Pigmum

arte e outros riscos

Precisamos dizer NÃO à censura e reabrir a exposição 'Queermuseu' no Santander Cultural!

Primeiro, quero deixar todo o meu apoio e solidariedade aos artistas e ao Doutor em História da Arte, Gaudêncio Fidelis, curador da mostra ‘Queermuseu – Cartografias da diferença na arte brasileira’.

Nesta segunda-feira, 11 de setembro, esse foi um dos principais assuntos a repercutir na internet: a exposição, que dava visibilidade à diversidade sexual e questionava valores culturais, sociais e religiosos que historicamente marginalizaram e ainda marginalizam a comunidade LGBT+, foi cancelada pelo Santander Cultural de Porto Alegre, após a reação daqueles que eu estou chamando aqui de ‘os conservadores’.

A exposição 'Queermuseu' discute diversidade sexual e reúne obras de vários artistas e épocas diferentes

A exposição 'Queermuseu' discute diversidade sexual e reúne obras de vários artistas e épocas diferentes

Eu lamento a decisão do Santander Cultural em ceder à censura e à intimidação desonesta desses conservadores e lamento ainda mais que essa prática, tão comum nos tempos da Ditadura Militar esteja voltando. Esse não é o primeiro caso de censura que vimos nos últimos anos e provavelmente não será o último. E o mais chocante é que todas essas manifestações artísticas, performáticas ou teatrais que foram censuradas e ganharam repercussão na internet tinham um teor político muito forte e isso diz muito sobre o nosso atual momento histórico. Inclusive algumas das obras que estão sendo alvo de repúdio são dos anos 1990 e já circularam em diversas outras exposições e espaços públicos.

‘A’, Not ‘I’ (2016), de Cibelle Cavalli Bastos, uma das obras da exposição ‘Queermuseu’ 

‘A’, Not ‘I’ (2016), de Cibelle Cavalli Bastos, uma das obras da exposição ‘Queermuseu’ 

Eu não tenho dúvidas de que a reação contra essa exposição é só mais um reflexo dos nossos tempos sombrios e só mostra o quanto a homofobia e os tabus sexuais ainda estão latentes na nossa sociedade hipócrita e falso-moralista. A mesma sociedade que colocou os termos 'ônibus' e 'gozando no ombro' como duas das palavras-chave mais buscadas em um site pornô, poucos dias após a repercussão daquele caso de abuso sexual dentro de um ônibus em São Paulo  (veja o link).

As tags 'ônibus' e 'gozando no ombro' foram algumas das palavras-chave mais buscadas no site de conteúdo pornográfico X-Videos, logo após o caso de abuso sexual dentro de um ônibus em São Paulo. Isso revela muito sobre a nossa sociedade

As tags 'ônibus' e 'gozando no ombro' foram algumas das palavras-chave mais buscadas no site de conteúdo pornográfico X-Videos, logo após o caso de abuso sexual dentro de um ônibus em São Paulo. Isso revela muito sobre a nossa sociedade

É por essas e outras que precisamos sim continuar discutindo gênero e diversidade sexual em todas as instituições sociais (na arte, na família, na igreja, na escola - SIM), porque essa diversidade faz parte da nossa realidade empírica e escondê-la para debaixo do tapete só vai trazer sofrimento e ignorância para todo mundo. Inclusive para as crianças. Precisamos SIM falar sobre isso com as crianças e talvez elas entendam até melhor do que você.

'Cena de interior II' (1994), da artista Adriana Varejão, uma das obras mais comentadas da exposição e que levanta questionamentos sobre práticas sexuais recorrentes no interior do Brasil, segundo a artista

'Cena de interior II' (1994), da artista Adriana Varejão, uma das obras mais comentadas da exposição e que levanta questionamentos sobre práticas sexuais recorrentes no interior do Brasil, segundo a artista

A arte pode ser um meio de expressão capaz de nos tirar do lugar-comum e de nos levar além dos discursos rasos e literais que rondam o nosso cotidiano. Uma obra de arte tem o potencial de expressar muito mais do que parece: desde questionamentos estéticos, conflitos pessoais, crítica social, posicionamento político, entre tantas outras possibilidades. Mas é preciso saber ler as entrelinhas. E não é isso que estamos vendo na repercussão dessa exposição.

Os autores dos vídeos e dos comentários que estão circulando na internet não fazem a mínima questão de tentar entender a proposta da exposição e as críticas e questionamentos que estão sendo levantados nela.

Para além das poéticas artísticas, essa é também uma exposição política (SIM!) - como todo posicionamento que a gente assume na vida! Afinal, a reação conservadora também é política. E limitada ao ataque raso, agressivo e distante de qualquer contexto que tenha sido proposto na exposição.

Essa galera conservadora consegue ser extremamente bidimensional, enxergando apenas nudez, "pornografia" e o que eles consideram vulgar e obsceno em trabalhos artísticos que estão se propondo a explorar questões com raízes muito mais profundas do que isso.

Você tem que ser muito criativo pra conseguir ver pedofilia em um trabalho como o da artista Bia Leite, que se inspirou nas fotos do site Criança Viada para celebrar os traços não heteronormativos que as crianças LGBT+ expressam todos os dias e que são duramente reprimidos todos os dias, muitas vezes com xingamentos e violência física. E eu sei do que eu tô falando. Você ao menos sabe o que é pedofilia? Porque se você enxergou pedofilia nesse trabalho, busque se informar melhor ou vá se tratar! Você está com problemas!

'Criança Viada Travesti da Lambada' e 'Criança Viada Deusa das Águas' (2013), de Bia Leite. Acusada de pedofilia. Pedofilia onde?

'Criança Viada Travesti da Lambada' e 'Criança Viada Deusa das Águas' (2013), de Bia Leite. Acusada de pedofilia. Pedofilia onde?

Na verdade, essa tal 'obscenidade' ou nudez que aparece nos trabalhos da exposição seja o que há de menos importante nessas obras. Talvez a exposição esteja muito mais interessada em discutir o preconceito e a hipocrisia dos falso-moralistas.

Diante de toda essa reação, eu só consigo pensar que esses conservadores não se sentem confortáveis em se deparar com seus próprios preconceitos, muito menos em uma galeria de arte, que ainda tem sobre si essa áurea quase inatingível de genialidade artística. E como eles não têm como contra-argumentar - uma vez que eles não conseguem ultrapassar a zona superficial que só enxerga literalmente nudez e pornografia, não resta outra opção a eles, a não ser os ataques agressivos e o apelo à censura.

Mas não podemos deixar que a censura se instale novamente em nosso país e nem permitir que os conservadores continuem ditando regras equivocadas, baseadas em seus próprios umbigos. Chega de ignorância! Chega de homofobia!   

E como já cantou Chico Buarque, apesar de você, amanhã há de ser outro dia e você vai ter que ver a manhã renascer e esbanjar poesia.

Assine o abaixo-assinado que pede a reabertura da exposição ‘Queermuseu’! Precisamos continuar falando sobre isso e a exposição só tem a contribuir!

*Esse texto traz apenas alguns pontos para contribuir com a reflexão e, claro, está longe de contemplar todas as perspectivas possíveis. Por isso, deixo abaixo outros links para quem desejar ler um pouco mais e se aprofundar no assunto: