Pigmum

arte e outros riscos

As mulheres noturnas de Paul Delvaux

Boa parte de nossas vidas passamos entregues ao sono, completamente vulneráveis aos caprichos do inconsciente. Não é difícil chegar à conclusão de que sabemos muito pouco sobre o que acontece conosco enquanto dormimos. A obra de Paul Delvaux mergulha principalmente nessa atmosfera onírica.

  The Strollers (1947)

The Strollers (1947)

Paul Delvaux nasceu na Bélgica em 1897 e é muitas vezes associado ao Surrealismo, um dos movimentos artísticos mais populares do século XX. Surrealistas como Salvador Dalí e René Magritte, influenciados pelas teorias psicanalíticas de Freud, buscaram entender o papel do inconsciente na atividade criativa. Porém, Paul Delvaux, de fato, nunca se filiou ao movimento e se deixou inspirar também pela cultura do expressionismo flamengo.

As mulheres de Delvaux são misteriosas, quase sempre nuas e parecem estar em um permanente estado sonâmbulo, vagando pela noite entre ruas e edifícios que muitas vezes fazem referência à arquitetura greco-romana. As próprias poses dessas mulheres são capazes de nos remeter à arte clássica.

Também chama a atenção os semblantes serenos, estampando uma paz assustadoramente fria, como quem descansa em paz. Aliás, não há como negar uma certa aproximação entre o sono e a morte, parentes às vezes nem tão distantes. A paisagem montanhosa, os ares sombrios, as árvores secas e alguns esqueletos aqui e ali também contribuem para essa sensação.

Por outro lado, mesmo aparentemente suscetíveis, essas mulheres também transmitem uma força e ousadia inexplicáveis, assim como muitos de nossos próprios sonhos.