Pigmum

arte e outros riscos

No mês da Consciência Negra, UFRN promove III Festival de Cinema Africano

Quantos filmes africanos você já assistiu? Infelizmente a gente não ouve falar muito sobre eles, né? Mas isso pode mudar. Nos próximos dias teremos a oportunidade de ver e debater até 6 produções africanas, entre elas uma animação, durante o III Festival de Cinema Africano. O evento será realizado na Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN) entre os dias 30 de novembro e 2 de dezembro e contará ainda com um Workshop de Documentários, coordenado pela cineasta Lilian Solá Santiago.

Aliás, o momento não poderia ser mais propício: encerrar o mês da Consciência Negra mostrando que o cinema pode ser um importante aliado na discussão de questões contemporâneas ligadas ao racismo, ao preconceito e à xenofobia. Acima de tudo, teremos a chance de ver a África sob a perspectiva dos próprios africanos e isso é maravilhoso!

Confira a programação:

toukibouki

Direção: Djibril Diop Mambéty (Senagal, 1973, 90”)
Exibição: Auditório II, DPP, CCHLA, UFRN
Debate sobre o filme às 20h

TOUKI BOUKI

 

SINOPSE:
Primeiro filme do aclamado diretor senegalês Djibril Diop Mambéty e considerado um dos melhores filmes africanos. Narra as cômicas aventuras de um vaqueiro e de uma estudante universitária descontentes com o Senegal e a África. Eles montam numa motocicleta com um crânio bovino e decidem ir para Paris, buscando arrumar dinheiro fácil.

Assista ao trailer:


apequenavendedoradesoleil

Direção: Djibril Diop Mambéty (Senagal, 1999, 45”)
Exibição: Auditório II, DPP, CCHLA, UFRN
Debate sobre o filme às 20h30

A PEQUENA VENDEDORA DE SOLEIL

SINOPSE:
Silli é uma menina deficiente de 12 anos que resolve mendigar nas ruas de Dakar e sofre com as zombarias de um bando de meninos vendedores-mirins de jornais. Ela logo decide parar de mendigar e começa também a vender jornais, atividade normalmente reservada aos meninos. No decorrer de suas aventuras, Silli conhece Babou e uma amizade que se firma frente à brutalidade dos pequenos rivais vendedores de jornal.

Assista ao trailer:


lefranc

Direção: Djibril Diop Mambéty (Senagal, 1994, 46”)
Exibição: Auditório II, DPP, CCHLA, UFRN
Debate sobre o filme às 20h30

LE FRANC

 

SINOPSE:
Um rapaz que exerce funções eventuais como músico compra um bilhete premiado de loteria, mas cola o bilhete na parede de madeira de seu barraco, dando origem a várias confusões para conseguir receber o prêmio.

Assista ao trailer:


badouboy

Direção: Djibril Diop Mambéty (Senagal, 1970, 56”)
Exibição: Auditório II, DPP, CCHLA, UFRN
Debate sobre o filme às 20h30

BADOU BOY

 

SINOPSE:
O menino Badou, um jovem delinquente, vive aprontando em sua cidade e perturbando a paz de todos que o cercam. Sua fama consagra-o como uma das figuras mais procuradas pela polícia, que nunca consegue alcançá-lo. Enquanto isso, um mendigo cego sobrevive de sua humilde música, denunciando através do canto uma série de injustiças sociais.

Assista ao trailer:


feriasemcasa

Direção: Jean-Marie Teno (Camarões/França, 2000, 75” - Documentário)
Exibição: Sala C5, Setor II, CCHLA, UFRN
Debate sobre o filme às 20h30

FÉRIAS EM CASA

SINOPSE:
Em 1998, Jean-Marie Teno volta, durante o verão, à terra de sua infância, nos Camarões. De Yaoundé, cidade grande, até Badjoun, aldeia onde passava as férias na infância, a viagem lhe permite fazer o inventário irônico da situação do país. Ao sabor dos encontros, o autor denuncia a incompetência da administração e o fascínio pela modernidade importada da Europa, que não se adapta à África e suas tradições. À procura de um novo modelo para a África, ele sonha com uma modernidade a serviço da maioria, que permita ao país reconciliar-se com sua cultura.


aya

Direção: Marguerite Abouet & Clément Oubrerie (Senegal/França, 2013, 84” - Animação)
Exibição: Sala C5, Setor II, CCHLA, UFRN
Debate sobre o filme às 20h30

AYA DE YOPOUGON

 

SINOPSE:
Aya é uma jovem que quer estudar medicina. Mora em Yopougon, uma comunidade pobre perto de Abidjan, a cidade mais rica da Costa do Marfim. Ela e suas amigas gostam de se divertir e dançar. Sonham com amores e com muita riqueza. Como em muitos lugares pequenos, em Yopougon as notícias correm rapidamente, às vezes, gerando conflitos. O desenho reproduz preciosamente a geografia, os costumes e a vida local. Revela aspectos das relações sociais e familiares de um povo que influenciou em muito a cultura brasileira. Baseado nas histórias em quadrinhos dos mesmos autores do filme.

Assista ao trailer:


Workshop de Documentários

  A cineasta e professora Lilian Solá Santiago

A cineasta e professora Lilian Solá Santiago

Além da mostra, o III Festival de Cinema Africano também oferecerá um Workshop de Documentários com a cineasta Lilian Solá Santiago, que também é professora do curso de Cinema e Audiovisual da FCAD-CEUNSP (Salto-SP). Em mais de 15 anos de carreira, Lilian dirigiu diversos documentários e entre os mais recentes estão ‘Fios do Passado’ (2015) e ‘Batuque de Graxa’ (2013).

Para se inscrever no workshop basta enviar um e-mail para cursodocnavis@gmail.com, com nome, telefone e um breve texto apresentando a experiência com a realização de documentários ou a proposta de realizar um (10 linhas). O curso é gratuito e também acontecerá entre os dias 30 de novembro e 2 de dezembro, sempre das 14h às 18h, no Centro de Ciências Humanas, Letras e Artes da UFRN (CCHLA).

Caso o número de inscrições seja superior ao número de vagas oferecidas (20) haverá uma seleção e os escolhidos serão avisados por e-mail no período entre 26 e 28 de novembro.

O III Festival de Cinema Africano é uma realização do Núcleo de Antropologia Visual (NAVIS) e do projeto Narrativas, Memória e Itinerários, em parceria com a Cinemateca da Embaixada da França no Brasil e o apoio da PROEX-UFRN, do Departamento de Antropologia e do Programa de Pós-Graduação em Antropologia Social da UFRN (PPGAS).