Pigmum

arte e outros riscos

5 filmes sobre Van Gogh para comemorar o aniversário do artista

  Van Gogh pintou inúmeros autorretratos, inclusive após perder sua orelha

Van Gogh pintou inúmeros autorretratos, inclusive após perder sua orelha

Há exatamente 164 anos, no dia 30 de março de 1853, nascia Vincent van Gogh, um gênio das artes atormentado pela sua própria mente. Sua vida, repleta de fatos curiosíssimos, já rendeu material suficiente para as mais diversas narrativas. Afinal, que outro artista que você conhece tem um temperamento tão instável a ponto de cortar a própria orelha após discutir com seu companheiro de pintura – no caso, o também artista Paul Gauguin?

Conta-se ainda que durante toda a sua vida, Van Gogh vendeu apenas um único quadro. Isso porque naquela época as estéticas inovadoras que antecederam o modernismo, como a arte impressionista, ainda eram marginais e ‘brigavam’ com as belas artes por um lugar ao sol. Mas definitivamente Van Gogh não conseguia se encaixar em lugar nenhum, já que nem chegou a ser considerado um impressionista. Van Gogh ficou ali no meio, no espaço indefinido entre o pós-impressionista e o pré-modernista. E essa sensação de não-pertencimento foi uma constante em sua trajetória.

Van Gogh foi uma criança solitária e assim continuou durante a vida adulta. Muito religioso, queria ser pastor e chegou a se tornar missionário na Bélgica, mas decidiu ocupar-se definitivamente da arte já perto dos 30 anos de idade, com o apoio financeiro de seu irmão mais novo, o marchand de arte Theo van Gogh.

  'A Noite Estrelada' (1889) é uma de suas pinturas mais famosas

'A Noite Estrelada' (1889) é uma de suas pinturas mais famosas

Após um tempo em Paris, onde entrou em contato com os impressionistas, Van Gogh estabeleceu-se em Arles, no sul da França, e lá foi influenciado pela particular incidência da luz solar na região, que dava um brilho especial às manhãs.

 'Arles Vista do Campo de Trigo'  (1889). O amarelo é uma cor recorrente na obra de Van Gogh

'Arles Vista do Campo de Trigo' (1889). O amarelo é uma cor recorrente na obra de Van Gogh

 'Les Alyscamps' , de 1888

'Les Alyscamps', de 1888

 'Campo de Trigo com Ciprestes'  (1889) é outra de suas célebres pinturas

'Campo de Trigo com Ciprestes' (1889) é outra de suas célebres pinturas

A obra de Van Gogh permaneceu praticamente intocada até a sua morte, em 1890. Mas aos poucos foi descoberta e se tornou referência para as gerações de artistas que vieram depois dele. O historiador de arte E. H. Gombrich chega a definir Van Gogh como um dos 3 artistas responsáveis pela criação das soluções que permitiram a revolução da arte moderna no século XX, juntamente com Cézanne e Gauguin.

 'Quarto em Arles'  (1888). Até os motivos mais corriqueiros do cotidiano serviam de motivo para Van Gogh pintar

'Quarto em Arles' (1888). Até os motivos mais corriqueiros do cotidiano serviam de motivo para Van Gogh pintar

Por tudo isso, não é pra menos que várias produções cinematográficas já se debruçaram sobre essa rica biografia. Para celebrar a data de nascimento desse artista fundamental, o Pigmum selecionou 5 filmes de diferentes épocas. Basta escolher um (ou todos) e prestar a sua homenagem. Ele merece!


1 - 'Van Gogh' (1948), direção: Alain Resnais

O primeiro é um curta francês de 1948, considerado o primeiro registro cinematográfico feito sobre Van Gogh. Foi um desafio e tanto, já que o curta é em preto e branco e as cores são características cruciais na obra de Van Gogh. Como traduzir para o cinema monocromático uma obra que é cheia de cor? O jeito foi se arriscar experimentando a linguagem do cinema, o que acabou garantindo a Alain Resnais, diretor do filme, o Oscar de Melhor Curta-Metragem.


2 - 'Sede de Viver' (1956), direção: Vincent Minnelli

Já em 1956 o livro ‘Sede de Viver’, do romancista americano Irving Stone, ganhou uma adaptação cinematográfica de mesmo nome, com Kirk Douglas no papel de Van Gogh. O ator inclusive chegou a concorrer ao Oscar de Melhor Ator por esse papel, mas não ganhou. Dessa lista, talvez seja o filme mais clássico sobre o artista. A primeira grande produção sobre ele, totalmente em cores, aliás.


3 - 'Vincent & Theo' (1990), direção: Robert Altman

Nos anos 1990 o interesse pelo artista parece ter crescido e várias produções surgiram desde então. Em 1990, ano do centenário de morte do artista, foi lançado o filme ‘Vincent & Theo’, de Robert Altman, focado na relação de Van Gogh com seu irmão mais novo, Theo. O filme vai além da narrativa biográfica pura e simples, concentrando-se em um aspecto específico da vida de Van Gogh.


4 - 'Van Gogh' (1991), direção: Maurice Pialat

O mesmo acontece em ‘Van Gogh’ (1991), de Maurice Pialat, que se concentrou nos últimos dias do artista, internado voluntariamente em um asilo em Saint-Remy, na França. Dessa vez, temos acesso à relação do artista com seu médico, Dr. Garchet, imortalizado em uma de suas pinturas. Nesse filme o gênio intempestivo dá lugar ao homem comum e de psiqué frágil, aproximando Van Gogh da realidade.


5 - 'Van Gogh: Pintando Com Palavras' (2010), direção: Andrew Hutton

E o último filme da lista é uma espécie de doc-drama, produzido pela BBC e com roteiro baseado inteiramente nas cartas trocadas entre Van Gogh, seu irmão Theo, entre outros familiares. Grande parte do que se sabe sobre o temperamento e as frustrações do artista só estão acessíveis por conta dessas cartas, que contam muito sobre sua maneira de enxergar o mundo. Talvez seja uma das produções mais recentes sobre o artista, se levarmos em consideração também os gêneros televisivos documentais e ficcionais.


BÔNUS: 'Loving Vincent' (2017?), direção: Dorota Kobiela

E talvez o grande filme sobre o artista ainda esteja por vir! Em 2017 provavelmente será lançado ‘Loving Vincent’, a primeira animação feita inteiramente utilizando a técnica da pintura a óleo. Os próprios quadros de Van Gogh ganham vida para falar sobre a vida e a misteriosa morte do artista. Interessante, né? Então dá uma olhada no trailer, só pra ficar morrendo de ansiedade: