técnica da xilogravura.

tita do rego silva 3

Exposição: Imagens, Ficções e Memórias do Exílio
Artista: Tita do Rêgo Silva
Até 30 de agosto, de terça à sexta-feira, das 9h às 18h e aos sábados, das 9h às 16h
Local: Galeria Floriano Peixoto (Museu Histórico e Artístico do Maranhão)
Endereço: Rua do Sol, 302, Centro. São Luís - Maranhão. Telefone: (98) 3218-9920
E-mail: mham@cultura.ma.gov.br

Serviço:


Teresina (PI)

'O Café' (1934), uma das telas mais conhecidas de Cândido Portinari, está presente na mostra

'O Café' (1934), uma das telas mais conhecidas de Cândido Portinari, está presente na mostra

Os piauienses têm a oportunidade de conferir, até o dia 31 de agosto, 25 reproduções de imagens de Cândido Portinari (1903 – 1962), um dos artistas mais importantes do país. A exposição ‘Trabalho e Jogo’ faz parte do projeto ArteSesc e está em cartaz na Casa da Cultura. As reproduções fotográficas abordam o trabalho e a brincadeira, como temas recorrentes na obra do artista. Entre as imagens estão os trabalhos: ‘Lavadeiras’, ‘O Sapateiro de Brodowski’, ‘Grupo de Meninas Brincando’ e ‘Menino com Pião’.

‘O Sapateiro de Brodowski’ (1941)

‘O Sapateiro de Brodowski’ (1941)

‘Grupo de Meninas Brincando’ (1940)

‘Grupo de Meninas Brincando’ (1940)

Exposição: Trabalho e Jogo
Artista: Cândido Portinari (reproduções fotográficas)
Até 31 de agosto, de segunda à sexta-feira, das 8h às 17h
Local: Casa da Cultura
Endereço: Rua Rui Barbosa, 348, Praça Saraiva, Centro. Teresina - Piauí. Telefone: (86) 3215-7849
E-mail: casadaculturateresina@live.com

Serviço: