Pigmum

arte e outros riscos

Filtering by Tag: arte

5 exposições de arte para quem vai viajar pela América do Sul nas férias de julho

As férias de julho estão aí e é tempo de viajar! E já que o recesso de meio de ano acaba sendo mais curto (assim como a grana, em plena crise financeira), nem sempre dá pra fazer aquele tour dos sonhos pelas pirâmides do Egito ou pelos museus da Europa. Por isso, muita gente prefere aproveitar o inverno curtindo o friozinho em um dos países da América do Sul, o que também acaba sendo uma experiência bastante enriquecedora e mais ace$$ível.

Pra te ajudar na programação cultural do seu rolé, o Pigmum selecionou 5 exposições de arte imperdíveis, em cartaz nas capitais sul-americanas preferidas dos brasileiros. Então já vá treinando seu portuñol e boa viagem!


Bogotá - Colômbia

Um homem contempla a obra do fotógrafo Cartier-Bresson. Fotografia: Mikael Moreira

Um homem contempla a obra do fotógrafo Cartier-Bresson. Fotografia: Mikael Moreira

Se você estiver na capital colombiana o bairro histórico La Candelaria é passagem obrigatória! E entre tantos museus e igrejas do local, está o Museu de Arte Miguel Urrutia (MAMU), que atualmente recebe a primeira exposição do fotógrafo francês Henri Cartier-Bresson em território colombiano. São mais de 130 imagens, produzidas entre 1926 e 1979, que refletem a evolução do trabalho deste homem que é considerado o pai do fotojornalismo moderno. Cartier-Bresson percorreu o mundo com sua câmera e retratou como poucos o século XX. A exposição integra as atividades do ano Colômbia-França 2017.

Um instante parisiense capturado pela câmera de Cartier-Bresson

Um instante parisiense capturado pela câmera de Cartier-Bresson

A sede  do MAMU, integrante do Museu Banco de La República

A sede  do MAMU, integrante do Museu Banco de La República

Nacho Aguirre, Santa Clara, México (1934). Fotografia: Cartier-Bresson

Nacho Aguirre, Santa Clara, México (1934). Fotografia: Cartier-Bresson

Exposição: Henri Cartier-Bresson Fotógrafo
Artista: Henri Cartier-Bresson
Até 28 de agosto, de segunda a sábado, das 9h às 18h30 e aos domingos e feriados, das 10h às 16h30. Fechado às terças-feiras.
Local: Museu de Arte Miguel Urrutia (MAMU)
Endereço: Calle 11, #4 - 14, La Candelaria. Bogotá – Colômbia. (Museu Banco de La República)
Entrada gratuita.

SERVIÇO:


Buenos Aires - Argentina

À esquerda:  'Apaporu' , de Tarsila do Amaral. O quadro símbolo da arte moderna brasileira pertence ao acervo permanente do Malba e está em cartaz na exposição ' Verboamérica'

À esquerda: 'Apaporu', de Tarsila do Amaral. O quadro símbolo da arte moderna brasileira pertence ao acervo permanente do Malba e está em cartaz na exposição 'Verboamérica'

Para celebrar seu 15º aniversário, o Museu de Arte Latino-Americana de Buenos Aires (Malba) montou uma exposição especial com obras de sua coleção permanente. A mostra rompe com a linha cronológica clássica da história da arte e propõe uma reorganização da arte latino-americana com base em 8 núcleos temáticos. São 170 obras de diferentes períodos históricos que se aprofundam em questões fundamentais à experiência artística na América Latina, como a antropofagia, o indigenismo, a negritude e o neoconcretismo. No acervo, o visitante vai encontrar obras de Frida Kahlo, Antonio Berni, Di Cavalcanti e o clássico ‘Abaporu’, de Tarsila do Amaral.

Entrada da exposição  'Verboamérica'

Entrada da exposição 'Verboamérica'

O Malba possui um acervo diversificado de arte latino-americana

O Malba possui um acervo diversificado de arte latino-americana

As obras mais conhecidas do artista argentino Antonio Berni também fazem parte do acervo e estão em exibição

As obras mais conhecidas do artista argentino Antonio Berni também fazem parte do acervo e estão em exibição

Exposição: Verboamérica – Colección Malba
Artista: Coletiva
Exposição de longa duração, de quinta a segunda-feira, das 12h às 20h e às quartas-feiras, das 12h às 21h. Fechado às terças-feiras.
Local: Museu de Arte Latino-Americana de Buenos Aires (Malba)
Endereço: Av. Figueroa Alcorta, 3415, Palermo. Buenos Aires - Argentina.
Entrada: $100 (R$ 18,92)

SERVIÇO:


Lima - Peru

Obras em cerâmica da cultura Nazca

Obras em cerâmica da cultura Nazca

Em 1927, o arqueólogo Paul Kosok sobrevoou a região de Nazca, no Peru, e descobriu gigantescas imagens traçadas sobre aquele território desértico. Desde então, a cultura da civilização pré-hispânica que ocupava essa localidade cerca de 1.500 anos atrás tem levantado a curiosidade do mundo todo. Agora, numa parceria com o Museu Rietberg, da Suíça, o Museu de Arte de Lima apresenta a maior exposição já dedicada à essa civilização, com uma coleção de 300 peças, entre cerâmica, tecido e objetos de metal. A exposição conta ainda com recursos tecnológicos, como vídeos, projeções, animações, mapping, composições musicais e simulação 3D.

Peça em tecido da cultura Nazca

Peça em tecido da cultura Nazca

A fachada do Museu de Arte de Lima, em estilo neoclássico

A fachada do Museu de Arte de Lima, em estilo neoclássico

O interior do museu

O interior do museu

A cultura Nazca segue despertando a curiosidade até hoje

A cultura Nazca segue despertando a curiosidade até hoje

Nasca - MALI

Exposição: Nasca
Curadoria: Cecilia Pardo (MALI) e Peter Fux (Museu Rietberg)
Até 1º de outubro, de terça-feira a domingo, das 10h às 19h e aos sábados, das 10h às 17h.
Local: Museu de Arte de Lima (MALI)
Endereço: Paseo Colón, 125, Parque de la Exposición. Lima – Peru.
Entrada: S/ 30 (R$ 29,53) 

SERVIÇO:
 


Montevidéu - Uruguai

Visitantes em uma das salas do MNAV

Visitantes em uma das salas do MNAV

Se você quer conhecer a fundo a produção artística uruguaia, então o Museu Nacional de Artes Visuais (MNAV) de Montevidéu é o lugar certo. O museu conta com a coleção mais importante e representativa do patrimônio artístico do país, com mais de 6 mil obras de arte, desde as últimas décadas do século XIX até nossos dias. Nessa exposição de longa duração, o visitante vai encontrar um recorte desse acervo e tem acesso a diferentes momentos da formação da arte uruguaia, com raízes na tradição europeia.

Entrada do MNAV, no Parque Rodó

Entrada do MNAV, no Parque Rodó

Obras do acervo permanente do museu

Obras do acervo permanente do museu

'Recreo'  (1924), óleo sobre tela de Petrona Viera

'Recreo' (1924), óleo sobre tela de Petrona Viera

'Pintura Construtivista'  (1929), de Joaquín Torres García

'Pintura Construtivista' (1929), de Joaquín Torres García

Exposição: Colección MNAV
Artista: Coletiva
Até 31 de dezembro, de terça-feira a domingo, das 14h às 19h.
Local: Museu Nacional de Artes Visuais (MNAV)
Endereço: Tomás Giribaldi, 2283, esq. Julio Herrera y Reissig, Parque Rodó. Montevidéu – Uruguai.
Entrada gratuita.

SERVIÇO:


Santiago - Chile

Símbolos de grupos extremistas da América do Sul em exposição no MAVI

Símbolos de grupos extremistas da América do Sul em exposição no MAVI

O artista chileno Arturo Duclos ocupa o Museu de Artes Visuais (MAVI) de Santiago e a Plaza Mulato Gil de Castro com uma grande exposição que explora o sentido político das utopias, contrastando os ideais dos diferentes grupos revolucionários da América Latina no século XX. O artista, que já tem mais de 30 anos de carreira, exibe pinturas, desenhos, esculturas, instalação e vídeo em um total de 5 áreas temáticas. As obras revisitam o espírito de luta de grupos que impuseram suas convicções principalmente através da força armada e do terrorismo, como Tupamaros (Uruguai), FARC (Colômbia), EZLN (México), FPMR (Chile), MRTA (Peru) e Movimiento 26 de Julio (Cuba).

Escultura de Arturo Duclos

Escultura de Arturo Duclos

A proposta do artista explora linguagens artísticas variadas como a instalação

A proposta do artista explora linguagens artísticas variadas como a instalação

O artista faz um contraponto entre os diferentes grupos guerrilheiros que surgiram na América Latina ao longo do século XX

O artista faz um contraponto entre os diferentes grupos guerrilheiros que surgiram na América Latina ao longo do século XX

Exposição: El fantasma de la utopia
Artista: Arturo Duclos
Até 20 de agosto, de terça-feira a domingo, das 11h às 18h30
Local: Museu de Artes Visuais (MAVI)
Endereço: Calle José Victorino Lastarria, 307, Plaza Mulato Gil De Castro. Santiago – Chile.
Entrada gratuita.

SERVIÇO:


Bônus: São Paulo - Brasil

MASP abriga a maior exposição já feita no Brasil sobre o artista francês Toulouse-Lautrec

MASP abriga a maior exposição já feita no Brasil sobre o artista francês Toulouse-Lautrec

E pra quem vai viajar por aqui mesmo, a dica é ir até São Paulo-SP e conferir a maior exposição já feita no Brasil sobre a obra do francês Toulouse-Lautrec, um dos mais importantes artistas europeus da virada do século XIX para o século XX, decisivo para a arte moderna e um dos pioneiros do design gráfico e do uso de cartaz para a publicidade. São 75 obras e 50 documentos que retratam personagens burgueses, boêmios, trabalhadores, dançarinas e artistas que conviviam em Paris e que fizeram parte do círculo afetivo e artístico do artista. Mais uma grande exposição do Museu de Arte de São Paulo (MASP), que já vale a visita só pela sua importância arquitetônica.

Um dos cartazes mais famosos de Toulouse-Lautrec

Um dos cartazes mais famosos de Toulouse-Lautrec

Visitantes contemplam obra de Toulouse-Lautrec no MASP

Visitantes contemplam obra de Toulouse-Lautrec no MASP

Fachada do MASP, símbolo de São Paulo

Fachada do MASP, símbolo de São Paulo

Exposição: Toulouse-Lautrec em Vermelho
Artista: Henri de Toulouse-Lautrec
Até 1º de outubro, de segunda-feira a domingo, das 10h às 18h e nas quintas-feiras, das 10h às 20h
Local: Museu de Arte de São Paulo (MASP)
Endereço: Av. Paulista, 1578, Bela Vista. São Paulo – Brasil.
Entrada: R$ 30 e R$ 15 (estudantes, professores e maiores de 60 anos)
 

SERVIÇO:

30 obras para celebrar os 110 anos de Frida Kahlo

Se alguma vez na vida você já se deparou com a imagem de uma mulher usando longas saias, xales, arranjos florais na cabeça e ostentando uma monocelha, não tenha dúvidas, você esteve diante de uma imagem de Frida Kahlo ou diante de uma representação simbólica dessa grande artista mexicana, que estaria completando 110 anos hoje. Para comemorar, o Pigmum selecionou 30 de suas pinturas, porque é sempre bom divulgar e enaltecer uma alma artística irrequieta como a dela. Confira:

1 - 'As Duas Fridas' (1939)

1 - 'As Duas Fridas' (1939)

2 - 'Autorretrato com Colar de Espinhos e Beija-flor' (1944)

2 - 'Autorretrato com Colar de Espinhos e Beija-flor' (1944)

3 - 'Autorretrato com Bonito' (1941)

3 - 'Autorretrato com Bonito' (1941)

É preciso ser muito outsider para não saber quem é Frida Kahlo nos dias de hoje, já que nas últimas décadas sua popularidade cresceu vertiginosamente, consolidando seu status de ícone. Sua imagem é tão frequente em nosso cotidiano quanto as de Che Guevara, Marilyn Monroe ou Bob Marley.

Sua autenticidade e personalidade forte têm sido fonte de inspiração para mulheres do mundo todo. Hoje, Frida Kahlo é um símbolo de empoderamento feminino, de mulher latina, de luta e de resistência, inclusive artística. Ela é uma das poucas pintoras com tamanho reconhecimento mundial.

4 - 'Hospital Henry Ford' (1932)

4 - 'Hospital Henry Ford' (1932)

5 - Autorretrato na fronteira entre o México e os Estados Unidos' (1932)

5 - Autorretrato na fronteira entre o México e os Estados Unidos' (1932)

6 - 'A Coluna Partida' (1944)

6 - 'A Coluna Partida' (1944)

7 - 'Diego e Eu' (1949)

7 - 'Diego e Eu' (1949)

8 - 'Autorretrato com cabelo cortado' (1940)

8 - 'Autorretrato com cabelo cortado' (1940)

9 - 'Retrato de Luther Burbank' (1931)

9 - 'Retrato de Luther Burbank' (1931)

10 - 'Umas Facadinhas de Nada' (1935)

10 - 'Umas Facadinhas de Nada' (1935)

Sua trágica história de vida se confunde com sua produção artística, marcada pela representação pictórica de cenas autobiográficas, incluindo seu casamento conturbado com o também renomado pintor mexicano Diego Rivera.

É comum a romantização da relação tempestuosa dos dois, mas também cresce o entendimento de que Frida, na verdade, foi mais uma vítima do machismo que rege relacionamentos abusivos. E é por isso também que a empatia por essa mulher só cresce a cada dia. Para além da arte, Frida Kahlo se tornou também uma inspiração política.

11 - 'Veado Ferido' (1946)

11 - 'Veado Ferido' (1946)

12 - 'Autorretrato com cabelo solto' (1947)

12 - 'Autorretrato com cabelo solto' (1947)

13 - 'Autorretrato com Tehuana' (1943)

13 - 'Autorretrato com Tehuana' (1943)

14 - 'Mosè o Nucleo solare' (1945)

14 - 'Mosè o Nucleo solare' (1945)

15 - 'Mi Nana y Yo' (1937)

15 - 'Mi Nana y Yo' (1937)

16 - 'Autorretrato com Pequeno Macaco' (1945)

16 - 'Autorretrato com Pequeno Macaco' (1945)

17 - 'Fulang-Chang e eu' (1937)

17 - 'Fulang-Chang e eu' (1937)

Porém, embora a própria artista tenha dito que seu marido foi o grande acidente de sua vida, ele não foi o único! Quando criança, Frida contraiu poliomielite - a famosa paralisia infantil -, fato que reverberou por toda a sua vida, uma vez que ela teve que conviver com uma lesão no pé direito. Vem daí a razão pelo uso de longas saías e calças.

18 - 'Nascimento' (1932)

18 - 'Nascimento' (1932)

19 - 'O Sonho (A Cama)' (1940)

19 - 'O Sonho (A Cama)' (1940)

Já aos 18 anos, a jovem foi vítima de um acidente de trânsito envolvendo a colisão entre um bonde e um trem. O acidente obrigou Frida a se submeter a cirurgias, longos períodos acamada e ao uso contínuo de coletes ortopédicos. Ela nunca mais foi a mesma e começou a pintar justamente enquanto se recuperava.

20 - 'O Marxismo dará saúde aos doentes' (1954)

20 - 'O Marxismo dará saúde aos doentes' (1954)

21 - 'Árvore da Esperança' (1946)

21 - 'Árvore da Esperança' (1946)

22 - 'Frieda e Diego Rivera' (1933)

22 - 'Frieda e Diego Rivera' (1933)

23 - 'Garota com a Máscara da Morte (Ela brinca sozinha)' 1938

23 - 'Garota com a Máscara da Morte (Ela brinca sozinha)' 1938

24 - Abraço do amor do universo' (1949)

24 - Abraço do amor do universo' (1949)

Em suas obras, se destacam o autorretrato, a presença de elementos da cultura mexicana, o traço que remete à pintura naïf e a melancolia. Para Frida Kahlo, conviver com a dor física e emocional era uma constante e isso transparecia em sua arte. Sua produção chegou a ser classificada como surrealista, título que nunca foi aceito pela artista. Nas palavras dela:

Pensavam que eu era uma surrealista, mas eu não era. Nunca pintei sonhos. Pintava a minha própria realidade.
— Frida Kahlo
25 - 'Retrato de minha irmã Cristina' (1928)

25 - 'Retrato de minha irmã Cristina' (1928)

26 - 'Retrato de Dona Rosita Morillo' (1944)

26 - 'Retrato de Dona Rosita Morillo' (1944)

27 - 'O Sol e a Vida' (1947)

27 - 'O Sol e a Vida' (1947)

28 - 'O que a água me deu' (1938)

28 - 'O que a água me deu' (1938)

29 - 'The Deceased Dimas' (1937)

29 - 'The Deceased Dimas' (1937)

30 - 'Sem Esperança' (1945)

30 - 'Sem Esperança' (1945)

Que as cores de Frida Kahlo estejam sempre presentes!

Giro cultural: as melhores exposições no Nordeste para conferir até o fim de junho

Já estamos na reta final do mês do São João e tem muita exposição de arte em cartaz que só está esperando a sua visita pra também ser encerrada. Portanto, antes que a fogueira se apague, corra até a mostra mais próxima a você! Como de costume, o Pigmum selecionou uma exposição em cada capital do Nordeste pra te ajudar a se programar. Confira:

Salvador (BA)

Duas crianças Saarauis correndo pelo deserto do Saara

Duas crianças Saarauis correndo pelo deserto do Saara

Nuvens no mar do Caribe após passagem de furacão

Nuvens no mar do Caribe após passagem de furacão

O vento é o elemento que aproxima duas realidades completamente diferentes nesta exposição fotográfica. De um lado, o fotógrafo Rogério Ferrari reuniu imagens feitas em 2008 no Saara Ocidental, com registros do povo Saaraui, que vive refugiado em uma região contestada pelo Marrocos; do outro lado, as fotografias de Simone Carvalho apresentam o céu do Caribe após a passagem de um furacão, em setembro de 2015. Dois contextos distintos unidos por uma beleza incontestável!

A exposição está em cartaz na galeria RV Cultura e Arte

A exposição está em cartaz na galeria RV Cultura e Arte

O povo Sarraui habita uma região desértica ocupada há décadas pelo Marrocos

O povo Sarraui habita uma região desértica ocupada há décadas pelo Marrocos

Vista aérea do Caribe

Vista aérea do Caribe

Exposição: O Espaço Vento
Artistas: Rogério Ferrari e Simone Carvalho
Até 1º de julho, de segunda à sexta-feira, das 10h às 18h e aos sábados, das 10h às 16h
Local: RV Cultura e Arte
Endereço: Av. Cardeal da Silva, 158, Rio Vermelho. Salvador - Bahia. Telefone: (71) 3347-4929
Entrada gratuita.


Fortaleza (CE)

O cineasta americano Orson Welles (sentado) durante passagem pelo Ceará, em 1942. Fotografia: Chico Albuquerque

O cineasta americano Orson Welles (sentado) durante passagem pelo Ceará, em 1942. Fotografia: Chico Albuquerque

E tem mostra fotográfica também na capital cearense. São as últimas semanas da exposição 'O fotógrafo Chico Albuquerque, 100 Anos', que comemora o centenário deste cearense que foi um dos responsáveis por projetar nacionalmente a costa marítima do estado. Em 1942, Chico Albuquerque acompanhou o cineasta americano Orson Welles ('Cidadão Kane') durante as gravações de um documentário sobre quatro jangadeiros. Infelizmente, o filme permaneceu inacabado, mas virou história. Em abril, foi destaque na edição deste ano do maior festival de artes do Ceará, a Maloca Dragão. Essa exposição, com mais de 400 imagens, abriu o festival e continua em cartaz desde então. Se você ainda não viu, corra pra ver!

Fotos do ensaio  'Mucuripe' , responsável por projetar nacionalmente a costa cearense

Fotos do ensaio 'Mucuripe', responsável por projetar nacionalmente a costa cearense

Chico Albuquerque

Exposição: O Fotógrafo Chico Albuquerque, 100 Anos
Artista: Chico Albuquerque
Até 2 de julho, de terça à sexta-feira, das 9h às 19h e aos sábados, domingos e feriados, das 14h às 21h
Local: Museu de Arte Contemporânea do Ceará - MAC-CE
Endereço: Rua Dragão do Mar, 81 - Praia de Iracema. Fortaleza - Ceará (Centro Cultural Dragão do Mar de Arte e Cultura). Telefone: (85) 3488-8621
Entrada gratuita.


São Luís (MA)

Rob Silva trabalhou com pintura a óleo e pintura digital para compor as obras dessa exposição

Rob Silva trabalhou com pintura a óleo e pintura digital para compor as obras dessa exposição

Das 13 telas expostas na exposição 'Do Pincel ao Pixel', 5 são frutos de experimentos do artista paulista Rob Silva com pintura digital. Nas demais, a tinta a óleo predomina, provando que é absolutamente possível o diálogo entre a materialidade da tinta e as possibilidades artísticas do pixel. A necessidade de incluir o computador no processo criativo surgiu após a mudança do artista para São Luís-MA, onde passou a trabalhar em um apartamento menor do que seu ateliê em São Paulo. Com o computador, o artista não precisou mais condicionar sua criatividade à limitação espacial e dessa forma descobriu afinidades entre o digital e o analógico. É o resultado dessa pesquisa que o visitante vai encontrar na Sala Sesc de Exposições.

Tela de Rob Silva

Tela de Rob Silva

A mostra ocupa a Sala Sesc de Exposições

A mostra ocupa a Sala Sesc de Exposições

Exposição: Do Pincel ao Pixel
Artista: Rob Silva
Até 30 de junho, de segunda à sexta-feira, das 9h às 12h e das 13h às 17h
Local: Sala Sesc de Exposições (Condomínio Fecomércio Sesc/Senac)
Endereço: Av. dos Holandeses, s/n, Quadra 04, Jardim Renascença II. São Luís - Maranhão. Telefone: (98) 3216-3830
E-mail: galeriadeartesescma@gmail.com
Entrada gratuita.


Maceió (AL)

Piso superior do III Salão de Arte Contemporânea de Alagoas

Piso superior do III Salão de Arte Contemporânea de Alagoas

Sessenta artistas participam até 10 de julho do III Salão de Arte Contemporânea de Alagoas, que pela primeira vez também recebeu obras de artistas de outros estados. São dezenas de trabalhos, entre pinturas, gravuras, fotografias, desenhos e esculturas, ocupando os dois pavimentos do Complexo Cultural Teatro Deodoro. A exposição integra as atividades em comemoração aos 200 anos de emancipação política de Alagoas, que durante todo o ano estão movimentando a cena cultural do estado.

Obras da exposição. Em primeiro plano, a tela  'OSNIs' , de Suel Damasceno

Obras da exposição. Em primeiro plano, a tela 'OSNIs', de Suel Damasceno

'Samba' , óleo sobre tela de Cícera Dias

'Samba', óleo sobre tela de Cícera Dias

Destaque da obra  'A História do Filé'

Destaque da obra 'A História do Filé'

Exposição: III Salão de Arte Contemporânea de Alagoas
Artista: Coletiva
Até 10 de julho, de segunda à sexta-feira, das 8h às 18h e nas quartas-feiras, das 8h às 20h
Local: Complexo Cultural Teatro Deodoro
Endereço: Rua Barão de Maceió, s/n - Centro. Maceió - Alagoas. Telefone: (82) 3315-5660
Entrada gratuita.


João Pessoa (PB)

O amor sob nova perspectiva é uma das propostas de Everton David

O amor sob nova perspectiva é uma das propostas de Everton David

No mês dos namorados, o artista visual Everton David apresenta seu olhar sobre a lógica das relações afetivas contemporâneas na exposição 'Pegou Amor'. São 45 trabalhos, produzidos nos últimos dois anos, entre desenhos, colagens, pinturas, fotografias e sobreposições. Ainda há espaço para o ultrarromantismo no século XXI? Vai lá na Galeria de Arte da Usina Cultural Energisa e confira. Ah, não esqueça de levar o seu amor!

A exposição de Everton David é tão minuciosa quanto as relações afetivas

A exposição de Everton David é tão minuciosa quanto as relações afetivas

Everton David

Exposição: Pegou Amor
Artista: Everton David
Até 8 de julho, de terça-feira a domingo, das 14h às 20h
Local: Usina Cultural Energisa
Endereço: Rua João Bernardo de Albuquerque, 243, Tambiá. João Pessoa – Paraíba. Telefone: (83) 3221-6343
Entrada gratuita.


Recife (PE)

Obra de Lula Cardoso Ayres exposta na retrospectiva do artista

Obra de Lula Cardoso Ayres exposta na retrospectiva do artista

Talvez essa seja uma das exposições mais importantes do ano no Nordeste. A Caixa Cultural do Recife inaugurou uma mostra retrospectiva da obra de Lula Cardoso Ayres, um grande nome do modernismo brasileiro e uma das figuras mais icônicas das artes visuais em Pernambuco. Ao todo são 208 obras que revelam a trajetória do artista por diferentes técnicas, como a pintura a óleo, acrílica sobre cartão, aquarela, têmpera, entre outras. Visitação fundamental, tá?

Obras do artista modernista exploram o colorido e a vibração dos folguedos populares de Pernambuco

Obras do artista modernista exploram o colorido e a vibração dos folguedos populares de Pernambuco

Telas de Lula Cardoso Ayres evidenciam seu traço modernista

Telas de Lula Cardoso Ayres evidenciam seu traço modernista

Lula Cardoso Ayres

Exposição: Lula Cardoso Ayres: Arte, Região e Tempo
Artista: Lula Cardoso Ayres
Até 27 de agosto, de terça-feira a sábado, das 10h às 20h e aos domingos, das 10h às 17h
Local: Caixa Cultural Recife
Endereço: Avenida Alfredo Lisboa, 505, Bairro do Recife – Recife – Pernambuco. Telefone: (81) 3425-1915
Entrada gratuita


Teresina (PI)

Obra do artista paraense Éder Oliveira

Obra do artista paraense Éder Oliveira

Agora é a vez da capital piauiense receber a exposição 'Alistamento', que já foi destaque por aqui em abril, quando esteve em cartaz em São Luís-MA. O paraense Éder Oliveira apresenta ao público seu olhar artístico sobre o alistamento militar, em um processo de experimentação estética que aproximou fotografia, retrato, pintura e intervenção. A exposição abre ainda a 10ª edição da Mostra Sesc Amazônia das Artes em Teresina-PI.

A exposição  'Alistamento'  já passou por outros estados, inclusive o Maranhão

A exposição 'Alistamento' já passou por outros estados, inclusive o Maranhão

Éder Oliveira

Exposição: Alistamento
Artista: Éder Oliveira
Até 30 de junho, de segunda a sexta-feira, das 8h às 17h e aos sábados, das 9h às 13h Local: Casa da Cultura de Teresina
Endereço: Rua Rui Barbosa, 348, Centro, Teresina – Piauí. Telefone: (86) 3230-9910
Entrada gratuita.


Natal (RN)

'Maria',  de Larissa Freire

'Maria', de Larissa Freire

Quatro mulheres unidas pela arte notaram algo em comum quando decidiram formar o Coletivo Entre Elas: a condição da mulher na sociedade era uma constante nas obras produzidas. Então, elas resolveram abraçar de vez o tema e agora o coletivo expõe pela primeira vez o resultado desse trabalho, desenvolvido com técnicas variadas, como pastel, nanquim, aquarela e gel. Mas não se engane! Embora haja afinidades entre as artistas, cada uma traz seu próprio traço e sua própria perspectiva a respeito do universo feminino.

A exposição está em cartaz na Galeria de Arte  do IFRN Cidade Alta

A exposição está em cartaz na Galeria de Arte  do IFRN Cidade Alta

Mulheres admirando mulheres

Mulheres admirando mulheres

Galeria de Arte IFRN Cidade Alta

Exposição: Mulher, Mulheres, Simplesmente Mulher
Artista: Coletivo Entre Elas
Até 28 de junho, de segunda à sexta-feira, das 8h às 21h
Local: Galeria de Arte IFRN Cidade Alta
Endereço: Av. Rio Branco, 743, Cidade Alta. Natal – Rio Grande do Norte. Telefone: (84) 4005-0970
Entrada gratuita.


Aracaju (SE)

O Salão dos Novos há 26 anos é uma ótima oportunidade para novos talentos

O Salão dos Novos há 26 anos é uma ótima oportunidade para novos talentos

E pra terminar nosso giro cultural de junho, tem uma das mais importantes mostras artísticas de Sergipe! A 26ª edição do Salão dos Novos selecionou 50 obras de artistas que ainda não tiveram a oportunidade de realizar exposições individuais. É uma ótima oportunidade para revelar novos talentos! A escolha foi feita por um júri técnico, que analisou cerca de 80 obras inscritas por meio de edital. Das 50 selecionadas, as quatro 4 melhores foram premiadas em dinheiro. Entre os trabalhos estão pinturas a óleo, aquarela, desenhos e esculturas.

Trabalhos expostos na 26ª edição do Salão dos Novos

Trabalhos expostos na 26ª edição do Salão dos Novos

III Salão dos Novos

Exposições: 26ª Salão dos Novos
Artistas: Coletiva
Até 30 de junho, de segunda a sexta-feira, das 8h às 18h e aos sábados, das 9h às 13h
Local: Galeria de Arte Álvaro Santos
Endereço: Praça Olímpio Campos, s/n - Centro. Aracaju - Sergipe. Telefone: (79) 3179-1308
Entrada gratuita.

Se organizar direitinho, dá pra gente ir nas aberturas de duas exposições de arte amanhã (10) em Natal-RN. Bora?

Natal tá pipocando em exposições de arte esse mês. Isso sem falar na Semana de Artes Visuais da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN), que começou ontem (8) e segue até sexta-feira (12). Pra engrossar ainda mais esse caldo cultural, nesta quarta-feira (10) a capital potiguar recebe mais duas exposições e se a gente planejar tudo direitinho, dá pra conferir as duas aberturas, já que elas estarão próximas uma da outra.

Casa em ruínas na fazenda Bom Jesus, em Goianinha (RN)

Casa em ruínas na fazenda Bom Jesus, em Goianinha (RN)

A primeira será na Pinacoteca Potiguar, às 18h, com o lançamento da instalação multimídia ‘Tristes Trópicos – Bom Jardim’, assinada pela artista visual paulista Regina Johas. A artista, que também é pesquisadora, desde os anos 1990 desenvolve seu trabalho aliando o campo da arte com questões sociais e culturais.

Ruínas localizadas na Via Costeira, em Natal (RN)

Ruínas localizadas na Via Costeira, em Natal (RN)

regina johas

A exposição nasceu a partir do projeto de extensão ‘Memórias de Bom Jardim’, em parceria com o grupo de estudos em arte contemporânea Zeitgeist, ambos da UFRN. A ideia é aproximar ruínas contemporâneas às ruínas do passado, para tentar entender o elo de ligação entre elas e os grupos sociais que habitam os espaços rural e urbano do Rio Grande do Norte.

Imagens da vídeo-instalação

Imagens da vídeo-instalação

regina johas

Na mostra, uma vídeo-projeção tomará conta de toda a sala Dorian Gray e haverá ainda a instalação sonora ‘Quanto coco se dança’, em homenagem ao cantador potiguar Chico Antônio.


E é só andar duas quadras adiante e já estaremos no lançamento da exposição ‘Olhar mais atento’, marcado às 19h30, na Galeria Sesc Cidade Alta. Esta será a segunda mostra da pauta de exposições 2017 da Galeria e é assinada pelo grupo Urban Sketchers Natal.

Ilustração do grupo  Urban Sketchers  Natal

Ilustração do grupo Urban Sketchers Natal

O urban sketching ou croqui urbano é uma prática artística recorrente entre artistas que sentem necessidade de registrar o local onde vivem ou suas experiências de viagem.

Em Natal-RN, o grupo tem representantes desde 2012 e reúne-se uma vez por mês para desenhar um local pré-estabelecido na capital e também no interior. O importante é que os trabalhos sejam realizados, pelo menos parcialmente, nos próprios locais que são representados.

Por dentro do Forte dos Reis Magos

Por dentro do Forte dos Reis Magos

Nesta exposição, serão apresentados 40 trabalhos, entre desenhos e aquarelas, dos arquitetos André Alves, Jota Clewton, Petterson Dantas e Rafael Oliveira, além de vídeos e sketchbooks dos artistas. As obras retratam principalmente paisagens urbanas e naturais do Rio Grande do Norte.

Desenhos de artistas diferentes para a Igreja Matriz de Nossa Senhora da Apresentação, em Natal (RN)

Desenhos de artistas diferentes para a Igreja Matriz de Nossa Senhora da Apresentação, em Natal (RN)

urban sketchers natal

Agora é só agendar, compartilhar esse texto nos grupos de WhatsApp e chamar a galera pra ir com você. Bora!?

SERVIÇO:

Abertura da exposição: 'Tristes Trópicos - Bom Jardim'
Artista: Regina Johas
10 de maio (quarta-feira), às 18h.
Local: Pinacoteca Potiguar
Endereço: Avenida 7 de setembro, s/n, Cidade Alta. Natal – Rio Grande do Norte. Telefone: (84) 3232-9727
Entrada gratuita.

Visitação: até 20 de maio, de terça-feira a domingo, das 9h às 17h
 

Exposição: 'Olhar mais atento'
Artista: Urban Sketchers Natal
10 de maio (quarta-feira), às 19h30.
Local: Galeria de Arte do SESC Cidade Alta
Endereço: Rua Coronel Cascudo, 33, Cidade Alta. Natal – Rio Grande do Norte. Telefone: (84) 3133-0360
Entrada gratuita.

Visitação: até 7 de junho, das 9h às 19h, exceto finais de semana e feriados

Você sabe por que 8 de maio é o Dia do Artista Plástico Brasileiro?

A resposta tem nome e sobrenome: Almeida Júnior, um dos artistas brasileiros fundamentais do século XIX.

'O Descanso do Modelo'  (1882)

'O Descanso do Modelo' (1882)

Nascido em 8 de maio de 1850, em Itu (SP), Almeida Júnior desde cedo revelou inclinação às artes. Aos 19 anos, entrou para a Academia Imperial de Belas Artes, no Rio de Janeiro e, em 1876, recebeu uma bolsa de estudos do Imperador Dom Pedro II para aperfeiçoar seus conhecimentos em Paris! Foi lá que o artista foi influenciado pelo realismo francês de Gustave Courbet.

Os autorretratos de Almeida Júnior e de Gustave Courbet, respectivamente

Os autorretratos de Almeida Júnior e de Gustave Courbet, respectivamente

Gustave Courbet

De volta ao Brasil, Almeida Júnior foi um dos primeiros artistas do país a retratar a vida simples do homem do campo, explorando a temática regional para dar vida à sua própria pintura realista. Entre seus quadros mais conhecidos estão ‘O Derrubador Brasileiro’ (1879), ‘O Violeiro’ (1899), ‘Leitura’ (1892) e ‘Caipira Picando Fumo’ (1893).

'O Derrubador Brasileiro'  (1879)

'O Derrubador Brasileiro' (1879)

'O Violeiro'  (1899)

'O Violeiro' (1899)

'Leitura'  (1892)

'Leitura' (1892)

‘Caipira Picando Fumo’  (1893)

‘Caipira Picando Fumo’ (1893)

Mas a arte de Almeida Júnior não se resume aos temas regionalistas. Ele também pintou outros personagens anônimos, como ‘Moça com Livro’ (1879), além de cenas bíblicas e históricas.

'Moça com Livro'  (1879)

'Moça com Livro' (1879)

'Fuga para o Egito'  (1881)

'Fuga para o Egito' (1881)

'Batismo de Jesus'  (1895)

'Batismo de Jesus' (1895)

'A Partida da Monção'  (1897)

'A Partida da Monção' (1897)

Ao todo, o pintor produziu cerca de 300 obras e viveu o auge de sua carreira na década de 1890. Infelizmente, foi assassinado em 1899, aos 49 anos, após ser apunhalado pelo seu primo José de Almeida Sampaio. O motivo? Durante anos, Almeida Júnior teria vivido um relacionamento amoroso com a esposa de seu primo, que não gostou nadinha de descobrir o caso dos dois. Fofocas à parte, o fato é que o Brasil perdeu precocemente um de seus maiores artistas. =(

'Caipiras Negaceando'  (1888)

'Caipiras Negaceando' (1888)

'Amolação Interrompida'  (1894)

'Amolação Interrompida' (1894)

Aí no centenário do artista, em 1950, Almeida Júnior foi homenageado. Foi assim que o dia de seu nascimento tornou-se o Dia do Artista Plástico Brasileiro. =)

'Saudade'  (1899)

'Saudade' (1899)

'Recado Difícil'  (1895)

'Recado Difícil' (1895)

Parabéns, artistas do Brasil!

O universalismo construtivo de Torres García em 20 imagens

Quem visita o Uruguai, em algum momento vai se deparar com a pintura geométrica de Joaquín Torres García. Seja no aeroporto ou nas feirinhas de souvenirs, as reproduções estão lá, em painéis ou ímãs de geladeira. E não é pra menos, já que Torres García foi o artista mais célebre do país e um dos responsáveis por trazer o movimento modernista à América do Sul.

1 - As pinturas geométricas de Torres García se transformaram em ícones do Uruguai

1 - As pinturas geométricas de Torres García se transformaram em ícones do Uruguai

É justamente com ele que o Pigmum inicia uma série especial sobre o Uruguai. Durante o mês de maio, toda semana o canal Pigmum no YouTube visita um museu uruguaio diferente, começando justamente com aquele que leva o nome de Torres García e é responsável por contar sua história e preservar sua obra. Assista:

Torres García não foi apenas um grande artista. Ele foi um verdadeiro teórico da pintura. E suas principais ideias foram sistematizadas no livro ‘Universalismo Construtivo’, uma obra com mais de mil páginas e que explora todo o universo conceitual que ele desenvolveu e vivenciou em sua produção artística.

Fruto do debate acerca do construtivismo e da ascensão da arte abstrata, o universalismo construtivo de Torres García surgiu em 1929, quando o artista uruguaio vivia em Paris e mantinha contato com o neoplasticismo de Mondrian e Doesburg. Só que na contramão da rígida abstração desses dois artistas, Torres García manteve uma forte conexão com símbolos figurativos inspirados nas tradições pré-colombianas, africanas e aborígenes.

2 - Torres García fundou o universalismo construtivo e desenvolveu sua obra com base nesse conceito

2 - Torres García fundou o universalismo construtivo e desenvolveu sua obra com base nesse conceito

3 - Embora tenha sido influenciado pela pintura abstrata do neoplasticismo, sua obra manteve-se também na fronteira com o figurativo

3 - Embora tenha sido influenciado pela pintura abstrata do neoplasticismo, sua obra manteve-se também na fronteira com o figurativo

4 - O figurativo nas obras de Torres García se localiza nos símbolos que ele utilizava e não no desenho fiel dos objetos representados

4 - O figurativo nas obras de Torres García se localiza nos símbolos que ele utilizava e não no desenho fiel dos objetos representados

5 - O artista também favorecia as cores primárias em seu trabalho. Torres García buscava o essencial e universal da pintura

5 - O artista também favorecia as cores primárias em seu trabalho. Torres García buscava o essencial e universal da pintura

6 - É recorrente também as linhas retas horizontais e verticais, com as quais o artista  'enquadrava'  os símbolos presentes nos quadros

6 - É recorrente também as linhas retas horizontais e verticais, com as quais o artista 'enquadrava' os símbolos presentes nos quadros

7 - O símbolo do homem, recorrente na obra do artista

7 - O símbolo do homem, recorrente na obra do artista

O artista recusava as motivações do inconsciente vividas pelo surrealismo e defendia que a pintura tinha estrutura própria e se constituía como objeto singular, independente da representação da realidade. Ou seja, Torres García também se aproximou da corrente de pensamento estruturalista, que buscava definir os sistemas universais que fundamentariam a cultura humana.

Sua arte explora o valor simbólico da forma, buscando ainda estabelecer a harmonia e o equilíbrio universal entre o tempo, o espaço e o ser humano. Não é à toa que ele utiliza a proporção áurea em seus trabalhos. A ambição de Torres García era encontrar o eterno da arte.

Por isso, há o predomínio de formas e cores primárias, de linhas verticais e horizontais, de figuras geométricas e símbolos recorrentes, como a âncora, o peixe, o coração... Cada um com um significado próprio e universal, como a escada, que simbolizaria a progressão pelo saber; ou a balança, que equivaleria à justiça, à prudência e ao equilíbrio. Observe:

8 - O símbolo do coração representa o centro do organismo

8 - O símbolo do coração representa o centro do organismo

9 - Torres García se aproximou da arte pré-colombiana para chegar à pintura universal

9 - Torres García se aproximou da arte pré-colombiana para chegar à pintura universal

10 - O artista também realizou trabalhos explorando a tonalidade do claro e escuro, em imagens preto e branco

10 - O artista também realizou trabalhos explorando a tonalidade do claro e escuro, em imagens preto e branco

11 - Para Torres García uma pintura é um objeto único, que se afasta da realidade e que é capaz de ter seu próprio sentido

11 - Para Torres García uma pintura é um objeto único, que se afasta da realidade e que é capaz de ter seu próprio sentido

12 - É a presença dos signos na pintura que vai garantir o sentido da obra e não a representação de uma cena da 'ralidade'

12 - É a presença dos signos na pintura que vai garantir o sentido da obra e não a representação de uma cena da 'ralidade'

13 - O peixe também é um símbolo recorrente nas obras de Torres García, assim como a relação do artista com a parte  'sur' (sul)  da América

13 - O peixe também é um símbolo recorrente nas obras de Torres García, assim como a relação do artista com a parte 'sur' (sul) da América

14 - A convivência com Mondrian e Doesburg influenciou o artista

14 - A convivência com Mondrian e Doesburg influenciou o artista

15 - Torres García ambicionava desenvolver um modernismo artístico com a cara da América do Sul

15 - Torres García ambicionava desenvolver um modernismo artístico com a cara da América do Sul

16 - A preocupação de Torres García não era com a precisão do desenho ou o apuro técnico da pintura

16 - A preocupação de Torres García não era com a precisão do desenho ou o apuro técnico da pintura

17 - Mais uma obra que destaca os símbolos do peixe e do sol

17 - Mais uma obra que destaca os símbolos do peixe e do sol

É a presença desses elementos que dá sentido às pinturas e não a aparência ou fidelidade figurativa deles. Para o artista, o que importava era o essencial da pintura. A beleza não estava na imitação da realidade.

Embora a proposta de Torres García seja, de fato, bastante ambiciosa (como aliás é comum entre formalistas e estruturalistas), é admirável como ele construiu e vivenciou seu próprio universo artístico, influenciando ainda toda uma geração de artistas no Uruguai e esforçando-se para desenvolver uma arte moderna com a cara da América do Sul.

18 - O artista sempre buscou a dimensão simbólica das formas mais básicas

18 - O artista sempre buscou a dimensão simbólica das formas mais básicas

19 - Mais uma vez, o peixe - com a balança, a âncora, o coração, o trem...

19 - Mais uma vez, o peixe - com a balança, a âncora, o coração, o trem...

20 - Uma cena musical na visão de Torres García

20 - Uma cena musical na visão de Torres García

Conheça as lineogravuras dançantes de Regina Carvalho

Já sabemos que é possível fazer arte com uma infinidade de técnicas e materiais, correto? O desenho sobre papel e a pintura sobre tela são apenas as mais famosas. Mas você já ouviu falar de gravuras feitas em linóleo? Pois chegou a hora de conhecer o trabalho da pernambucana Regina Carvalho, que nos últimos anos vem produzindo com essa técnica.

Figuras de Regina Carvalho, feitas em linóleo, dançam diferentes ritmos

Figuras de Regina Carvalho, feitas em linóleo, dançam diferentes ritmos

lineogravura regina carvalho

A artista já tá na estrada há vários anos, mas faz pouco tempo que utiliza o linóleo em suas criações. Ela começou a desenvolver a técnica aos poucos, fazendo pequenos exercícios. Aí veio a primeira bailarina, que dançava ao luar. Logo, ela ampliou seu repertório, criando figuras que dançam os mais diversos ritmos: o passista de frevo, os capoeiristas, a bailarina de boate, os dançarinos de tango...

A bailarina que dança ao luar foi a primeira da série

A bailarina que dança ao luar foi a primeira da série

A primeira bailarina e os capoeiristas

A primeira bailarina e os capoeiristas

Também há espaço para as danças infantis e para o passista de frevo

Também há espaço para as danças infantis e para o passista de frevo

lineogravura regina carvalho
Regina também mistura a gravura em linóleo com a técnica da pintura sobre papel. Aqui, o casal dança tango ao luar

Regina também mistura a gravura em linóleo com a técnica da pintura sobre papel. Aqui, o casal dança tango ao luar

Mas que técnica é essa?

Retrato da segunda esposa de Pablo Picasso. O artista também criava gravuras em linóleo

Retrato da segunda esposa de Pablo Picasso. O artista também criava gravuras em linóleo

O linóleo é um material impermeável feito da combinação de linhaça, serragem de madeira e cortiça. Surgiu no século XIX e serve principalmente para revestir pisos. Porém, desde aquela época muitos artistas começaram a utilizar placas de linóleo como matriz para a impressão de gravuras. Picasso foi um dos artistas modernos que fez gravuras em linóleo, assim como o brasileiro Lasar Segall. 

O processo é semelhante à xilogravura, técnica ainda mais antiga. Com o apoio de uma goiva, instrumento usado para o entalhe do linóleo (ou da madeira, no caso da xilogravura), o artista vai criando sulcos no material e depois aplica tinta nas partes em alto relevo. Em seguida, a matriz é pressionada sob papel ou tecido, como uma espécie de carimbo.

Placa de linóleo sendo entalhada

Placa de linóleo sendo entalhada

Diferentes goivas, instrumentos utilizados para entalhar madeira e também o linóleo

Diferentes goivas, instrumentos utilizados para entalhar madeira e também o linóleo

Dançando em tecido

Agora, as figuras dançantes de Regina estão saindo do papel e sendo reproduzidas também em camisetas, vestidos e macaquinhos femininos. Essa é outra grande vantagem do linóleo. Sua maleabilidade permite que as gravuras sejam reproduzidas com facilidade, possibilitando a impressão de padronagens como essas que Regina vem aplicando às roupas.

Regina Carvalho tem reproduzido suas gravuras também em roupas

Regina Carvalho tem reproduzido suas gravuras também em roupas

Duas amigas de Regina. Uma delas está vestindo um macaquinho com as estampas das figuras dançantes da artista

Duas amigas de Regina. Uma delas está vestindo um macaquinho com as estampas das figuras dançantes da artista

Com o aperfeiçoamento da técnica, aos poucos Regina vai criando imagens cada vez mais ricas em detalhes e com traços mais seguros. E quem sabe em breve não veremos suas obras em uma exposição individual?

Gravura em linóleo que faz parte do livro  'Tatuagem' , que Regina lançou coletivamente com outros artistas em 2016

Gravura em linóleo que faz parte do livro 'Tatuagem', que Regina lançou coletivamente com outros artistas em 2016

Com o aperfeiçoamento da técnica, as gravuras de Regina Carvalho vão se tornando mais apuradas e detalhadas

Com o aperfeiçoamento da técnica, as gravuras de Regina Carvalho vão se tornando mais apuradas e detalhadas

Gravura em linóleo feita por Regina para estampar cartas de Tarot, produzidas coletivamente. A artista foi responsável pela carta 'A Força'

Gravura em linóleo feita por Regina para estampar cartas de Tarot, produzidas coletivamente. A artista foi responsável pela carta 'A Força'

Por enquanto, ela aparece por aqui e também no canal Pigmum no YouTube, falando sobre sua trajetória na arte e, claro, sobre o processo de criação de suas gravuras em linóleo. Porque tem coisas que não cabem em apenas um texto. Por isso, assista o vídeo e não se esqueça de se inscrever no canal!

Vitória-ES e São Luís-MA recebem o maior festival de Arte e Tecnologia do Brasil

A essa altura você já deve saber que a arte pode ser muita coisa, inclusive high-tech, né? Então preparem-se para o maior festival de Arte e Tecnologia do Brasil! A partir desta terça-feira (18), Vitória-ES recebe o FILE – Festival Internacional de Linguagem Eletrônica, que desde o dia 5 de abril também está em cartaz em São Luís-MA. Queremos ir? Queremos.

Cartaz do FILE Vitória 2017: Toque Aqui

Cartaz do FILE Vitória 2017: Toque Aqui

Cartaz do FILE São Luís 2017: Não deixe essa onda passar

Cartaz do FILE São Luís 2017: Não deixe essa onda passar

Há 18 anos o FILE promove exposições, oficinas e encontros sobre Arte e Tecnologia, sempre com eventos anuais em São Paulo e exposições que já passaram por Curitiba-PR, Rio de Janeiro-RJ, Porto Alegre-RS, Belo Horizonte-MG e participações em eventos internacionais. Essa é a primeira vez que a exposição é realizada também no Nordeste, abrindo caminho para uma circulação maior do festival.

O Centro Cultural Vale Maranhão (CCVM), em São Luís. O prédio histórico foi reformado e abriga a exposição FILE 2017 na capital maranhense

O Centro Cultural Vale Maranhão (CCVM), em São Luís. O prédio histórico foi reformado e abriga a exposição FILE 2017 na capital maranhense

E o que é Arte e Tecnologia?

Desde que os computadores passaram a fazer parte das nossas vidas, muita coisa mudou, inclusive a arte. Pelo menos desde o final dos anos 1980, a aproximação entre arte, ciência e tecnologia tem se acentuado, gerando múltiplas possibilidades artísticas.

Inúmeros artistas do circuito nacional e internacional passaram a explorar as poéticas das tecnologias digitais, criando obras que utilizam essas tecnologias como ferramentas de produção, armazenamento, apresentação e difusão. Realidade virtual, hacktivismo, interatividade, impressão 3D, robótica, conectividade e realidade aumentada são outros campos de atuação que você jurava que só estava no dia a dia do pessoal de TI, mas que a arte contemporânea também está bastante interessada.

FILE Vitória 2017: Toque aqui

A obra  'The Night Café' , de Mac Cauley, recria digitalmente uma pintura famosa de Van Gogh

A obra 'The Night Café', de Mac Cauley, recria digitalmente uma pintura famosa de Van Gogh

Já tem muita gente produzindo Arte e Tecnologia no mundo todo e festivais como o FILE são instrumentos importantíssimos para dar visibilidade a esse fenômeno e gerar novos públicos. Em 2017, o FILE Vitória 2017: Toque aqui traz uma seleção de 8 instalações interativas, 4 games e 20 animações, de artistas de 15 países, entre eles Alemanha, Austrália, Eslováquia, México e Sérvia.

Entre as obras de realidade virtual com uso de óculos 3D, em ‘The Night Café’, de Mac Cauley (Estados Unidos), é possível explorar o mundo das pinturas de Van Gogh e até mesmo encontrar com o próprio pintor em uma versão animada. Dá uma olhada nessa vídeo:

Já na seleção de instalações, ‘Fated Ascent’, de Donald Abad (França), utiliza a tecnologia da realidade aumentada para criar um espaço em que os visitantes possam perceber a presença de outro visitante, virtualmente ligado a um amontoado de pedras. Para isso, basta ver esse amontoado através de um tablet ou de um smartphone. 

Em  'Fated Ascent' , de Donald Abad, a realidade aumentada amplia as possibilidades de uma instalação

Em 'Fated Ascent', de Donald Abad, a realidade aumentada amplia as possibilidades de uma instalação

fated ascent

Vê só que maravilhoso que é;

E se eu começar a falar aqui tudo que vai rolar por lá o dia termina e ninguém sai do canto. Portanto, se você está de passagem por Vitória-ES e São Luís-MA, vá hoje mesmo visitar as exposições. Como diz o cartaz do FILE São Luís 2017: não deixe essa onda passar!


SERVIÇO:

Exposição: FILE Vitória 2017: Toque aqui
Artista: Coletiva
Até 11 de junho, de terça-feira a domingo, das 10h às 20h
Local: Sesi Arte Galeria
Endereço: Av. Nossa Senhora da Penha, 2053 - Santa Lúcia. Vitória - Espírito Santo (Edifício Findes). Telefone: (27) 3334-5703
Entrada gratuita.
 

Exposição: FILE São Luís 2017: Não deixe essa onda passar
Artista: Coletiva
Até 4 de junho, de terça-feira a domingo, das 10h às 19h
Local: Centro Cultural Vale Maranhão
Endereço: Av. Henrique Leal, 149 - Centro. São Luís - Maranhão.
Entrada gratuita.
 

Giro cultural: 8 exposições em cartaz no Nordeste para visitar em abril

Abril chegou e você não pode começar o mês sem saber que as exposições de arte estão bombando no Nordeste! Recentemente, várias mostras foram inauguradas em praticamente todas as capitais da região, só Teresina-PI ficou de fora esse mês. É claro que o Pigmum selecionou aquelas que são realmente imperdíveis! Então já sabe, se você mora em uma dessas cidades ou estará de passagem ao longo do mês, não deixe de fazer uma visita. E tem mais: todas são gratuitas!  Você não tem nem desculpa pra deixar de ir. Vê só:

Aracaju (SE)

Um dos cães solitários feitos de concreto por Elias Santos

Um dos cães solitários feitos de concreto por Elias Santos

A Galeria de Arte J. Inácio inaugurou sua pauta de exposições de 2017 com a mostra ‘Cinzentos’, assinada pelo sergipano Elias Santos. São 12 esculturas que abordam o tema da solidão a partir da perspectiva dos cães. Feitos de concreto, os cães cinzentos do artista, observados por ele em cidades do interior sergipano, surgem como protagonistas para representar simbolicamente esse estado de espírito tão particular. Essa é a primeira das seis exposições que ocuparão a galeria ao longo do ano.

'Cinzentos'  fica em cartaz até 10 de abril. Por isso não perca tempo!

'Cinzentos' fica em cartaz até 10 de abril. Por isso não perca tempo!

elias santos

SERVIÇO:

Exposição: Cinzentos
Artista: Elias Santos
Até 10 de abril, de segunda a sexta-feira, das 9h às 17h
Local: Galeria J. Inácio
Endereço: Rua Dr. Leonardo Leite, s/n, Bairro 13 de Julho (anexo à Biblioteca Pública Epifânio Dória). Aracaju – Sergipe. Telefone: (79) 3179-1969
 


Fortaleza (CE)

A obra de Leonilson é revisitada nessa exposição retrospectiva

A obra de Leonilson é revisitada nessa exposição retrospectiva

Mais de 120 obras assinadas pelo artista visual Leonilson estão expostas no Espaço Cultural da Unifor até o mês de julho. A mostra é uma retrospectiva da carreira desse artista cearense que mudou para São Paulo na infância e teve a vida interrompida ainda muito jovem, em 1993, vítima do vírus HIV. Emoções, dilemas do homem comum e percepções a respeito da condição humana estão presentes nas obras de arte contemporânea de Leonilson. Algumas peças, inclusive, são inéditas.

A exposição fica em cartaz até julho

A exposição fica em cartaz até julho

O artista seguiu o caminho da arte contemporânea em sua breve, mas profícua trajetória

O artista seguiu o caminho da arte contemporânea em sua breve, mas profícua trajetória

leonilson

SERVIÇO:

Exposição: Leonilson: arquivo e memória vivos
Artista: Leonilson
Até 9 de julho, de terça a sexta-feira, de 9h às 19h e aos sábados e domingos, de 10h às 18h.
Local: Espaço Cultural Unifor
Endereço: Av. Washington Soares, 1321, Edson Queiroz. Fortaleza – Ceará. Telefone: (85) 3477-3319
Entrada gratuita.
 


João Pessoa (PB)

As esguias esculturas de Antônio Lobo expostas na Estação Cabo Branco

As esguias esculturas de Antônio Lobo expostas na Estação Cabo Branco

Uma das exposições em cartaz no prédio principal da Estação Cabo Branco chama a atenção pela quantidade de obras expostas pelo artista Antônio Labas. São 90 esculturas que retratam o ser humano em suas variadas faces, revelando dores, anseios, angústias, entre outras emoções que fazem parte do nosso repertório de subjetividades. As peças estão divididas em três séries: Equilíbrio, que são esculturas produzidas em alumínio policromado, emoldurados por aço; Primitivo, em aço inox e alumínio policromado; e Todas as Mulheres do Mundo, que são esculturas em madeira e aço. Imperdível.

A exposição  'Faces'  está dividida em 3 séries. Ao todo são 90 esculturas

A exposição 'Faces' está dividida em 3 séries. Ao todo são 90 esculturas

antonio labas

SERVIÇO:

Exposição: Faces
Artista: Antônio Labas
Até 21 de maio, de terça a sexta-feira, das 9h às 18h e aos sábados, domingos e feriados, das 10h às 19h.
Local: Estação Cabo Branco
Endereço: Rua João Cyrillo, s/n, Altiplano. João Pessoa – Paraíba. Telefone: (83) 3214-8303 | 3214.8270
Entrada gratuita.
 


Maceió (AL)

A Galeria Gamma no dia da abertura da exposição  'Menu Degustação'

A Galeria Gamma no dia da abertura da exposição 'Menu Degustação'

Na Galeria Gamma, a arte de dez artistas está ali para ser degustada. Provocar sensações tão físicas quanto a do paladar é a proposta da exposição coletiva ‘Menu Degustação’, uma parceria com a Luís Maluf Art Gallery, de São Paulo. Todos os artistas da mostra fazem parte do portfólio da galeria paulistana e expõem em Maceió, até 16 de abril, telas e esculturas de arte contemporânea, com uma pegada super urbana.

Obra  'Caligrapixo' , exposta na mostra  'Menu Degustação'

Obra 'Caligrapixo', exposta na mostra 'Menu Degustação'

'O fim pode ser colorido' , obra de Flávio Rossi

'O fim pode ser colorido', obra de Flávio Rossi

'Vermelho Steam'  é outra das obras expostas nessa mostra coletiva

'Vermelho Steam' é outra das obras expostas nessa mostra coletiva

SERVIÇO:

Exposição: Menu Degustação
Artista: Coletiva
Até 16 de abril, de segunda a sexta-feira, das 14 às 19h e aos sábados, das 9h às 13h
Local: Galeria Gamma
Endereço: Av. Luiz Ramalho de Castro, 899, Jatiúca. Maceió – Alagoas. Telefone: (82) 3377-3979
Entrada gratuita.
 


Natal (RN)

A exposição  'Pelo Pescoço'  quer chamar atenção sobre o problema da violência contra a mulher

A exposição 'Pelo Pescoço' quer chamar atenção sobre o problema da violência contra a mulher

O trágico caso de duas mulheres que foram mortas no Rio Grande do Norte, ambas pelo pescoço, inspirou o artista visual Daniel Torres a criar uma série de 17 desenhos, com girafas meio mulheres e meio animais – evidenciando a maneira brutal pela qual as duas mulheres foram mortas e também a fragilidade dessa parte do corpo nos seres vertebrados. A mostra foi inaugurada em uma data bastante representativa: dia 8 de março, Dia Internacional da Mulher. Essa é a primeira exposição da pauta de 2017 da Galeria de Arte do SESC-RN.

As girafas e seus longos pescoços serviram de inspiração para Daniel Torres

As girafas e seus longos pescoços serviram de inspiração para Daniel Torres

A ideia da série surgiu após a notícia de duas mulheres que foram brutalmente assassinadas, ambas pelo pescoço

A ideia da série surgiu após a notícia de duas mulheres que foram brutalmente assassinadas, ambas pelo pescoço

SERVIÇO:

Exposição: Pelo Pescoço
Artista: Daniel Torres
Até 19 de abril, das 9h às 19h, exceto finais de semana e feriados
Local: Galeria de Arte do SESC Cidade Alta
Endereço: Rua Coronel Cascudo, 33, Cidade Alta. Natal – Rio Grande do Norte. Telefone: (84) 3133-0360
Entrada gratuita.
 


Recife (PE)

Tiago Amorim abre sua primeira exposição individual em 12 anos! Fotografia: Lucas Oliveira

Tiago Amorim abre sua primeira exposição individual em 12 anos! Fotografia: Lucas Oliveira

Tiago Amorim, que já tem uma longa trajetória no desenho, na pintura e na escultura, ficou 12 anos sem realizar nenhuma exposição individual, mas agora está de volta com a sua versão da origem do mundo e as previsões para o seu fim, numa mostra que transita entre o metafísico, o político-social e o ecológico. São telas e esculturas de cerâmica que abordam a conflituosa e degradante relação do ser humano contemporâneo com a natureza.

A relação degradante do homem com a natureza é abordada pelo artista nessa mostra. Fotografia: Lucas Oliveira

A relação degradante do homem com a natureza é abordada pelo artista nessa mostra. Fotografia: Lucas Oliveira

Além de telas, a exposição também conta com peças de cerâmica

Além de telas, a exposição também conta com peças de cerâmica

O artista e à obra que dá nome à exposição:  'Da gênese ao apocalipse'. Fotografia: Leo Motta

O artista e à obra que dá nome à exposição: 'Da gênese ao apocalipse'. Fotografia: Leo Motta

tiago amorim

SERVIÇO:

Exposição: Da gênese ao apocalipse
Artista: Tiago Amorim
Até 27 de maio, de terça a sexta-feira, das 13h às 19h e aos sábados, das 16h às 20h
Local: Arte Plural Galeria
Endereço: Rua da Moeda, 140, Recife Antigo. Recife – Pernambuco. Telefone: (81) 3424-4431
Entrada gratuita.
 


Salvador (BA)

Exposição inédita de Tomie Ohtake fica em cartaz em Salvador até 24 de abril

Exposição inédita de Tomie Ohtake fica em cartaz em Salvador até 24 de abril

Tomie Ohtake é reconhecida como uma das principais artistas brasileiras do século XX. Começou sua carreira aos 40 anos, mas incrivelmente conseguiu produzir ainda por mais 60 anos! Sua obra, que está espalhada em diversas cidades do mundo, abrange gravuras, pinturas, esculturas. Dedicou-se ao abstracionismo e à expressividade plástica das cores, formas e curvas. É isso que o público irá encontrar nessa extensa mostra retrospectiva que fica em cartaz em Salvador-BA até o próximo dia 24.

Tomie Ohtake começou a carreira aos 40 anos e produziu ainda por mais 60 anos!

Tomie Ohtake começou a carreira aos 40 anos e produziu ainda por mais 60 anos!

A obra da artista sempre seguiu o caminho do abstracionismo

A obra da artista sempre seguiu o caminho do abstracionismo

Ela é reverenciada como uma das principais artistas brasileiras do século XX

Ela é reverenciada como uma das principais artistas brasileiras do século XX

SERVIÇO:

Exposição: Tomie Ohtake - Cor e Corpo
Artista: Tomie Ohtake
Até 24 de abril, de terça-feira a domingo, das 9h às 18h
Local: Caixa Cultural Salvador
Endereço: Rua Carlos Gomes, 57, Centro. Salvador – Bahia. Telefone: (71) 3421-4200
Entrada: Entrada franca
 


São Luís (MA)

Éder Oliveira aposta um olhar diferente a respeito do alistamento militar

Éder Oliveira aposta um olhar diferente a respeito do alistamento militar

Um olhar artístico sobre o alistamento militar, que para muitos jovens representa uma alternativa para mudar de vida, principalmente para aqueles vindos de cidades pequenas. O paraense Éder Oliveira lança um olhar sobre esses jovens, em um processo de experimentação estética que aproximou fotografia, retrato, pintura e intervenção e que fica em cartaz na Galeria de Arte do SESC-MA até 3 de maio.

A questão da vulnerabilidade social desses jovens candidatos ao serviço militar é crucial na obra do artista

A questão da vulnerabilidade social desses jovens candidatos ao serviço militar é crucial na obra do artista

A mostra mescla diversas técnicas, como a fotografia e a pintura

A mostra mescla diversas técnicas, como a fotografia e a pintura

eder oliveira

SERVIÇO:

Exposição: Alistamento
Artista: Éder Oliveira
Até 3 de maio, das 9h às 17h
Local: Galeria de Arte do SESC Deodoro
Endereço: Av. Silva Maia, 164, Centro. São Luís - Maranhão. Telefone: (98) 3216-3812 | 3216-3844
Entrada gratuita.
 

5 filmes sobre Van Gogh para comemorar o aniversário do artista

Van Gogh pintou inúmeros autorretratos, inclusive após perder sua orelha

Van Gogh pintou inúmeros autorretratos, inclusive após perder sua orelha

Há exatamente 164 anos, no dia 30 de março de 1853, nascia Vincent van Gogh, um gênio das artes atormentado pela sua própria mente. Sua vida, repleta de fatos curiosíssimos, já rendeu material suficiente para as mais diversas narrativas. Afinal, que outro artista que você conhece tem um temperamento tão instável a ponto de cortar a própria orelha após discutir com seu companheiro de pintura – no caso, o também artista Paul Gauguin?

Conta-se ainda que durante toda a sua vida, Van Gogh vendeu apenas um único quadro. Isso porque naquela época as estéticas inovadoras que antecederam o modernismo, como a arte impressionista, ainda eram marginais e ‘brigavam’ com as belas artes por um lugar ao sol. Mas definitivamente Van Gogh não conseguia se encaixar em lugar nenhum, já que nem chegou a ser considerado um impressionista. Van Gogh ficou ali no meio, no espaço indefinido entre o pós-impressionista e o pré-modernista. E essa sensação de não-pertencimento foi uma constante em sua trajetória.

Van Gogh foi uma criança solitária e assim continuou durante a vida adulta. Muito religioso, queria ser pastor e chegou a se tornar missionário na Bélgica, mas decidiu ocupar-se definitivamente da arte já perto dos 30 anos de idade, com o apoio financeiro de seu irmão mais novo, o marchand de arte Theo van Gogh.

'A Noite Estrelada' (1889) é uma de suas pinturas mais famosas

'A Noite Estrelada' (1889) é uma de suas pinturas mais famosas

Após um tempo em Paris, onde entrou em contato com os impressionistas, Van Gogh estabeleceu-se em Arles, no sul da França, e lá foi influenciado pela particular incidência da luz solar na região, que dava um brilho especial às manhãs.

'Arles Vista do Campo de Trigo'  (1889). O amarelo é uma cor recorrente na obra de Van Gogh

'Arles Vista do Campo de Trigo' (1889). O amarelo é uma cor recorrente na obra de Van Gogh

'Les Alyscamps' , de 1888

'Les Alyscamps', de 1888

'Campo de Trigo com Ciprestes'  (1889) é outra de suas célebres pinturas

'Campo de Trigo com Ciprestes' (1889) é outra de suas célebres pinturas

A obra de Van Gogh permaneceu praticamente intocada até a sua morte, em 1890. Mas aos poucos foi descoberta e se tornou referência para as gerações de artistas que vieram depois dele. O historiador de arte E. H. Gombrich chega a definir Van Gogh como um dos 3 artistas responsáveis pela criação das soluções que permitiram a revolução da arte moderna no século XX, juntamente com Cézanne e Gauguin.

'Quarto em Arles'  (1888). Até os motivos mais corriqueiros do cotidiano serviam de motivo para Van Gogh pintar

'Quarto em Arles' (1888). Até os motivos mais corriqueiros do cotidiano serviam de motivo para Van Gogh pintar

Por tudo isso, não é pra menos que várias produções cinematográficas já se debruçaram sobre essa rica biografia. Para celebrar a data de nascimento desse artista fundamental, o Pigmum selecionou 5 filmes de diferentes épocas. Basta escolher um (ou todos) e prestar a sua homenagem. Ele merece!


1 - 'Van Gogh' (1948), direção: Alain Resnais

O primeiro é um curta francês de 1948, considerado o primeiro registro cinematográfico feito sobre Van Gogh. Foi um desafio e tanto, já que o curta é em preto e branco e as cores são características cruciais na obra de Van Gogh. Como traduzir para o cinema monocromático uma obra que é cheia de cor? O jeito foi se arriscar experimentando a linguagem do cinema, o que acabou garantindo a Alain Resnais, diretor do filme, o Oscar de Melhor Curta-Metragem.


2 - 'Sede de Viver' (1956), direção: Vincent Minnelli

Já em 1956 o livro ‘Sede de Viver’, do romancista americano Irving Stone, ganhou uma adaptação cinematográfica de mesmo nome, com Kirk Douglas no papel de Van Gogh. O ator inclusive chegou a concorrer ao Oscar de Melhor Ator por esse papel, mas não ganhou. Dessa lista, talvez seja o filme mais clássico sobre o artista. A primeira grande produção sobre ele, totalmente em cores, aliás.


3 - 'Vincent & Theo' (1990), direção: Robert Altman

Nos anos 1990 o interesse pelo artista parece ter crescido e várias produções surgiram desde então. Em 1990, ano do centenário de morte do artista, foi lançado o filme ‘Vincent & Theo’, de Robert Altman, focado na relação de Van Gogh com seu irmão mais novo, Theo. O filme vai além da narrativa biográfica pura e simples, concentrando-se em um aspecto específico da vida de Van Gogh.


4 - 'Van Gogh' (1991), direção: Maurice Pialat

O mesmo acontece em ‘Van Gogh’ (1991), de Maurice Pialat, que se concentrou nos últimos dias do artista, internado voluntariamente em um asilo em Saint-Remy, na França. Dessa vez, temos acesso à relação do artista com seu médico, Dr. Garchet, imortalizado em uma de suas pinturas. Nesse filme o gênio intempestivo dá lugar ao homem comum e de psiqué frágil, aproximando Van Gogh da realidade.


5 - 'Van Gogh: Pintando Com Palavras' (2010), direção: Andrew Hutton

E o último filme da lista é uma espécie de doc-drama, produzido pela BBC e com roteiro baseado inteiramente nas cartas trocadas entre Van Gogh, seu irmão Theo, entre outros familiares. Grande parte do que se sabe sobre o temperamento e as frustrações do artista só estão acessíveis por conta dessas cartas, que contam muito sobre sua maneira de enxergar o mundo. Talvez seja uma das produções mais recentes sobre o artista, se levarmos em consideração também os gêneros televisivos documentais e ficcionais.


BÔNUS: 'Loving Vincent' (2017?), direção: Dorota Kobiela

E talvez o grande filme sobre o artista ainda esteja por vir! Em 2017 provavelmente será lançado ‘Loving Vincent’, a primeira animação feita inteiramente utilizando a técnica da pintura a óleo. Os próprios quadros de Van Gogh ganham vida para falar sobre a vida e a misteriosa morte do artista. Interessante, né? Então dá uma olhada no trailer, só pra ficar morrendo de ansiedade:

Você tem até amanhã (20/11) para postar sua foto da Pinacoteca Potiguar e participar do projeto Além do Morro!

Ei, você do Rio Grande do Norte! Conhece o projeto fotográfico Além do Morro? O objetivo dele é descobrir novos ângulos da cidade de Natal (RN) e mostrar que a capital potiguar é muito mais do que o Morro do Careca.

Nesta semana o Pigmum foi convidado a apresentar o desafio #AlemDoMorro45 - Pinacoteca Potiguar. Pra participar, basta postar uma foto no Instagram usando a hashtag #AlémDoMorro45. Quem sabe a sua foto não é escolhida como a foto da semana e aparece na página do projeto? Mas corra, você só tem até às 23h59 deste domingo (20/11) para postar. Confira o vídeo:

O Além do Morro tem o patrocínio do Governo do Estado do Rio Grande do Norte e da Fundação José Augusto, através da Lei Câmara Cascudo de Incentivo à Cultura.

Já já minha foto da Pinacoteca aparece no Instagram do blog. Aliás, já tá seguindo o blog por lá?

Natureza digital: primeiro exercício de pintura no Photoshop

Eu adoro pêssego! Suco de pêssego, bala de pêssego, geleia de pêssego. Adoro a textura, as cores, o cheiro! Eu gosto até do nome pêssego e de suas variantes em outras línguas: durazno (espanhol), peach (inglês)...

E como a gente deve sempre desenhar algo que a gente goste, eu escolhi o pêssego como tema do meu primeiro exercício de pintura digital. Olha o resultado final:

Natureza morta nada! Olha essas cores, meus pêssegos estão vivos!

Natureza morta nada! Olha essas cores, meus pêssegos estão vivos!

Lembra que na semana passada rolou aqui em Natal uma oficina justamente de pintura digital com o Alzir Alves, que foi considerado um dos melhores coloristas do Brasil? Pois é, eu fiz a oficina e foi maravilhosa!

Alzir deu várias dicas e mostrou o passo a passo de seu processo criativo, desde a digitalização do desenho em traço feito à grafite, até a inclusão de efeitos de luz e sombra no Photoshop. Com a oficina ficou mais fácil entender como utilizar os diferentes pincéis (brushes) do software, além da organização do trabalho em camadas (layers). E finalmente eu comecei a trabalhar com a mesa digitalizadora que estava há mais de um ano encostada no armário.

Até me surpreendi com o resultado final do meu primeiro exercício, mas não foi tão fácil como parece. Tem gente que considera como trapassa o trabalho artístico feito em computação gráfica, como se o computador fizesse tudo sozinho. Mas quem tá por trás ralando, sabe o trabalho que dá! Não sujar as mãos de tinta não torna, necessariamente, uma arte digital inferior.

Mas pra chegar até aqui eu precisei passar por etapas bem definidas, como explicou Alzir. Primeiro a fase do traçado:

É preciso digitalizar e tratar o traçado original

É preciso digitalizar e tratar o traçado original

Essa foto que eu achei no Google serviu de referência

Essa foto que eu achei no Google serviu de referência

Em seguida, o preenchimento com as cores sólidas que servirão como base da pintura:

É importante também definir uma paleta de cores com os tons mais usados ao longo do trabalho

É importante também definir uma paleta de cores com os tons mais usados ao longo do trabalho

Depois, um estudo breve sobre o comportamento das cores, da luz e da sombra, para orientar a pintura. Pra isso, usei uma camada (layer) que foi ignorada posteriormente. Ou seja, ela não fez parte da arte final:

A foto original serviu de referência para definir a posição das cores, da luz e da sombra

A foto original serviu de referência para definir a posição das cores, da luz e da sombra

Aos poucos, as cores vão se integrando e a caneta digital vai se assemelhando a um pincel realmente. Depois de 4 horas de trabalho, parecia que eu estava misturando tinta já. Adorei aprender essa nova técnica. Acompanhe o processo:

Fiz um GIF animado pra facilitar a demonstração do processo

Fiz um GIF animado pra facilitar a demonstração do processo

Inclusive já tô aceitando sugestões para pintar novas frutas. ;)

25 pinturas de diferentes épocas para celebrar a chegada da primavera

A primavera chegou! A estação mais florida do ano começa no dia 23 de setembro no hemisfério sul, exatamente onde estamos aqui no Brasil! Entende agora o porquê das ruas da sua cidade estarem mais floridas nos últimos dias?

Considerada a estação com as temperaturas mais agradáveis, a primavera nos remete também à alegria, à variedade de cores e ao romantismo. É também a estação dos pombinhos apaixonados. E é claro que a arte tem tudo a ver com a percepção simbólica que nós temos da primavera, principalmente no contexto europeu, onde o clima temperado acentua as características de cada estação do ano.

A história da arte está repleta de artistas que buscaram inspiração na primavera. Se a gente prestar atenção dá pra compreender melhor as transformações pelas quais a arte passou ao longo dos séculos só observando como jardins e flores aparecem nas obras desses artistas.

Começando pelo quadro renascentista ‘A Primavera’, do italiano Botticelli (sim, aquele mesmo do famoso ‘O Nascimento de Vênus’). A pintura de 1482 utiliza a técnica de têmpora sobre madeira e a maioria dos críticos de arte acredita que a obra retrata um grupo de figuras mitológicas num jardim primaveril. As flores estão presentes no chão, nas árvores e estampam também o vestido de uma das personagens.

1 -  'A Primavera'  (1482), de Botticelli

1 - 'A Primavera' (1482), de Botticelli

Em ‘O Jardim das Delícias Terrenas’, o holandês Hieronymus Bosch nos apresenta sua versão para a história do mundo, a partir da criação. No primeiro painel, vemos Adão e Eva bem inocentes no Jardim do Éden. Já no painel central (o maior, diga-se de passagem), todo mundo despirocou depois de descobrir os prazeres carnais e resolveu fazer um amorzinho bem gostoso no meio das florezinhas. E por último, a hora do castigo! A representação do inferno, onde o ser humano é condenado pelo pecado da luxúria. Triste fim. Agora admita, é ou não é uma pintura surreal demais para uma obra que foi pintada em 1504? Eu amo!

2 -  ‘O Jardim das Delícias Terrenas’  (1504), do holandês Hieronymus Bosch

2 - ‘O Jardim das Delícias Terrenas’ (1504), do holandês Hieronymus Bosch

Outro carinha criativo do século XVI foi o italiano Giuseppe Arcimboldo, que usava imagens da natureza – geralmente, frutas e legumes – para compor fisionomias humanas! Se me dissessem que era uma artista do século XX eu acreditava! Será que Arcimboldo e Bosch se conheceram? Em ‘Flora’ (1591), eu não preciso dizer mais nada:

3 -  'Flora'  (1591), de Giuseppe Arcimboldo

3 - 'Flora' (1591), de Giuseppe Arcimboldo

A arte flamenga de Pieter Bruegel, O Jovem, retratava com frequência o cotidiano de camponeses. Em ‘Preparação dos Canteiros’ (1617), os trabalhadores cuidam de um pequeno jardim.

4 -  'Preparação dos Canteiros'  (1617), de Pieter Bruegel, O Jovem

4 - 'Preparação dos Canteiros' (1617), de Pieter Bruegel, O Jovem

Outro membro da família Bruegel também se destacou na arte: Jan Bruegel, ao lado de outro pintor flamengo conhecido, Peter Paul Rubens, resolveu criar uma série de pinturas tendo os cinco sentidos como tema. Em ‘O Sentido de Cheiro’ (1618), adivinha onde está a moça do quadro? Num jardim cheio de flores, é claro!

5 -  'O Sentido do Cheiro'  (1618), da parceria entre os artistas Jan Bruegel e Peter Rubens Paul

5 - 'O Sentido do Cheiro' (1618), da parceria entre os artistas Jan Bruegel e Peter Rubens Paul

Daqui a gente já parte para a França do século XVIII e seu estilo Rococó, que prezava por fórmulas decorativas e ornamentais. E tem coisa mais ornamental do que flor? Não, né! Nesse período, os artistas prezaram pela delicadeza, elegância e graça, retratando o cotidiano da aristocracia e a vida galante da corte e dos palácios franceses. Tudo muito inacessível à plebe. Muitos dos símbolos e clichês românticos que ainda insistimos em sustentar no século XXI tiverem início nesse período.

6 -  'A Terra'  (1730), de Nicolas Lancret

6 - 'A Terra' (1730), de Nicolas Lancret

 7 - A famosa pintura  'O Balanço'  (1766), do francês Jean-Honoré Fragonard

 7 - A famosa pintura 'O Balanço' (1766), do francês Jean-Honoré Fragonard

8 -  'Gathering Flowers'  (Século XIX), do americano Daniel Ridgway Knight

8 - 'Gathering Flowers' (Século XIX), do americano Daniel Ridgway Knight

A partir da segunda metade do século XIX, a arte passa por grandes transformações, principalmente após a difusão da fotografia. A pintura realista de artistas como Daniel Ridgway Knight começa a dar lugar a outras manifestações estéticas, como o Impressionismo de Degas, Renoir e Monet ou os pós-impressionistas Paul Cézanne, Vincent van Gogh e Paul Gauguin.

As cores passam a vibrar de maneira diferente nas telas. Importa mais a impressão que a luz que incide sobre os jardins provoca em nossos olhos, do que a representação fiel de suas flores.

9 -  'Mulher Sentada ao Lado de Um Vaso de Flores'  (1865), de Edgar Degas

9 - 'Mulher Sentada ao Lado de Um Vaso de Flores' (1865), de Edgar Degas

10 - O impressionismo de Renoir em  'Mulher com Guarda-sol em um Jardim'  (1875)

10 - O impressionismo de Renoir em 'Mulher com Guarda-sol em um Jardim' (1875)

11 -  'Na Pradaria'  (1876), de Claude Monet

11 - 'Na Pradaria' (1876), de Claude Monet

12 -  'Casal no Jardim'  (1873), de Paul Cézanne

12 - 'Casal no Jardim' (1873), de Paul Cézanne

13 - O clássico  'Doze girassóis numa jarra'  (1888), de Vincent Van Gogh

13 - O clássico 'Doze girassóis numa jarra' (1888), de Vincent Van Gogh

14 -  'Women On The River Bank'  (1885), de Georges Seurat

14 - 'Women On The River Bank' (1885), de Georges Seurat

15 -  'Arearea'  (1892), de Paul Gauguin

15 - 'Arearea' (1892), de Paul Gauguin

No século XX, mesmo com a profusão de estilos artísticos, as flores continuaram sendo temas recorrentes na arte.

16 -  Charles Daniel Ward continuou no caminho da arte figurativa, mesmo com as vanguardas europeias em ebulição, como vemos em   'O Progresso da Primavera'  (1905)

16 - Charles Daniel Ward continuou no caminho da arte figurativa, mesmo com as vanguardas europeias em ebulição, como vemos em 'O Progresso da Primavera' (1905)

A brasileira Tarsila do Amaral também foi outra artista que destacou a flora em sua obra, na perspectiva tropical tupiniquim:

17 - O lado tropical da flora em  'O Lago'  (1928), de Tarsila do Amaral

17 - O lado tropical da flora em 'O Lago' (1928), de Tarsila do Amaral

 Você já parou pra pensar em como as flores se comportam durante a noite? O Paul Klee, sim:

18 -  'Growth Of The Night Plants'  (1922), Paul klee

18 - 'Growth Of The Night Plants' (1922), Paul klee

19 - René Magritte também trouxe o tema das flores para a sua arte surrealista, em  'The Blow To The Heart'  (1952)

19 - René Magritte também trouxe o tema das flores para a sua arte surrealista, em 'The Blow To The Heart' (1952)

20 - Outro que também se aproximou do surrealismo foi Paul Delvaux ( que já mereceu um post só pra ele por aqui ). Esse é  'O Jardim' , de 1971

20 - Outro que também se aproximou do surrealismo foi Paul Delvaux (que já mereceu um post só pra ele por aqui). Esse é 'O Jardim', de 1971

21 -  'Mulher com Flores'  (1976), do colombiano Fernando Botero

21 - 'Mulher com Flores' (1976), do colombiano Fernando Botero

Na Pop-Art as flores também tiveram seu espaço. Andy Warhol não produziu apenas Marilyns e Sopas Campbell:

22 -  'Flores'  (1964), de Andy Warhol

22 - 'Flores' (1964), de Andy Warhol

 Observe como as flores no trabalho de Roy Lichtenstein, outro representante da Pop-Art, aparecem num contexto completamente diferente das imagens do Rococó. Aqui elas servem apenas para estampar a lata de lixo:

23 - Ironia e Pop-Art em  'Step-On Can With Leg'  (1961), de  Roy Lichtenstein

23 - Ironia e Pop-Art em 'Step-On Can With Leg' (1961), de Roy Lichtenstein

E por último, alguns trabalhos do século XXI, que trabalham com colagem e pintura digital.:

24 - A colagem digital de Randy Mora, em  'Esperándote'  (2012)

24 - A colagem digital de Randy Mora, em 'Esperándote' (2012)

25 -  'Weeping'  (2013), de Hsiao-Ron Cheng, artista de Taiwan

25 - 'Weeping' (2013), de Hsiao-Ron Cheng, artista de Taiwan

Bônus:

Também já tá permitido trocar e contemplar a sua capinha do CD 'As Quatro Estações - O Show' (2000), de Sandy & Júnior (entendedores entenderão). Hahaha

Obra atemporal.

Obra atemporal.

Agooooora sim a sua primavera já pode começar. Viva!

Na próxima semana, Natal receberá uma Oficina de Pintura Digital com um dos 10 melhores coloristas do Brasil

Você sabia que o Photoshop é um ateliê digital de pintura? Não é por acaso que ferramentas como pincéis, lápis, régua, esponja e borracha - comuns em qualquer ateliê de arte - estão presentes no mais conhecido software de edição de imagens. Até mesmo quando criamos um novo documento, estamos na verdade criando uma nova canvas ou tela de pintura.

Então que tal aprender as principais técnicas para utilizar todo o potencial do programa e produzir pinturas digitais ou colorir ilustrações? Se você estiver em Natal (RN) no próximo dia 22 de setembro, não deixe de participar da Oficina de Pintura Digital que vai rolar no Quadrinhos Estúdio e Escola de Desenho.

A área de trabalho do software Photoshop representa digitalmente um ateliê de arte, com ferramentas comuns a qualquer artista plástico

A área de trabalho do software Photoshop representa digitalmente um ateliê de arte, com ferramentas comuns a qualquer artista plástico

Alzir Alves em sua escola de artes visuais em João Pessoa (PB)

Alzir Alves em sua escola de artes visuais em João Pessoa (PB)

A escola vai receber o professor e quadrinhista Alzir Alves, que está à frente da Rascunho Studio Escola de Artes Visuais, de João Pessoa (PB). Em 2016, Alzir foi indicado como um dos dez melhores coloridas do país na maior premiação brasileira de quadrinhos, o HQ Mix, além de representar outros artistas no mercado nacional e internacional, em editoras como Zenescope, Dreamworks, Dark Horse, DC Comics e Marvel.

Na oficina, Alzir vai apresentar conceitos básicos sobre cor, luz, sombra e volumetria e ainda mostrar como trabalhar com diferentes pincéis (brushes), camadas (layers) e formatos de arquivo no Photoshop. Tudo isso e também algumas técnicas de acabamento e finalização de pinturas e ilustrações. Massa, né? 

Para participar, você só precisa ter mais de 13 anos e levar seu notebook, de preferência com o Photoshop já instalado. E é claro que saber algumas noções básicas do programa vai te ajudar e muito! Ah, e se você tiver também uma mesa digitalizadora, essa é a hora de aprender todos os recursos que ela tem a oferecer (leve também!).

Serão duas turmas: uma à tarde (14h às 17h) e a outra à noite (19h às 22h). As inscrições custam apenas R$150 e podem ser feitas pelo e-mail quadrinhosrn@gmail.com ou pelo Whatsapp (84) 98160-8288. Eu já me inscrevi, porque não sou besta de perder essa oportunidade!

Rascunho do personagem principal do jogo Zelda, feito por Alzir; em seguida, a mesma imagem finalizada, após receber as cores digitais do artista

Rascunho do personagem principal do jogo Zelda, feito por Alzir; em seguida, a mesma imagem finalizada, após receber as cores digitais do artista

alzir alves 2

Oficina de Pintura Digital com Alzir Alves
Dia 22 de setembro (quinta-feira)
Local: Quadrinhos Estúdio e Escola de Desenho
Endereço: Rua Est. José Fancisco de Souza, 3945, Capim Macio. Natal - Rio Grande do Norte

Inscrições: quadrinhosrn@gmail.com ou pelo Whatsapp (84) 98160-8288
Valor: R$ 150

 

SERVIÇO: 

Visite a Pinacoteca Universitária da Ufal no novo vídeo do canal Pigmum!

A Pinacoteca Universitária da Universidade Federal de Alagoas (Ufal) é um dos melhores espaços para exposições de arte moderna e contemporânea em Maceió. Além de receber com regularidade exposições temporárias de artistas alagoanos e de outros estados, também guarda um acervo próprio, com peças das exposições que já passaram por lá ao longo de mais de 30 anos de trajetória.

Visite comigo a Pinacoteca da Ufal no vídeo do canal Pigmum de hoje e não esqueça de se inscrever no canal clicando aqui.

Já está no ar o segundo vídeo do canal Pigmum no YouTube!

E o segundo vídeo do canal Pigmum no YouTube já está no ar! Prepare-se para entrar numa legítima residência aristocrática do século XIX, que hoje abriga o acervo do Museu do Estado de Pernambuco (Mepe), um dos principais do estado, com documentos e mobiliário do período de ocupação holandesa, coleção de pinturas e artefatos indígenas. 

O casarão pertenceu à família do Barão de Beberibe e está localizado no bairro das Graças, zona norte do Recife. Aperte o play e fique à vontade. A casa é nossa.

Ah, e não se esqueça de clicar aqui para se inscrever no canal, viu? =)